Motivos para assistir Star Wars


Hoje é um dia de comemoração para todos os fãs de Star Wars. Todos os anos, no dia 04 de maio é considerado o Star Wars Day, ou o Dia de Star Wars, em português. Essa celebração tem a ver com a semelhança entre a pronúncia da data em inglês (May the 4th), com o início da famosa frase dos filmes “may the force be with you” (que a força esteja com você).
Como fã da saga, não poderia deixar de fazer um post especial para comemorar a data. Então, resolvi listar alguns motivos para conhecer Star Wars. São razões que explicam por quê eu gosto tanto desta série e acho que todo mundo deveria, pelo menos, ser apresentado ao universo criado por George Lucas.

1 – Importância para o cinema
            A importância que Star Wars teve para o cinema é inquestionável. Quando o primeiro filme foi lançado em 1977, os efeitos visuais e sonoros no cinema ainda eram modestos e a tecnologia muito limitada. Então, só consigo imaginar o quão impressionante foi ver as incríveis naves espaciais e as incríveis batalhas com sabres de luz naquela época. A partir deste filme, houve um salto significativo nas tecnologias usadas no cinema.
            Isso para não mencionar a trilha sonora. As composições de John Williams para esses filmes estão entre as mais marcantes da história do cinema. Duvida? Assista aos vídeos abaixo e me diga se não conhece pelo menos uma delas. Não conheço ninguém que, mesmo sem ter visto nenhum dos filmes de Star Wars, não reconheça essas músicas imediatamente.



2 – História atemporal
            A história de Star Wars é totalmente atemporal. Não é sem motivos que tantas gerações diferentes se apaixonam por estes filmes. Temos ali a típica jornada do herói, com personagens cativantes, mentores sábios e vilões bem construídos. Tudo isso ambientado no espaço, com diversos planetas, povos diferentes e muitas batalhas com naves. Além disso, proporciona vários ensinamentos e reflexões que podem ser aplicadas à nossa sociedade. Afinal, em todos os filmes são discutidas questões sobre o equilíbrio entre o bem e o mal, a dificuldade de escolher entre o que é certo e o que é fácil, a democracia e o perigo de regimes totalitários, entre outros temas.

3 – Personagens femininas fortes
            Mais uma vez retornando ao ano de 1977, o que predominava no cinema naquela época eram personagens femininas cujo papel era apenas de interesse romântico o herói da história e aguardar que ele fosse salvá-la em algum momento do filme (infelizmente, esse estereótipo ainda ocorre). Então, quando Star Wars foi lançado, conhecemos a Princesa Léia, uma jovem senadora que é presa pelo vilão da história e fica esperando os heróis irem resgatá-la, certo? Errado! Léia assume o comando do próprio resgate e ainda ajuda a salvar os seus atrapalhados salvadores. Além da Léia, tem a sua mãe, Padmé, que também é uma personagem corajosa, dona de uma personalidade forte e independente. Mais recentemente, ainda fomos apresentados a mais duas ótimas personagens: Rey e Jhin. A Rey é uma das protagonistas da nova trilogia (episódios VII, VIII e IX), uma personagem forte, corajosa e independente, que cresceu sozinha, em um lugar cheio de ameaças, e aprendeu a se defender. Já a Jhin é a protagonista de Rogue One: Uma história Star Wars. Ela ficou órfã ainda criança e, quando adulta, se tornou uma contrabandista. Depois de ser pega pelos rebeldes, ela se vê liderando uma missão extremamente perigosa para roubar planos do império. Se isso não é uma personagem feminina forte, não sei mais o que é.

4 – Universo expandido
            Não é exagero dizer que o universo de Star Wars é gigantesco. Além dos 7 filmes da saga e de Rogue One, que é um prelúdio do episódio IV, são diversos livros, HQs e desenhos que contam histórias sobre acontecimentos ocorridos entre os filmes. Através dessas obras, os fãs conhecem novos personagens e planetas, têm mais detalhes sobre as batalhas e tem a oportunidade de preencher algumas lacunas entre os filmes. Inclusive, já tive a oportunidade de ler um dos livros que fazem parte do cânone de oficial, Star Wars: Marcas da Guerra, e tenho vários outros na minha lista.

5 – Novos filmes
            Os novos filmes são, sem dúvida, um ótimo motivo para assistir Star Wars. Para quem não sabe, até alguns anos se supunha que a saga havia terminado com o episódio 3. Porém, a Disney anunciou uma nova trilogia e mais alguns filmes que não seriam continuações, mas estariam relacionados ao universo de Star Wars. Dois deles já foram lançados: Star Wars VII: O despertar da força, em 2015, e Rogue One: Uma história Star Wars, em 2016. Ambos são ótimos filmes, que preservam os elementos que tanto amamos nos filmes originais, mas que trazem novidades e enriquem ainda mais a franquia.
            Ah e tem mais filmes vindo por aí. Em dezembro, será lançado o episódio VII da franquia, Os últimos Jedi, e o filme sobre Han Solo, um dos personagens mais queridos da série, já está sendo gravado. Ou seja, o que não falta é novidade deste universo de Star Wars.

6 – Darth Vader
Mesmo que você nunca tenha assistido a um filme de Star Wars, duvido muito que não tenha ouvido falar de Darth Vader. O famoso vilão que anda sempre com sua máscara e roupa preta, e que impressiona com sua respiração mecânica e incrível habilidade com o uso da Força, é considerado um dos maiores da história do cinema. Sua simples aparição dos filmes já desperta, ao mesmo tempo, medo e fascínio, e é simplesmente impossível não se sentir hipnotizado por essa figura. O típico vilão que amamos odiar.

Bônus: BB-8
            Se nenhum dos motivos citado acima te convenceram a assistir Star Wars, o BB-8 vai. O pequeno robozinho construído para o episódio VII abalou os corações mais sensíveis e conquistou fãs no mundo inteiro. Mas, sinceramente, dá para resistir a tanta fofura?



Se animaram a conhecer Star Wars? E, para quem é fã, concordam com os motivos que apontei ou lembrariam de outros? Me contem tudo que vocês pensam sobre essa famosa saga aí nos comentários. Ah, e aproveitem que a Amazon também está comemorando o Dia de Star Wars com ótimos descontos: aqui.
Ah e, atendendo a alguns pedidos, deixo uma pequena explicação sobre a ordem dos filmes. Os três primeiros filmes lançados são, na verdade, os episódios IV, V e VI, respectivamente. Então, se quiserem seguir a ordem de lançamento, é só olhar a data dos filmes. Mas, se preferirem a ordem cronológica, é só se basear no número do episódio.
Star Wars I: A ameaça fantasma (1999)
Star Wars II: O ataque dos clones (2002)
Star Wars III: A vingança dos Sith (2005)
Rogue One: Uma história Star Wars (2016)
Star Wars IV: Uma nova esperança (1977)
Star Wars V: O império contra-ataca (1980)
Star Wars VI: O retorno de jedi (1983)

Star Wars VII: O despertar da força (2015)

[Resenha] Trono de Vidro

Sinopse: “Nas sombrias e sujas minas de sal de Endovier, uma jovem de 18 anos está cumprindo sua sentença. Celaena é uma assassina. E a melhor de Adarlan. Aprisionada e fraca, ela está quase perdendo as esperanças quando recebe uma proposta. Terá de volta sua liberdade se representar o príncipe de Adarlan em uma competição, lutando contra os mais habilidosos assassinos e larápios do reino. Endovier é uma sentença de morte, e cada duelo em Adarlan será para viver ou morrer. Mas se o preço é ser livre, ela está disposta a tudo.”
Autora: Sarah J. Maas / Editora: Galera Record /             Páginas: 392 / Comprar: Amazon

Se você acompanhou os lançamentos de abril que divulguei aqui no blog, está sabendo que a Galera Record publicou o segundo tomo de Império de Tempestades. Como eu já estava querendo começar essa série há algum tempo, aproveitei esse lançamento para entrar no clima e, finalmente, comecei a leitura.
Em abril eu li o primeiro volume e agora vou fazer uma mini maratona em  maio e junho para concluir os outros. Pretendo postar resenha de todos os livros já publicados, incluindo os dois tomos de Império de Tempestades, ao longo desses dois meses. E, quando eu concluir, faço um post especial sobre a série.
Então, sem mais delongas, vamos à resenha de Trono de Vidro.
Neste livro, o leitor é apresentado à Celaena Sardothien. Ela é a melhor e mais perigosa assassina de Adarlan, porém, depois de um ano trabalhando como prisioneira nas minas de sal de Endovier, está fraca e quase sem esperança de que algum dia será livre de novo. É quando recebe uma proposta inesperada: Dorian Havilliard, o príncipe de Adarlan, quer que ela o represente em uma competição, lutando contra os mais perigosos assassinos do reino. Se vencer, ela trabalhará para o rei por alguns anos e, depois, estará livre. Se falhar, ela pode morrer no torneio ou ser enviada de volta a Endovier.
Assim, acompanhamos a jornada de Celaena enquanto se prepara para a competição, o primeiro passo em sua busca pela liberdade. No entanto, ela irá descobrir que há perigos muito maiores que os outros competidores, e que as consequências para qualquer falha são maiores do que ela poderia supor a princípio.

“Mesmo se conquistasse a liberdade... mesmo se conseguisse viver em paz em algum lugar... as cicatrizes sempre a lembrariam do que suportara. E que embora fosse livre, outros não eram.”

Para falar sobre esse livro, o primeiro aspecto que preciso destacar é justamente a Celaena. Que personagem incrível! Ela é forte, determinada e extremamente inteligente. E isso é percebido não apenas pelo fato de ela ser uma assassina conhecia em todo o reino, mas por tudo que já teve que superar na vida. Apesar do passado de Celaena ser um mistério, é visível que ela carrega muitas cicatrizes, e não apenas as físicas.
Apesar de sua “profissão” e de sua força, Celaena não é uma personagem fria ou desumana. Ao contrário, ela tem medos, inseguranças, mágoas e culpas que a tornam uma personagem muito humana. Além disso, ela demonstra uma grande capacidade de se importar com outras pessoas, mesmo quando não pode fazer nada por isso. E o simples fato de ainda conseguir sentir empatia, mesmo tendo passado por coisas que poderiam tê-la tornado egoísta ou indiferente, já diz muito sobre o caráter dessa personagem.
Outros dois personagens que conquistaram minha admiração durante a leitura foram o príncipe Dorian e Chaol, o chefe da guarda e melhor amigo do príncipe. Eu imaginava que Dorian seria um príncipe mimado e inconsequente, mas é justamente o contrário. Ele tem opinião própria e não fecha os olhos para os erros de seu pai. É um personagem generoso, atencioso e muito íntegro, que, na medida do possível, tenta sempre fazer o que é certo, chegando a desafiar o rei em alguns momentos.
Já o Chaol eu estou sentindo que será um novo crush literário. Apesar de muito sério e certinho, ele é um personagem justo e extremamente leal, principalmente ao príncipe. Além disso, a medida que o conhecemos melhor, dá para ver que ele é inteligente, corajoso e dono de um senso de humor mordaz. Aliás, os diálogos entre ele e Celaena são ótimos, justamente por se tratarem de dois personagens perspicazes e com a língua muito afiada.
Os demais personagens do livro não aparecem tanto, mas acho que isso foi algo proposital. Há muitos mistérios na trama e acredito que outros personagens crescerão mais nos próximos livros, à medida que as revelações forem surgindo. De qualquer forma, eles aparecem o suficiente para movimentar a história e despertar o interesse dos leitores. O rei, em especial, é um personagem que já deu para perceber que ainda vai aparecer muito. Mas, longe de ser daqueles vilões que amamos odiar, acho que o único sentimento que ele vai despertar é ódio mesmo.
Com relação ao enredo, achei que a autora soube conduzir muito bem a trama. Logo no início, já somos envolvidos por diversos mistérios que nos prendem na leitura e despertam a curiosidade. Além disso, a autora apresentou o suficiente sobre o universo em que a história se passa para que o leitor perceba o quão extenso e rico ele é, mas deixando dúvidas que mantêm o desejo de ler cada vez mais. Sabe-se que houve magia naquele reino, mas não qual o tipo de magia, por quê ela foi proibida e nem como funcionava aquela sociedade antes do domínio do rei de Adarlan.
Esse foi meu primeiro contato com a escrita da Sarah J. Maas e só posso dizer que ela atendeu muito bem às minhas expectativas. Além disso, ela escreve de um modo envolvente, apresenta um universo rico e soube construir personagens muito cativantes. Trata-se, então, de uma leitura fluida e rápida, que deixa o leitor realmente curioso para saber o que acontecerá a seguir e entender os mistérios que cercam a trama.
Com relação à edição, não vou poder comentar, pois tenho os dois primeiros volumes da série apenas no kindle. No entanto, já vi a capa de perto e é, realmente, muito linda. Além disso, a revisão do texto é impecável.
Em resumo, eu tinha uma expectativa alta para esta série e o começo já foi um ótimo indicativo. Eu realmente me envolvi com a leitura e terminei o livro me importando com os personagens e com o rumo que a trama irá tomar nos próximos livros. Quero muito descobrir mais sobre aquele universo e concluí a leitura ainda mais animada para os próximos livros. Então, para quem está procurando um livro de fantasia, bem construído e com personagens fortes, este é um livro que eu indico tranquilamente.
Agora, deixo o convite para vocês me acompanharem nesse projeto de leitura da série Trono de Vidro, pois com certeza vou querer falar dos outros livros aqui, em breve. Para quem já leu, me contem aí nos comentários o que acharam (só peço que evitem spoilers, pois eu ainda estou no segundo livro e há outros leitores que nem começaram a leitura). E, quem quiser começar a ler, vou deixar o link de compra para todos os livros no site da Amazon aqui embaixo.

Lembrando que comprando por este link, vocês ajudam o Dicas de Malu a crescer:
Trono de Vidro 1: http://amzn.to/2paoNmw
Trono de Vidro 2 – Coroa da meia-noite: http://amzn.to/2pahknl
Trono de Vidro 3 – Herdeira do fogo: http://amzn.to/2pJxJlY
Trono de Vidro 4 – Rainha das sombras: http://amzn.to/2q0gldy
Trono de Vidro 5 – Império de Tempestades – Tomo 1: http://amzn.to/2q0cwoF
Trono de Vidro 5 – Império de Tempestades – Tomo 2: http://amzn.to/2q0dgKj

Cinco filmes para aproveitar o feriado

Tem jeito melhor de começar a semana do que com um feriado e tempinho frio? Na minha cidade, a temperatura já começou a cair e eu estou amando aproveitar os dias mais frios em casa. Então, aproveitando essa segunda com cara de domingo e que faz muito tempo que não indico nenhum filme por aqui, resolvi indicar cinco títulos que estão disponíveis no catálogo da Netflix.
São filmes baseados em livros e que são ideais para assistir em dias mais preguiçosos. Assim, prepare a pipoca e o cobertor (se na sua cidade já estiver frio também) e aproveite o feriado para curtir um bom filme em casa.

O maravilhoso agora                                                                    Para quem gosta de um filme mais leve, com um romance cativante, mas que foge um pouco dos padrões, esse filme é uma ótima pedida. Descobri por um acaso na Netlix e resolvi assistir por gostar muito dos dois atores principais: Shailenne Woodley (A Culpa é das estrelas e Divergente) e Miles Teler (Whiplash e Divergente). Mesmo sem grandes expectativas acabei sendo surpreendida por personagens muito humanos e uma história que fugiu do caminho previsível que imaginei no começo. Recentemente, descobri que o filme é uma adaptação do livro homônimo de Tim Tharp e eu não vejo a hora de ler. Compre o livro aqui.



