[Resenha] Tom Clancy's The Division: Broken Dawn

26 de out. de 2020

 


Quem imaginaria no começo do ano que estaríamos vivendo uma pandemia que alteraria as nossas vidas de forma tão profunda? Acho que ninguém, mas lá se vão meses que estamos vivendo nesse “novo normal”. Curiosamente, esse também é o contexto em uma das minhas leituras mais recentes, Tom Clancy’s The Division:  Broken Dawn. Porém, no caso do livro, a situação chegou a nível muito mais caótico.

Inspirado no jogo The Division, esse livro traz uma trama cheia de ação e mistério, que mostra os acontecimentos entre The Division e The Division 2. O autor Alex Irvine leva o leitor para um cenário de caos, onde os EUA estão tentando se reerguer após um vírus ter matado milhares de pessoas e o governo ter desmoronado e grupos autônomos tentam restabelecer a ordem.

Então, se você gosta de jogos de vídeo game ou de livros com muita ação e suspense, a resenha de hoje é para você. 



Autor: Alex Irvine

Editora: Galera Record

Tradução: Rodrigo Tavares de Moraes Abreu

Páginas: 308

Onde comprar: Amazon

Exemplar recebido pela editora

Sinopse: “Em Tom Clancy’s The Division: Broken Dawn, acompanhe os passos de April Kelleher e Aurelio Diaz em suas jornadas pessoais em meio aos destroços do que um dia foram os Estados Unidos. Meses após o surgimento de um novo vírus mortal que dizimou Nova York na Black Friday, os Estados Unidos começam a reabrir. Em meio a um governo destruído, uma infraestrutura decadente e uma civilização em plena erosão, a Divisão – um grupo autônomo de agentes preparados para agir quando tudo mais falha – é responsável por proteger a população das consequências sociais da pandemia, que fizeram do país um ambiente hostil: os predadores, saqueadores e criminosos que se aproveitaram do caos social para oprimir a sociedade. Aurelio Diaz é um desses agentes. Um homem de palavra, Diaz está investigando o caso de um colega que inexplicavelmente abandonou o posto e causou a morte de diversos civis. As pistas o levam até April Kelleher, uma civil que viajou de Nova York ao meio-oeste americano em buscas de respostas igualmente cruciais. Lá, ela pretende descobrir o motivo do assassinato do marido e entender se existe de fato uma cura para o vírus. Apesar de distantes e enfrentando adversidades particulares, April e Aurelio precisarão encontrar maneiras de se adaptarem às novas circunstâncias, ao mesmo tempo em que perceberão o quanto suas histórias se conectam. Por meio de uma narrativa acelerada e envolvente, The Division: Broken Dawn explora em primeira mão os eventos ocorridos entre os jogos The Division e The Division 2. Entenda cada detalhe do universo pós-apocalíptico que conquistou milhões de jogadores no Brasil e no mundo nessa incrível obra de suspense com o selo Tom Clancy de qualidade. Durante o primeiro dia de vendas do jogo, The Division® tornou-se o lançamento mais bem sucedido da história da Ubisoft. Além disso, durante a conferência da empresa na E3 2019 foi anunciado que a Netflix produzirá o filme baseado no jogo. Como protagonistas do longa, foram confirmados os nomes dos atores Jake Gyllenhaal (O Segredo de Brokeback Mountain) e Jessica Chastain (Interestelar).”

 

Após um vírus ter se espalhado na Black Friday e matado milhares de pessoas, o governo dos Estados Unidos está destruído e as instituições cada dia mais inoperantes. Um cenário de caos e pânico se espalhou no país e, para proteger a população, a Divisão tem tentado restabelecer a ordem. Trata-se de um grupo de agentes treinados que começou a atual onde as instituições falharam, protegendo as pessoas e combatendo os grupos criminosos e saqueadores que surgiram.

Aurelio Diaz é um desses agentes. Ele deixou seus dois filhos, Amélia e Ivan em Washington, e partiu para Nova York onde a situação estava mais fora de controle. Mas, quando ele estava prestes a voltar para casa, a descoberta de um colega que abandonou seu posto sem explicação e causou a morte de civis fez com que Aurelio precisasse embarcar em uma missão para encontrar respostas.

Em sua busca, o caminho dele irá cruzar com o de April Kelleher, uma mulher que tem sua própria investigação. Desde o assassinato do marido, ela tenta descobrir quem o matou e o motivo. Quando descobre uma pista que indica a possível motivação do crime, April precisa cruzar o país atrás das respostas que faltam.

Nessa jornada, cada um com sua missão, Aurélio e April vão descobrir que há muito mais em jogo e que o futuro dos EUA como eles conheceram está ameaçado.

 



Quando soube do lançamento de Tom Clancy’s The Division:  Broken Dawn, eu fiquei imediatamente curiosa para ler. Não, eu não conhecia o jogo e estou longe de ser uma fã de vídeo games. Mas achei a premissa curiosamente adequada para o momento que estamos vivendo. Além disso, eu soube que vai virar filme com o Jake Gylleenhal e isso bastou para eu querer ler.

E, enquanto estava lendo, eu só conseguia pensar em como esse livro tem tudo para agradar quem gosta de um bom filme de ação, com cenários apocalípticos. O autor conseguiu construir muito bem a ambientação caótica do livro e passar para o leitor a sensação de perigo que a história exige. É um mundo onde tudo deu errado, as instituições fracassaram, os criminosos se aproveitaram para levar mais medo para a vida da população, que ainda tem que conviver com a falta de água, comida, energia e segurança. E o autor realmente faz com que o leitor se sinta ali, vendo tudo que está acontecendo e vivendo aquele clima de tensão que domina esse universo.

