[Resenha + Sorteio] Um encontro de sombras

22 de jan de 2018

Autora: V. E. Schwab
Editora: Record
Páginas: 560
Comprar: Amazon
Exemplar recebido de cortesia da editora
Sinopse: “Kell e Lila estão de volta nesta sequência de Um tom mais escuro de magia Quatro meses se passaram desde que a pedra sombria caíra nas mãos de Kell. Quatro meses desde que seu caminho cruzara com o de Delilah Bard. Quatro meses desde que Rhy fora ferido, que os gêmeos Dane foram derrotados e que a pedra fora enviada com o corpo moribundo de Holland, pelo portal, de volta para a Londres Preta. Em diversos aspectos, as coisas quase voltaram ao normal, apesar de Rhy ficar mais tempo sóbrio e de Kell estar sempre assolado pela própria culpa. Inquieto e tendo desistido dos contrabandos, Kell é frequentemente visitado por sonhos sobre acontecimentos mágicos de mau agouro, acordando apenas para pensar em Lila, que desapareceu no píer como sempre desejara fazer. Conforme a Londres Vermelha finaliza as preparações para os Jogos Elementais (uma competição de magia internacional e extravagante com o intuito de entreter e manter saudáveis os laços entre os países vizinhos), certo navio pirata se aproxima, trazendo velhos amigos de volta ao porto da capital. Mas, enquanto a Londres Vermelha está absorta em bajulações e nas emoções dos Jogos, outra Londres está gradualmente voltando à vida, e aqueles que se pensava estarem perdidos para sempre retornaram. Afinal, uma sombra que se esvai no meio da noite reaparece pela manhã, e tudo indica que a Londres Preta se ergueu novamente. Sendo assim, para manter o equilíbrio da magia, outra Londres deve perecer.”

Olá, leitores! Como vocês estão? Antes de iniciar a resenha de hoje quero contar que ontem foi aniversário de 2 anos do Dicas de Malu. Infelizmente, não consegui fazer um post aqui para marcar a data, porém, quero agradecer a todos vocês que me acompanham aqui. Esse é um projeto que eu faço com muito amor e agradeço de coração a todos que participam dele!
E, para não deixar a data passar sem nenhuma comemoração, escolhi uma leitura que eu amei para fazer resenha e um sorteio bem legal para vocês. Ano passado, eu adorei Um tom mais escuro de magia, da V. E. Schwab, e agora fui novamente conquistada pelo universo que ela criou em Um encontro de sombras. Por esse motivo, vou sortear um kit contendo um exemplar desses dois livros.  As regras estão no final do post, mas, antes, vamos à resenha, né?
Por se tratar do segundo volume de uma trilogia, essa resenha pode conter spoilers para quem não leu o primeiro. Então, se esse é o seu caso, recomendo ler a resenha sobre Um tom mais escuro de magia aqui.

Um encontro de sombras se inicia quatro meses após os acontecimentos do livro anterior. Delilah Bard partiu de Londres em busca de aventuras e um navio para si. Ela está agora a bordo do Night Spire, comandado por Alucard Emery, um homem esperto e sedutor, que parece ter tantos segredos sobre o passado quanto ela própria. Já Kell e Rhys permanecem na Londres Vermelha, lidando com as consequências de seus atos no primeiro livro. Kell perdeu a confiança do rei e, com isso, a pouca liberdade que tinha. Seus passos são vigiados de perto por guardas, ele está cada vez mais deslocado dentro da corte e se sente sufocado por carregar a responsabilidade pela vida de seu irmão. Já Rhys perdeu sua inocência e jovialidade ao lidar com a culpa pelo que fez e o fato de que sabe o peso que está representando para Kell. Ele, apesar de querer viver, às vezes sente que merecia, e até preferia, ter morrido ao invés de seu irmão precisar compartilhar a vida com ele. 


Acredito que sempre que gostamos muito do primeiro volume de uma série ou trilogia, sentimos uma empolgação para ler a continuação e, ao mesmo tempo, medo de que ela não seja tão boa quanto livro anterior. É a famosa “maldição do segundo livro”, que, felizmente, não afetou Um encontro de sombras.
“Ela não tinha dúvida de que seus caminhos se cruzariam novamente. E, quando se encontrassem, ela mostraria o que era capaz de fazer”
Nesse livro, V. E. Schwab expande o universo que antes ela só havia apresentado. Então, se no primeiro livro somos apresentados ao conceito das quatro Londres e descobrimos que a magia estava ou esteve presente em todas elas de alguma forma, nesse livro vamos conhecer mais a fundo cada uma dessas Londres, especialmente a Vermelha, bem como o conceito de magia presente nesse universo. Em especial, gostei de conhecer mais sobre a parte política da Londres Vermelha e achei interessante como a autora usou elementos da história da Inglaterra na Londres Cinza. Para quem não sabe, essa versão de Londres na história é a real, porém, no século XIV, e o rei e príncipe citados realmente existiram.
"– Vi pessoas pecarem em nome de Deus e em nome da magia. As pessoas abusam de seus poderes superiores, não importa qual forma tenham."
Outro aspecto me chamou a atenção foi como a autora conseguiu trazer muitas informações novas sobre esse universo, incluindo uma boa dose de novos personagens, além de desenvolver os personagens antigos, mas sem perder o ritmo. Todos os elementos novos são inserido na trama de uma maneira natural, sem perder tempo com explicações excessivas, mas também não deixando que o leitor fique confuso.
Muitas coisas acontecem nesse segundo volume e a trama é dividida em núcleos diferentes durante a maior parte do livro. Lila está com a tripulação do navio Night Spire, Kell e Rhy permanecem na Londres Vermelha, há o núcleo da Londres Cinza em que Kell também transita e há ainda uma parte envolvendo dois outros personagens que não posso revelar quem são, pois seria um grande spoiler. Todas essas subtramas paralelas poderiam tornar a leitura confusa ou cansativa, correndo o risco de quebrar o ritmo da leitura. Porém, V. E. Schwab conseguiu conduzir a história de um modo que todos esses núcleos se tornassem interessantes e fossem sendo ligados ao longo do livro.
Além disso, gostei muito de como a magia foi mais explorada nesse livro. Alguns personagens se dedicarão mais a aprender como usá-la e durante toda a leitura vai sendo apresentado o conceito de magia dentro daquele universo. Em alguns aspectos, me lembrou um pouco a definição da Força em Star Wars, o que eu achei muito interessante. Além disso, há uma competição durante o livro que mostra como cada povo dentro do mundo da Londres Vermelha entende a magia e faz uso dela. Aliás, esse torneio é interessante tanto por trazer mais ação para o livro, quanto por dar uma dimensão mais exata da importância da magia e seu uso naquele mundo, bem como da situação política dos três reinos que o compõem.
"– Força e fraqueza são coisas entrelaçadas. São muito parecidas, e muitas vezes as confundimos, da mesma forma como confundimos magia e poder."
Mas, não adianta, o que sempre é determinante para um livro me conquistar são os personagens e, claro, eles foram o aspecto que mais gostei em Um encontro de sombras. Com relação ao trio principal, eu gostei muito de ver o quanto eles ganharam em complexidade. Nenhum dos três poderia passar sem mudanças pelos acontecimentos do livro anterior e achei interessante ver como cada um deles lida de maneira diferente com as marcas, visíveis ou não, daqueles eventos.


Lila ganhou, merecidamente, mais destaque nesse livro e, na minha opinião, se tornou a protagonista. Se no primeiro livro, ela estava em uma jornada por sua liberdade, nesse ela entrou por um caminho de autodescoberta. Lógico que ela continua impulsiva e metendo os pés pelas mãos em vários momentos, mas ela está começando a entender quem é e o que pode fazer. Além disso, admiro que, por mais que ela faça besteiras, está sempre disposta a assumir as consequências dos seus erros.
"Ela distorcera a maioria das regras. Quebrara as demais. E queria saber por quê. Como. Se ela era apenas um pontinho no universo, uma anomalia, ou se era algo mais."
Por outro lado, o Kell está ainda mais fechado que no livro anterior. Ele se culpa pelo que aconteceu e carrega um peso enorme pela responsabilidade que tem com a vida do irmão. Aliás, Kell é um dos melhores anti-heróis que já li; complexo, cheio de medos e dúvidas, que guarda uma raiva enorme dentro de si, mas também capaz de amar e ser profundamente leal. É um personagem que carrega a dicotomia entre o bem e o mal o tempo todo, o que o torna mais humano e, consequentemente, mais interessante.
“Invejava o fato de que aquela garota da Londres Cinza estava lá fora em algum lugar, vendo partes do mundo que Kell, um habitante da Londres Vermelha, um Antari, nunca tinha vislumbrado.”
Já o Rhy é o meu amorzinho, não tem jeito. Eu já havia sido conquistada pelo seu jeito leve de levar a vida e seu senso de humor afiado. Porém, desde o primeiro livro estava claro que ele era mais do que um príncipe brincalhão e isso se acentua nesse segundo volume. Rhy perde grande parte da sua inocência e encantamento pela vida e passa a carregar um peso que não apenas o torna mais interessante, como também aumenta a empatia do leitor por ele.
Há também muitos personagens novos, mas o que mais se destaca é Alucard Emery. O capitão do navio Night Spire é um personagem carismático, com um humor inteligente e um passado tão misterioso quanto o de Lila. A princípio, ele parece ser apenas um pirata muito espero, porém, ao longo do livro percebemos que ele é muito mais do que aparenta e isso o torna mais interessante a cada nova revelação. Ainda há muito para ser mostrado sobre ele e não tenho dúvidas de que ganhará mais espaço no próximo livro e estou muito ansiosa para ver a relação dele com um outro personagem da trama.
E por falar na ansiedade pelo terceiro livro, o final de Um encontro de sombras é ainda mais impactante do que o primeiro livro. Se Um tom mais escuro de magia se encerra com um final amarrado, mas com ganchos para a continuação, esse segundo volume termina totalmente em aberto. Apesar de ficar claro o rumo que a história estava tomando, teve uma pequena reviravolta no final que tornou tudo ainda mais desesperador. Então, fica aqui o meu apelo para que a Record publique a continuação logo, porque eu preciso de respostas.


Então, só me resta dizer que Um encontro de sombras conseguiu superar todas as altas expectativas que eu tinha desde que li Um tom mais escuro de magia. Os personagens se mostraram ainda mais interessantes, o universo foi expandido e gostei muito do rumo para onde a trama foi conduzida. A escrita da autora está ainda mais envolvente e a leitura flui muito bem. Para quem ama fantasia e gostou do primeiro livro, pode se preparar para ficar novamente fascinado com o mundo criado por V. E. Schwab.
Agora, falando sobre o sorteio, ele terá apenas um vencedor que ganhará um kit contendo um exemplar de “Um tom mais escuro de magia” e um de “Um encontro de sombras”. Para concorrer, as regras são as seguintes:
◈ Cumprir todas as entradas obrigatórias do formulário
◈ Na opção visitar a página no Facebook é necessário curtir a página e não apenas visitar
◈ Residir em território nacional
◈ O sorteio se inicia no dia 22/01/2018 e vai até às 23:59 do dia 05/02/2018
◈ O resultado sai no dia 06/02/2018 e o vencedor terá 72h para responder ao e-mail sobre o resultado com as informações para envio.
◈ O prêmio será enviado em até 30 dias após o resultado do sorteio.
◈ O Dicas de Malu não se responsabiliza por danos ou extravios dos Correios.

a Rafflecopter giveaway

Lançamentos desejados de 2018

20 de jan de 2018


Se tem uma coisa que deixa um leitor ansioso é a lista de livros que serão lançados pelas editoras, não é mesmo? E esse ano, como eu previa, será muito difícil manter a resolução de comprar menos livros em 2018. Tem muitas novidades incríveis vindo por aí que eu estou louca para ler.
Então, aceitando o fato de que a lista de desejados de todo leitor é infinita, eu fiz uma lista com alguns dos principais lançamentos que eu estou ansiosa para ler esse ano. Para facilitar, separei em três categorias: continuações, novas séries e livros únicos. E, para quem quiser adquirir algum deles, deixei o link de compra na Amazon para os que estão em pré-venda ou que foram lançados agora em janeiro.

Continuações:

Hero at the fall, Alwyn Hamilton – Não é atoa que escolhi A traidora do Trono para estar na foto desse post. Eu não vejo a hora de ler o último livro da trilogia “A rebelde do deserto”, que, finalmente, chegará às livrarias esse ano. Segundo a editora Seguinte, a previsão de lançamento é para março.

War Storm, Victoria Aveyard – Último livro da série A Rainha Vermelha, será lançado também pela editora Seguinte. A data provável é maio e, mesmo sem ter lido o terceiro ainda (calma, já está na meta para fevereiro), já estou ansiosa para descobrir qual será o destino da Mare Barrow.

Queen of Air and Darkness, Cassandra Clare – Vocês acharam mesmo que não teria um livro da Cassandra Clare nessa lista? Se você leu Senhor das Sombras consegue imaginar a ansiedade que estou sentindo para ler o último volume da trilogia Os Artifícios das Trevas. Ainda não há uma data de lançamento oficial, mas está previsto para o segundo semestre nos, EUA. Já no Brasil, ainda não há informações.

Tower of Dawn, Sarah J. Maas – O sexto livro da série Trono de Vidro já foi publicado no ano passado, porém, deve ser lançado no Brasil em 2018 pela Galera Record. Ele não é uma continuação de Império das Tempestades, mas narra eventos que estavam ocorrendo paralelamente aquele livro.

Trono de Vidro 7, Sarah J. Maas  – E por falar em Trono de Vidro, o sétimo volume da série ainda não tem nome, mas deve ser lançado nos Estados Unidos no segundo semestre. Não sei se a Galera Record irá publicá-lo ainda em 2018, mas já estou muito ansiosa para realizar esta leitura.

Desencantada, Carina Rissi – O novo livro da série Perdida, da Carina Rissi, chega às livrarias em fevereiro. Confesso que estou um pouco atrasada com essa série, mas vou tentar colocar em dia para ler este livro assim que for lançado. Pré-venda: aqui.

A reaper at the gates, Sabaa Tahir – Terceiro volume da série de Sabaa Tahir, que se iniciou com o livro Uma tocha na escuridão, A reaper at the gates ainda não tem previsão de lançamento no Brasil, mas será publicado nos Estados Unidos em 2018. Eu ainda não li o segundo livro, mas adorei a leitura do primeiro e estou com uma grande expectativa para dar continuidade à serie.

Boston Boys 3, Giulia Paim – Eu achava que Boston Boys era uma duologia, porém, fiquei sabendo esta semana que a autora Giulia Paim irá lançar o terceiro volume. Como adorei o primeiro livro e já estava curiosa para ler o segundo, claro que incluí o terceiro livro na lista de desejados desse ano. O lançamento dele está previsto ainda para o primeiro semestre.

Minha vida fora de série – 5ª Temporada, Paula Pimenta: Não há nenhuma confirmação de que este livro será publicado esse ano, porém, no lançamento do quarto livro, a Paula Pimenta disse que tentaria lançar a continuação ainda esse ano. Então, como fã otimista que sou, inclui o livro na lista. Vamos torcer!

Novas séries:

Um sedutor sem coração, Lisa Kleypas – Esse livro inicia a série Os Ravenels, da autora Lisa Kleypas, que será publicada no Brasil pela editora Arqueiro. Como estou adorando outra série da autora, As quatro estações do amor, já estou curiosa para conferir este lançamento que já está em pré-venda. Pré-venda: aqui.

A canção das águas, Sarah Tolcser – Previsto para fevereiro de 2018, este livro inicia uma nova série de fantasia épica que será publicada pela Plataforma 21. O livro já está em pré-venda e vocês podem adquirir aqui. Pré-venda: aqui.

The Last Namsara, Kristen Ciccarelli – Primeiro volume da série Iskari, este livro deverá ser publicado ainda no primeiro semestre pela editora Seguinte.

Livros únicos:

É assim que acaba, Colleen Hoover – Este é, sem dúvida, um dos lançamentos que estou mais ansiosa, mas é também o único da lista que eu já li. A minha ansiedade se deve pelo fato de que foi uma leitura que mexeu tanto comigo que não via a hora da Galera Record publicar e todo mundo poder ler. Ainda farei a resenha sobre ele, mas já adianto que é uma leitura incrível e necessária. Pré-venda: aqui.

Um de nós está mentindo, – Outro lançamento da Galera Record que eu estou muito ansiosa, este livro tem uma premissa muito original e que promete ser uma leitura envolvente. Trata-se de um Young Adult, mas com uma trama de suspense e personagens que lembram o filme O clube dos cinco. Pré-venda: aqui.

O guia do cavaleiro para o vício e a virtude, Mackenzie Lee – Esse foi um dos lançamentos mais comentados do ano passado, e será publicado em 2018 pela Galera Recod. Trata-se de um romance divertido e repleto de aventuras, que promete agradar aos fãs de Minha lady Jane.

O cara dos meus sonhos (ou quase), Jenn Bennett – Com uma trama que promete agradar aos fãs de comédias românticas, esse livro traz a história de uma jovem cinéfila que troca mensagens virtuais com um nerd também apaixonados por filmes e que precisará decidir se vai insistir em descobrir a identidade do cara dos seus sonhos ou dar uma chance para uma pessoa real. O livro foi lançado pela Plataforma21 agora em janeiro e pode ser comprado aqui.

Aos dezessete anos, Ava Dellaira – Novo livro da autora Ava Dellaira, a mesma de Cartas de amor aos mortos, este Young Adult será publicado no primeiro semestre pela editora Seguinte. Ele narrará, paralelamente, a história de mãe e filha. Ambas com 17 anos, uma conta sobre o verão em que se apaixonou; a outra vivendo sua jornada em busca do pai desconhecido.


Esses foram só alguns dos vários lançamentos incríveis que estão previstos para 2018. Ao longo do ano, eu vou atualizando vocês e mostrando tudo que está previsto para chegar às livrarias. Todos esses estão na minha lista de desejados, mas quero saber se vocês se interessaram por algum deles ou se tem algum outro que vocês estão desejando e que não apareceu no post. Me contem tudo nos comentários, que eu vou adorar saber a opinião e as indicações de vocês. 

[Resenha] Olá, adeus e tudo mais

18 de jan de 2018

Autora: Jennifer E. Smith
Editora: Galera Record
Páginas: 270
Comprar: Amazon
Skoob
Exemplar recebido de parceria com a editora
Sinopse: “Um romance divertido e emocionante, que explora as escolhas difíceis que surgem quando a vida e o amor conduzem a direções opostas. Ir para a faculdade é um momento emocionante e aterrorizante ao mesmo tempo. Ainda mais se você estiver em um relacionamento em que não tem certeza de seu próximo passo. Clare e Aidan têm apenas uma coisa a fazer na noite antes de partirem para a faculdade: descobrir se devem continuar namorando ou terminar. Ao longo de doze horas, eles irão refazer os passos do relacionamento, na tentativa de descobrir algo no passado que possa ajudá-los a decidir sobre o futuro. A noite os leva a amigos e familiares, marcos simbólicos e lugares inesperados, verdades dolorosas e revelações surpreendentes. Mas, conforme as horas passam e a manhã se aproxima, chega o momento inevitável do adeus. A questão é: será um adeus momentâneo ou para sempre?”

Um dos lançamentos mais aguardados por mim em 2017 era Olá, adeus e tudo mais, da Jennifer E. Smith, publicado no Brasil pela Galera Record. O motivo para isso é que tive contato com a escrita da autora em dois livros, A probabilidade estatística do amor à primeira vista e A geografia de nós dois, e ambos me envolveram e me deixaram com uma sensação gostosa no final. Então, sempre que vejo um livro dessa autora, já imagino imediatamente uma leitura leve, divertida e apaixonante.
Felizmente, Olá, adeus e tudo mais correspondeu às minhas expectativas e até me surpreendeu um pouco. Apesar de ser uma trama um tanto previsível, eu não esperava me apegar à história e aos personagens como aconteceu. Talvez meu coração esteja um pouco mole nesse início de ano, mas eu confesso que fui fisgada por esse livro e cheguei até a me emocionar em alguns momentos.
Trata-se de um romance adolescente que já começa de uma maneira diferente do que estamos habituados. Não temos um casal que irá se apaixonar ao longo da história e passar por muitas adversidades até ficarem juntos. Clare e Aidan, os protagonistas, já estão namorando há dois anos e são completamente apaixonados um pelo outro. O problema é que o Ensino Médio acabou e eles estão prestes a partir em direção às suas respectivas universidades: ela para Dartmouth, na costa leste, e ele para a Universidade da Califórnia, na Costa Oeste. Então, eles têm doze horas para decidir se vão tentar um relacionamento à distância ou se irão terminar naquela noite e preservar as boas memórias do namoro e a amizade.
“Afinal, como se diz adeus a uma parte de você?”

Clare, que prefere agir racionalmente e sempre ter tudo planejado, acredita que eles devem terminar. Afinal, qual a chance de um namoro dos tempos de colégio sobreviver à tamanha distância e às novidades da vida universitária? Já o Aidan confia que eles podem superar a dificuldade e fazer o relacionamento dar certo. Ao longo de doze horas, eles vão reviver etapas de seu namoro, visitando lugares e encontrando amigos que estiveram presentes nesses dois anos, e decidir o que farão em relação ao futuro dos dois.


Logo no início do livro, já fica claro o quanto Clare e Aidan combinam. Poucas vezes eu vi um casal que já se mostra tão cativante já nas primeiras páginas. Isso me surpreendeu muito, pois, como o livro se inicia com eles juntos e prestes a tomar uma grande decisão, não acompanhamos o início do relacionamento e nem temos a oportunidade de vê-los se apaixonando. No entanto, a autora conseguiu demonstrar desde o início o quanto os dois se amavam e tornar a dúvida deles muito real.
“Porque o amor não era algo que você podia declarar e retirar. Era como um feitiço: uma vez que você diz as palavras, elas simplesmente ficam por aí, flutuando e mudando tudo que uma vez fora verdadeiro.”
Esse foi um aspecto que gostei bastante no livro, pois me vi imediatamente envolvida no dilema do casal. Eles são tão cativantes e funcionam tão bem juntos que eu me vi sofrendo por eles só de pensar na possibilidade de terminarem separados no final do livro. Por outro lado, mais do que namorados, dá para ver que eles têm uma relação de amizade e cumplicidade. Então, eu entendi completamente o receio da Clare de insistirem no relacionamento e a distância acabar levando a um término mais traumático, que não preservaria nem esse companheirismo entre os dois.
Outro ponto que achei bem interessante é que, como Clare e Aidan revisitam lugares que foram marcantes durante o seu tempo de namoro, o leitor vai conhecendo aos poucos o passado dos dois e como ficaram juntos. É quase como se conhecêssemos a história de traz para frente, e as lembranças dos dois reforçassem o que já sabemos desde o início: que eles se amam e têm uma relação muito bonita. Isso acaba tornando a leitura ainda mais envolvente, porque à cada página aumenta a torcida para que eles optem por ficar juntos.
“São como duas árvores cujos galhos cresceram juntos. Mesmo que você as arranque pelas raízes, ainda vão estar entrelaçadas e emboladas e quase impossíveis de separar”
Tendo me encantado tanto com o casal é claro que eu amei os personagens, né? O Aidan me conquistou com seu jeito otimista e sua determinação em salvar o relacionamento dos dois. Além disso, ele tem conflitos que vão além da dúvida em relação ao namoro. Ao longo do livro, vamos descobrindo que a escolha da universidade foi mais difícil do que parecia a princípio e que a relação com sua família era bastante complicada.
Já a Clare eu confesso que foi uma personagem que tive mais dificuldade de me identificar. Em alguns momentos, achei seu jeito mais prático irritante e cheguei a achá-la um pouco egoísta. Porém, à medida que fui lendo, percebi que esse comportamento era uma autodefesa. Além disso, é interessante perceber que a jornada que era para ser uma decisão em relação ao namoro dela com o Aidan, acabou servindo como um caminho de autodescoberta e de amadurecimento para os dois.
“... e o que antes parecia ser a noite mais curta de sua vida – marcada por coisas demais para dizer e lugares demais para visitar – agora paira diante de Clare, interminável e cheia de incertezas”

 Mas vocês devem estar se perguntando: esse livro só tem dois personagens? Claro que não. Ao longo da trama, Clare e Aidan vão encontrando pessoas que fazem parte de suas vidas, incluindo os pais de ambos, a irmã mais nova de Aidan e os melhores amigos dos dois, Scotty e Stella. Os dois últimos, em especial, foram personagens que eu gostei muito e que a autora conseguiu desenvolver bem, dando personalidade e complexidade a ambos. 


No entanto, o que eu mais gostei nesse livro foi a forma palpável que a autora retrata essa fase tão complicada para os adolescentes que é a mudança do Ensino Médio para a faculdade. Depois que passamos por isso, muitas vezes nos esquecemos do quanto é assustador esse momento. É a primeira grande escolha que fazemos e, a partir dela, tudo muda. Então, através das expectativas, inseguranças e conflitos de Clare, Aidan, Stella e Scotty, a autora conseguiu retratar de maneira convincente o que muitos adolescentes sentem.
“Às vezes as coisas mais difíceis são as que mais valem a pena.”
Com relação à escrita de Jennifer E. Smith, me surpreendi positivamente com o fato de que ela conseguiu abordar temas interessantes sobre a adolescência e desenvolver bem os personagens em uma trama que se passa em um intervalo de tempo tão curto. Além disso, manteve a fluidez e a leveza característica de seus livros, bem como sua habilidade em construir personagens cativantes, o que tornou a leitura envolvente e apaixonante. Minha única ressalva é que eu desejava um epílogo um pouco mais detalhado, mas foi um desfecho tão coerente que isso não chegou a atrapalhar.
Com relação à edição, eu fiquei completamente encantada desde a capa aos detalhes como a fonte usada no início de cada capítulo. Aliás, preciso ressaltar o mérito da Galera Record em manter a capa original, que é realmente muito linda. Além disso, as páginas amareladas e a fonte com um tamanho adequado facilitam bastante a leitura.
Deste modo, Olá, adeus e tudo mais não é um livro cheio de reviravoltas ou com reflexões profundas sobre a vida, mas traz um retrato sensível e delicado sobre uma fase muito especial da vida. Com personagens cativantes e que com certeza farão o leitor se identificar ou lembrar da sua própria adolescência, é um romance sobre as mudanças da vida e a ternura do primeiro amor. Para quem procura uma leitura leve e apaixonante, este livro não irá decepcionar.

Agora, quero sabe de vocês se já leram ou pretendem ler este livro. Me contem aí nos comentários o que acharam e se conhecem outros livros da autora. E, para quem se interessou pelo livro, não deixem de adquirir pelo link do blog no início do post.  

[Resenha] O ódio que você semeia

16 de jan de 2018

Autora: Angie Thomas
Editora: Galera Record
Comprar: Amazon
Exemplar recebido em parceria com a editora

Sinopse: "Uma história juvenil repleta de choques de realidade. Um livro necessário em tempos tão cruéis e extremos Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial. Não faça movimentos bruscos. Deixe sempre as mãos à mostra. Só fale quando te perguntarem algo. Seja obediente. Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto. Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início. Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa. Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar."

Como começar a falar sobre um livro que te fez chorar, rir, se emocionar, se apaixonar e sentir como se estivesse levando vários socos no estômago? É isso que estou pensando há mais de uma hora na frente do computador enquanto tento traduzir para vocês tudo que senti lendo O ódio que você semeia, da autora Angie Thomas, lançamento de 2017 da Galera Record. 
Com um tema que toca diretamente em uma ferida ainda aberta em vários lugares do mundo, O ódio que você semeia é o romance de estreia da Angie Thomas e, desde sua publicação, permanece constante na lista dos mais vendidos do The New York Times. Foi, sem dúvida, um dos livros mais comentados do ano passado e, depois de concluir a leitura, consegui entender o motivo. 


Starr é uma jovem de dezesseis anos, negra e moradora de um bairro pobre nos Estados Unidos. Sua vida é dividida em duas realidades distintas que ela tenta manter afastadas: a que ela vive com a família e os amigos do bairro em que mora, e a da escola particular onde estuda, com amizades diferentes e um namorado branco. Ela conseguia equilibrar os dois mundos em que vivia, sem deixar que eles se encontrassem, e manter uma vida normal para qualquer adolescente.
Tudo muda no dia em que Starr presencia o assassinato de Khalil, seu amigo de infância, por um policial. O assunto vira notícia e, rapidamente, surgem pessoas sugerindo que Khalil era traficante, um bandido, integrante de uma gangue. A investigação sequer havia começado, mas já tinham um condenado. 
Por ser a única testemunha, somente Starr poderia esclarecer o que realmente aconteceu naquela noite. No entanto, isso a torna alvo de ameaças tanto da polícia quanto de chefes do tráfico local. Será que ela teria coragem para falar a verdade e defender seu amigo das acusações? E, se Starr falar, será que sua voz seria capaz de conseguir justiça para Kahlil?
“Eu sempre disse que, se visse acontecer com alguém, minha voz seria a mais alta e garantiria que o mundo soubesse o que aconteceu.
Agora, sou essa pessoa, e estou morrendo de medo de falar.”
O primeiro ponto que preciso destacar sobre O ódio que você semeia é o quanto ele é real. Trata-se de uma obra de ficção, mas que poderia se aplicar à realidade de milhares de pessoas, não só nos Estados Unidos. E é justamente o fato de ser tão verossímil que torna esse livro tão impactante e, por vezes, perturbador. Há momentos brutais e dolorosos, que são ainda mais difíceis quando pensamos que eles acontecem todos os dias.
No entanto, se engana quem pensa que este é daqueles livros em que choramos do começo ao fim. Como disse no início da resenha, eu também ri e me apaixonei durante essa leitura. Mérito para a Angie Thomas que soube dosar muito bem cada um dos momentos mais dolorosos com outros mais leves e com um humor inteligente, sem deixar que a leitura se tornasse muito dramática.
Outro aspecto que gostei muito foi a excelente construção de personagens feita pela autora. Starr é, provavelmente, uma das protagonistas mais humanas e capazes de despertar empatia que eu já li. Ela passa por um trauma terrível e, obviamente, isso tem impacto no seu comportamento daí em diante. No entanto, ainda é uma adolescente normal, dona de um senso de humor afiado e de uma personalidade forte, mas que erra, sente medo e tem seus momentos de rebeldia. Além disso, os conflitos que Starr apresenta ao longo da trama são tão compreensíveis, mesmo para quem não vivenciou nada parecido, que é impossível não entender suas hesitações e, até mesmo, seus erros.
“Logo cedo eu aprendi que as pessoas comentem erros, e você tem que decidir se os erros são maiores do que o seu amor por elas”.
Mas não é só a Starr que cativa os leitores. Todos os demais personagens são bem desenvolvidos ao longo do livro e terminei a leitura apegada a eles de um modo que me surpreendeu. Os pais de Starr são maravilhosos, daqueles que cometem alguns exageros, mas amam os filhos acima de tudo. Há também os dois irmãos dela, Seven e Sekany, o namorado Chris, as amigas do colégio, Maya e Hailey, e DeVant, um garoto problemático que acabou se tornando um dos meus favoritos do livro. Cada um deles tem a sua própria jornada dentro do livro e, mesmo que uma especificamente tenha angariado minha total antipatia, todos são complexos e desempenham um papel importante no desenvolvimento da própria Starr. 


No entanto, o que tornou O ódio que você semeia tão especial e importante foi o fato de que Angie Thomas realmente colocou o dedo na ferida. Ela falou abertamente sobre o racismo em todas as suas formas, desde as mais extremas, como a violência policial, até aquelas mais sutis que passam despercebidas por muitos. Ao longo do livro, não faltam demonstrações que este ainda é, infelizmente, um problema presente na nossa sociedade e que está longe de conseguir justiça.
Porém, não pensem que esta é uma leitura pessimista. A autora mostra uma realidade dura e não tenta disfarçá-la, mas ela também fala sobre a importância da nossa voz. Ainda vivemos em uma sociedade preconceituosa e injusta, mas, para mudar isso, não podemos nos calar diante de abusos, violências e preconceitos.
“Esse é o problema. Nós deixamos as pessoas dizerem coisas, e elas dizem tanto que se torna uma coisa natural para elas e normal para nós. Qual é o sentido de ter voz se você vai ficar em silêncio em momentos que não deveria?”
Com relação à escrita da autora, não preciso nem dizer que é maravilhosa. Angie Thomas escreveu uma história forte, importante e emocionante, que envolve o leitor desde as primeiras páginas. Fiquei impressionada com a habilidade com que ela desenvolveu a trama e os personagens, e também com a sensibilidade que demonstrou ao abordar temas difíceis. Sendo esse o romance de estreia dela, estou ansiosa para conferir seus próximos livros.
Sobre a edição, só posso dizer que a Galera Record acertou muito. O livro mantém a capa original, tem páginas amareladas e as letras com um tamanho adequado para leitura. Além disso, não encontrei nenhum erro de revisão.
Só me resta dizer que, mais do que um ótimo livro, O ódio que você semeia é uma leitura necessária. Trata-se de um livro que, ao mesmo tempo, emociona e diverte; que deixa o leitor com a sensação de levar um soco no estômago em vários momentos, mas traz uma mensagem de esperança sobre a força de cada um de nós e nossa capacidade de transformar o mundo. Foi uma leitura honesta e impactante, que me marcou muito, e que recomendo para todos aqueles que ainda acreditam que podemos alcançar, algum dia, um mundo com mais amor e menos ódio.

Formatura Book Tag

14 de jan de 2018


Sabe aquela amiga péssima, que você manda mensagem, ela visualiza e esquece de responder? Sou eu quando o assunto envolve tags. A Lari, do instagram @lari_destro criou a Formatura Book Tag (aqui) e me marcou há muito tempo para responder e eu esqueci completamente de responder. Porém, antes tarde do que nunca né?
Hoje eu finalmente irei cumprir o desafio e contar para vocês as minhas respostas. Como vocês já devem imaginar pelo nome, as perguntas dessa tag relacionam livros com itens associados à formatura.

1 – Diploma: Um livro que você esperou muito tempo para ter em mãos.
Pensei em vários livros que ficaram na minha lista de desejados por muito tempo antes de eu finalmente conseguir comprar, mas aí lembrei do sofrimento que foi esperar meu box de Corte de Espinhos e Rosas. Além do tempo que fiquei desejando a série antes de realmente comprar, o período de espera até a entrega foi uma tortura. Sendo mais exata demorou um mês e muitas reclamações na loja até esse box finalmente chegar.

2 – Capelo: Um livro tão difícil de entrar na história, que você quis jogar para o alto.
Eu ia responder um livro, mas reclamei tanto dele ano passado que resolvi deixar quieto (mas quem me acompanha aqui já sabe qual é). Então, lembrei da minha experiência com O Senhor dos Anéis. Foi um mês para ler menos da metade de A Sociedade do Anel. Não consegui me conectar com a trama, o excesso de descrições me incomodou muito e arrastei por quase três meses com esse livro. Consegui terminar a leitura dele, mas admito que abandonei o segundo. No entanto, farei uma ressalva antes que os fãs me odeiem, eu era muito nova quando li e ainda tenho vontade de fazer uma nova tentativa.
3 – Juramento: Um livro que você jurou não ler nunca mais.
Eu sou totalmente a favor do ditado "Nunca diga nunca". Por esse motivo, deixo claro que, talvez, algum dia eu leia esse livro novamente. Porém, demorei quase cinco anos para conseguir terminar Comer, rezar, amar, da Elizabeth Gilbert. Deixei ele muito tempo encostado na estante até finalmente criar coragem de encarar e terminar a leitura. Então, fica fácil imaginar que eu não tenho a menor intenção de reler este livro algum dia. 

4 – Anel de formatura: Um livro que não foi barato, mas você acha lindo visualmente.
Essa pergunta é difícil porque eu só compro livro em promoção, gente. Até os livros que já comprei em pré-venda foram com cupom de desconto ou promoção relâmpago na Amazon. Porém, um livro que comprei e não foi muito barato, considerando a faixa de preço que costumo pagar, é Tower of Dawn, da Sarah J. Maas. No entanto, foi uma compra que valeu muito a pena, pois, além de ter essa capa maravilhosa, a edição é impecável e de capa dura, e é um livro que eu estou muito ansiosa para ler.

5 – BFF: Um personagem ao qual você se apegou.
Tem vários personagens que eu poderia citar aqui, pois sempre tem aqueles de séries que acompanho ou de romances fofinhos que acabo me apegando. Porém, resolvi citar uma recente: a Nix de The girl from everywherer: O mapa do tempo. Já falei sobre o livro na resenha aqui, e eu amei essa personagem e terminei a leitura totalmente apegada. Ela é forte, corajosa, esperta, com um ótimo senso de humor e ainda  carrega um dilema difícil, que demonstra o quanto é altruísta. Série, é impossível ler esse livro e não se apegar a essa personagem e admirá-la. 
6 – Paraninfo: Um livro com um professor inesquecível.
Escolhi um livro que tem vários professores que considero inesquecíveis e que são os meus favoritos da literatura: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Poderia ter citado a série toda, mas escolhi esse livro especificamente, pois é nele que o Remo Lupin, meu personagem preferido da série, aparece dando aula de Defesa Contra as Artes das Trevas em Hogwarts. Além disso, ainda tem outros professores maravilhosos, como o Prof. Dumbledore, a Prof.ª McGonaghal e o Hagrid.

7 – Comemoração: Um livro que tenha festa de formatura

Essa foi a pergunta mais difícil para mim, porque o único que lembrei é o que a Lari respondeu. Então, para não trapacear, pensei em Cidades de Papel, do John Green. Tecnicamente alguns personagens não chegam a participar da colação, porém, ela é mencionada. Edit: Depois que terminei o post e tirei a foto, lembrei do livro Namorado de Aluguel, da Kasie West, e não poderia deixar de mencioná-lo aqui, pois o baile de formatura foi um evento muito importante para a história, que deu início à trama. 

Essas foram as minhas respostas para a Formatura Book Tag, o que acharam? Me contem aí nos comentários se gostaram e quais seriam as escolhas de vocês. Não vou marcar ninguém aqui, mas quem quiser responder também não esqueça de dar os créditos para a Lari (@lari_destro) que foi quem criou a tag.
E, para quem se interessou pelos livros citados, vou deixar o link de compra de todos eles aqui embaixo.
Corte de Espinhos e Rosas: Amazon
Corte de Névoa e Fúria: Amazon
Corte de Asas e Ruína: Amazon
O senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel: Amazon
Comer, rezar, amar: Amazon
Tower of Dawn: Amazon
The girl from everywhere: Amazon
Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban: Amazon
(Box Harry Potter: Amazon)
Cidades de Papel: Amazon

Namorado de Aluguel: Amazon

[Resenha] Ponto sem retorno

11 de jan de 2018


Sinopse: “Giselle Levy é uma meia-bruxa que vive isolada do mundo com o seu avô, escondida do olhar do rei. Cuidadosa e astuta, contudo, ainda assim, numa tentativa de sobreviver, foi apanhada e chantageada por um dos príncipes de Kendrad, Cristian, que promete não a entregar, se esta for trabalhar para o palácio. Num dilema, ela coloca em perigo a sua identidade e passa a trabalhar no palácio, onde terá de lidar com as constantes tentativas de sedução do príncipe Cristian, os misteriosos olhares de príncipe Eli, os encontros escondidos com o seu melhor e único amigo Rylan, e um rei desumano com segredos obscuros. Giselle vive numa constante incerteza e angústia de ser descoberta, amargurada pelo facto de não poder ser livre, encontra uma misteriosa sala, com um poderoso encantamento que poderá mudar tudo. Assertiva, inteligente e defensiva, irá deparar-se com uma escolha que mudará a sua vida e ideia de si própria, para sempre.” Autora: Gabriela Simões / Editora: Edições Vieira da Silva/ Páginas: 238 / Skoob 

Ano passado, tive a felicidade de ser procurada pela autora portuguesa Gabriela Simões que me apresentou a sinopse de seu primeiro livro, Ponto sem retorno. Trata-se de uma fantasia envolvente e que, em muitos aspectos, me surpreendeu positivamente.
Em Ponto sem retorno, conhecemos a jovem Giselle Levy. Ela vive sozinha com seu avô em uma região isolada. Eles precisam se manter afastados de outras pessoas, pois Giselle é meio-bruxa e, se os poderem dela forem descobertos, ambos acabarão na fogueira. Porém, o avô de Giselle já está idoso e com a saúde debilitada, o que significa que cabe a ela a responsabilidade de manter a casa.
Sem poder trabalhar para não correr o risco de descobrirem seu segredo, ela acaba tendo que recorrer ao roubo. Em uma de suas tentativas mais arriscadas, Giselle é vista e quem a encontra é Christian, um dos príncipes de Kendrad. Ele poderia mandá-la para a forca por roubar, porém, decide fazer um acordo: não contaria a ninguém que ela era a ladra, porém, Giselle iria trabalhar no castelo, onde passaria a viver com o avô. Sem opção, ela concorda com o acordo, mas será que conseguirá viver tão próxima do rei e dos guardas sem que eles percebam seus poderes?


Confesso que, a princípio, senti uma certa semelhança com o livro A Rainha Vermelha, algo que me deixou preocupada. Não que eu não goste da série da Victoria Aveyard, mas tive medo que a trama de Ponto sem Retorno não se mostrasse original. No entanto, o livro me surpreendeu bastante e, apesar de encontrar alguns elementos parecidos, segue um rumo bem diferente do que eu esperava.
O universo construído pela autora foi um dos pontos que achei mais interessantes. É uma ambientação um tanto medieval, com príncipes, cavalos e castelos, mas que envolve magia e reúne bruxas e humanos. Além disso, há muitos mistérios em relação aos motivos que levaram o rei a perseguir bruxas e outras criaturas mágicas, e à guerra que havia sido trava entre eles anos antes, o que torna a história ainda mais envolvente.
 Com relação aos personagens, preciso dizer que a Giselle me irritou bastante. Eu imaginava que ela seria forte e decidida, porém, só consegui enxergar uma menina impulsiva, irresponsável e teimosa. Só não fiquei mais irritada, porque gostei da relação dela com o avô e do seu senso de humor afiado. Além disso, acredito que os acontecimentos do final do livro levarão a um amadurecimento da jovem protagonista para os próximos livros, o que me deixa otimista em relação a ela.
“Não conheço outros serem mágicos, nunca tive oportunidade para tal, todavia posso afirmar com segurança que tenho algo mais no meu coração, além de trevas”
Por outro lado, eu amei os príncipes. Sim, são dois: o Christian e seu irmão mais novo, Eli. O meu favorito foi o Christian, com seu ar galanteador e brincalhão. Ele não se deixa abalar pelas constantes brigas com Gisele e está sempre pronto para mostrar que é muito mais do que um príncipe mimado. Para mim, foi o melhor personagem do livro inteiro e a leitura sempre se tornava mais interessante quando ele aparecia. Já o Eli é um tanto misterioso, porém, me conquistou com um jeito meigo e cativante.
Destaco também o Rylan, melhor amigo de Giselle. Ele não aparece muito, mas é marcante tanto por sua importância na vida dela quanto por seu bom humor e inteligência. É um personagem carismático, bem humorado e íntegro, sempre disposto a se arriscar pelas pessoas importantes para ele, incluindo Giselle.
No entanto, uma coisa que realmente me irritou nesse livro foi a relação da Giselle com esses três personagens. Me incomoda ver constantemente livros de fantasia protagonizados por uma mulher em que todos os homens da trama se apaixonam por ela. Rylan é aquele típico melhor amigo que tem sentimentos mais profundos, e claro que Christian e Eli também se interessam por ela. E para piorar, Giselle simplesmente não consegue se decidir por um deles, criando um dilema desnecessário.
“O peso da saudade que ainda não começou e a distância que ainda não nos separou já me puxam para longe, enquanto luto para me manter por perto.”
Aliás, esse foi o único ponto realmente negativo no livro. Além desse tipo de triângulo amoroso (no caso, quadrado) ser muito clichê, tirou um pouco o foco da trama e tornou Giselle uma personagem inconstante. Acredito que seria mais interessante se pelo menos um dos três tivesse uma relação realmente de amizade com a protagonista, sem sentimentos mais profundos e conflitos amorosos desnecessários.
Já em relação à escrita da autora, fiquei bastante surpresa por ser o primeiro livro dela. A Gabriela tem uma maneira envolvente de escrever, que prende a atenção do leitor desde o início e torna a leitura muito fluida. Além disso, gostei muito da forma clara como ela introduziu o universo e os personagens, fazendo com que o leitor não tenha dificuldades em se conectar com a história.
Desta forma, Ponto sem retorno é um livro que conquista os leitores com uma trama envolvente e que deve agradar aos fãs de fantasia. Apesar de alguns tropeços, especialmente no que se refere ao romance, foi uma leitura agradável e que me deixou curiosa para saber o que vai acontecer nos próximos livros. A forma como este primeiro volume terminou é instigante e me deixou otimista quanto a ver uma evolução da protagonista e do universo apresentado pela autora.
Agora, quero muito saber a opinião de vocês. Quem já leu, me conte aí nos comentários o que achou. E se você se interessou pelo livro, pode entrar em contato com a autora para saber como adquiri-lo. Vou deixar todas as informações aqui no final do post.

Blog (onde estão os links para compra): https://gabbywriter.wixsite.com/writerspot