Jane Eyre                                                                                        Se você gosta de romances de época com uma boa dose de drama, precisa assistir Jane Eyre. Adaptação do clássico homônimo de Charlote Brontë, esse filme conta Mia Wasikowska no papel título e Michael Fassbander como o misterioso Sr. Rochester. Neste romance, conhecemos uma personagem forte, que passou por uma infância difícil e, anos mais tarde, tenta construir um futuro melhor. Ela começa a trabalhar como preceptora de uma jovem menina, pupila de Edward Rochester. Claro que Jane e Edward se apaixonam, porém, mistérios sobre o passado do sr. Rochester ameaçam colocar tudo a perder. Jane é uma personagem extremamente forte e, mesmo não concordando com todas as atitudes dele, a forma como ela se mantém firme em suas convicções, mesmo que essa não seja a escolha mais fácil para ela, acabou conquistando minha admiração. O filme é beneficiado por atuações impecáveis, uma fotografia belíssima, e figurinos e direção de arte que realmente transportam os espectadores para o século XIX. Para quem gosta de romances de época, vale a pena conferir.Compre o livro aqui.



Um dia                                                                                            Quer um filme que vai fazer você se acabar de chorar e, ainda assim, se apaixonar? Então, pode assistir “Um dia” sem medo. Neste filme, adaptado do livro de David Nicholls, acompanhamos um casal que passa por inúmeros encontros e desencontros ao longo de 20 anos. Vemos os dois se conhecendo, começando uma amizade que se transforma em amor, mas se perdendo nos caminhos diferentes da vida. No entanto, eles sempre se reencontram na mesma data em que se conheceram. É um filme lindo, comovente e que nos faz refletir sobre a amizade, o amor, a vida e as dificuldades de amadurecer. Se você ainda não assistiu, assista. Se já viu, com certeza é um filme que merece ser assistido de novo. Compre o livro aqui.



As vantagens de ser invisível                                                            Já cheguei a indicar esse filme há algum tempo atrás, mas, sinceramente, acho que nunca é demais. Trata-se uma história extremamente sensível, que aborda temas seríssimos de uma maneira delicada e muito pertinente. Nele, acompanhamos o adolescente Charlie, que está começando o primeiro ano do ensino médio e convive com o sentimento de deslocamento e inadequação na escola. No entanto, sua vida começa a se transformar quando ele conhece os irmãos Patrick e Sam, e eles vão mostrar para ele o verdadeiro significado da amizade. Com atuações repletas de sensibilidade, o filme fala sobre bullying, depressão, homossexualidade, relacionamentos abusivos, mas sem se tornar pesado ou excessivamente dramático. Além disso, é beneficiado pelo fato de ter sido roteirizado e dirigido pelo autor do livro que o originou, sendo extremamente fiel a obra e conseguindo transmitir toda a complexidade da obra e dos personagens apresentados. Compre o livro aqui.



O noivo da minha melhor amiga                                                        Por fim, para quem quer aproveitar o feriado em um clima mais leve, com uma boa comédia romântica, indico “O noivo da minha melhor amiga”. Apesar dos muitos clichês, o filme me conquistou por trazer personagens com uma complexidade que não é muito comum neste gênero. Nele, somos apresentados a duas amigas, Rachel e Darcy, que não poderiam ser mais diferentes, mas que se mantém unidas ao longo dos anos. O problema é que Rachel era apaixonada pelo noivo de Darcy muito antes de os dois começarem a sair. Agora, nove anos mais tarde, Rachel descobre que o sentimento era recíproco, mas vai ter coragem de estragar a felicidade da melhor amiga? Adaptada do best-seller da Emily Gyffin, esta é uma típica comédia romântica, mas que foge dos estereótipos justamente por trazer um casal principal que está longe de ser perfeito. Aliás, os três protagonistas cometem muitos erros, tornando difícil apontar um vilão na trama. Para quem procura um filme leve, divertido e com personagens mais humanos, é uma ótima opção.



        Então, já assistiram alguma destas indicações? Me contem aí nos comentários se vão aproveitar o feriado para assistir algum destes ou outros filmes, ou se vão preferir colocar as leituras e as séries em dia. 

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.