Outro ponto que funcionou muito bem na trama foi o toque de suspense. Há alguns mistérios na trama e o autor soube desenvolvê-los de uma forma que aumentasse a curiosidade e o envolvimento do leitor. O que mais me motivou foi saber quem matou o marido de April e qual a verdadeira motivação por trás. Mas quando Aurelio começa sua missão investigando o agente que abandonou seu posto, isso também me deixou intrigada para saber o que ele descobriria.

Além disso, gostei muito da narração com pontos de vista alternados. Além do Aurélio e da April, temos capítulos narrados pela Violet, uma das crianças que estão refugiadas em Washington com os filhos do Aurelio, e pelo agente que desertou. Isso ajuda a entender o que está acontecendo em outros pontos dos EUA e ter uma noção mais ampla do panorama político e social do país.

 


Minha ressalva é que, até entender tudo que aconteceu e conhecer os muitos personagens, foi difícil me conectar com a leitura. Mesmo com a trama dinâmica e as cenas de ação desde o início, a leitura foi um pouco cansativa e eu tive muita dificuldade para me envolver. Porém, depois que me acostumei com aquele cenário de caos e memorizei os personagens, a trama fluiu muito melhor e as cenas de ação se tornaram cada vez mais eletrizantes.

Além disso, outro ponto que me incomodou, foi a falta de desenvolvimento dos personagens. O autor não se aprofundou muito em nenhum deles e demorou para que eu conseguisse me apegar. Até mesmo as crianças, que normalmente são personagens mais fáceis de simpatizarmos, demoraram a me conquistar. Somente mais para o final que eu comecei a realmente me importar com o que aconteceria com os personagens e isso me deu esperança de que no segundo livro o autor consiga dar mais profundidade a eles.

E, por falar na continuação, o gancho para o segundo livro é excelente. O final me deixou extremamente ansiosa para saber o que vai acontecer com os personagens e como eles vão resolver a situação que se desenrolou nesse primeiro livro. E, se nesse primeiro livro já teve muita ação, acredito que o segundo vai ser daqueles que não deixam a gente nem respirar.

Deste modo, mesmo não conhecendo o jogo, eu acabei me interessando bastante por esse universo de The Division. Alex Irving construiu um mundo assustadoramente realista, que faz o leitor mergulhar em uma jornada cheia de ação e mistério. Então, seja você um fã de jogos ou um leitor em busca de uma trama dinâmica e cheia de adrenalina, acredito que Tom Clancy’s The Division: Broken Dawn tem tudo para te conquistar também.


7 comentários:

  1. Minha nossa, eu estou gritando com esse post! Que premissa incrivel, um virus que se espalha na Black Friday!!!!!!! Eu adoro uma distopia (que nem sempre é tão distopica assim), estranhamente acabo me divertindo com as histórias, eu adoro esse tipo de narrativa.
    Tô muito curiosa, minha esposa disse que já jogou esse jogo, e eu já coloquei o livro no carrinho, adorei a descoberta dessa história!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Malu, sua linda, tudo bem?
    Eu não entendo nada de games, não sabia que o livro era baseado em um deles e que irá virar filme. Gosto muito de enredos de ação e acho difícil encontrá-los, acho que está faltando mais desse tipo de livro na minha lista. Só fiquei receosa agora com a questão do envolvimento com os personagens. Quem sabe mais a frente.
    bjs.
    cila.

    ResponderExcluir
  3. Esse livro parece bem real, EUA destruindo algo hehehehe... também não conheço o jogo e me anima saber que será adaptado, eu tenho profunda dificuldade em memorizar personagens, espero consegui ler.

    ResponderExcluir
  4. Oi Malu.

    Estou conhecendo este livro através da sua resenha e fiquei bastante interessada na leitura dele, pois gosto de trama cheia de ação e mistério. E sua resenha mostrou que este livro é bom, pena que você encontrou alguns pontos que te incomodou, mesmo assim que conferir. Obrigada pela dica.

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Oiii Malu

    Eu ando bem chata para livros que não trabalham bem nos personagens, essa falta de profundidade impede a gente de conhecer e de conectar com os personagens e fica dificil sentir a trama assim, acho que esse seria meu maior problema com esse livro. De momento, confesso que é uma leitura que eu não faria, não sou muito de jogos, aliás nem conheço esse em que o livro está baseado, e o enredo, por agora, não é algo que leria, ainda estamos em plena pandemia e tanta incerteza... ah eu ando buscando leituras mais leves nessas épocas. Mas quem sabe um dia..

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Maria tudo bem? Gostei muito de conhecer mais do livro por aqui, sinceramente não me sinto atraída por leituras baseadas em jogos ou vice e versa, entretanto adoro histórias de ação então acredito que daria uma chance ao livro sem dúvida.

    ResponderExcluir
  7. Olá.
    Eu conheço o jogo apenas pelo nome, mas confesso que não sabia qual era a premissa dele. Também não sabia que outros autores expandiam o universo criado por Tom Clancy’s, que é um nome que ultimamente estou vendo com bastante frequência por aí. Mas fiquei feliz em saber que, apesar dos contratempos no início da leitura, o livro trouxe uma história que te agradou. Eu não sou muito fã de filmes de ação, mas até que gosto em livros, então esse seria um que eu leria, com toda a certeza. E eu achei essa capa tão linda! Fiquei curiosa.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir