[Resenha] Pelo amor de Cassandra

1 de mar. de 2021

 


Uma das coisas que mais gosto em ler séries é que, muitas vezes, começamos de forma despretensiosa e quando percebemos estamos completamente apaixonados. Esse definitivamente foi o meu caso com Os Ravenels, da Lisa Kleypas. Quando li o primeiro livro, Um sedutor sem coração, eu estava empolgada por ter amado outra série da autora, mas com receio pelos comentários que li.

Eu não imaginava que Os Ravenels se tornaria a minha série favorita de romances de época e garantiria um lugar permanente na minha lista de favoritos da vida. Mas a cada livro eu fui sendo mais conquistada por essa família e, quando cheguei em Chasing Cassandra (publicado no Brasil como Pelo amor de Cassandra), eu tive a certeza que essa série estava definitivamente entre as minhas queridinhas, sem a menor chance de sair.

Eu li esse livro em inglês no ano passado e recentemente reli na edição brasileira. Então, hoje finalmente chegou meu momento de contar o que achei de Pelo amor de Cassandra.


Autora: Lisa Kleypas

Tradução: Ana Rodrigues

Editora: Arqueiro

Páginas: 272

Onde comprar: AmazonSubmarino

Sinopse: Tom Severin, o magnata das ferrovias, tem dinheiro e poder suficientes para realizar todos os seus desejos. Por isso, quando resolve que está na hora de se casar, acha que deve ser fácil encontrar a esposa perfeita. Assim que ele pousa os olhos em lady Cassandra Ravenel pela primeira vez, decide que ela é essa mulher. O problema é que a bela e perspicaz Cassandra é tão determinada quanto ele, e faz questão de se casar por amor – a única coisa que Tom não pode oferecer. Além disso, ela não tem o menor interesse em viver no mundo frenético de alguém que só joga para vencer. No entanto, mesmo com o coração de gelo, ele é o homem mais charmoso que Cassandra já conheceu. E quando um inimigo recém-descoberto quase destrói a reputação dela, Tom aproveita a oportunidade que estava esperando para conquistá-la. Ao contrário do que pensa, porém, ele ainda não conseguiu o que queria. Porque a busca pela mão de Cassandra pode até ter chegado ao fim, mas a batalha por seu coração está apenas começando.

 

Tom Severin construiu um verdadeiro império com seus negócios e, com sua inteligência e implacabilidade, conseguiu alcançar poder e dinheiro suficiente para ter tudo que desejar. Ou, era isso que ele pensava. Mas tudo muda quando ele conhece lady Cassandra Ravenel. Tom a deseja no minuto que a vê; ele tem certeza que ela é a mulher perfeita para ele e não vai desistir até conseguir tê-la como esposa.

Porém, Cassandra espera do casamento a única coisa que ele não pode oferecer: amor. Tom está acostumado a lidar com apenas cinco emoções e, até mesmo isso, parece exaustivo para ele. Então, amor está completamente fora dos seus limites.

Um casamento entre os dois parecia completamente impossível. No entanto, após Cassandra ter sua reputação arruinada por um recém descoberto inimigo, Tom logo corre para ajudá-la. Mas, mesmo com todo o poder dele, a única coisa que poderia salvá-la da ruína seria se casar e Tom não perde a oportunidade de negociar um acordo com ela. Só que ao conseguir a mulher que tanto desejava, ele percebe que Cassandra desperta nele sentimentos que vão muito além das suas cinco emoções. E quando o coração de Tom começa a descongelar, ele vê que há algo muito maior a ser conquistado: o amor da esposa. 




Tom Severin pode até achar que tem só cinco emoções, mas esse livro me despertou várias outras. Logo nas primeiras páginas de Pelo amor de Cassandra, eu me apaixonei por esse mocinho que acredita ter o coração congelado. Depois me diverti, me emocionei, sofri, tive vários momentos com o coração derretido de ternura e terminei com o coração cheio de alegria. Ou seja, não faltaram emoções.

E o que mais contribuiu para isso foram os personagens. O Tom já vinha me conquistando desde os livros anteriores, com seu humor irônico e seu jeito de anti-herói, mas ele certamente guardou o melhor para o último livro. Aqui podemos ver tudo que ele esconde por trás da fachada de implacável homem de negócios e foi lindo ir percebendo cada uma de suas camadas. Tom tem um passado que explica muito do seu comportamento, mas Lisa mostra que ele também tinha muito a aprender e melhorar. E essa evolução ao longo do livro foi maravilhosa de acompanhar, especialmente porque vemos esse mocinho se tornando mais apaixonado a cada página.

Já a Cassandra foi uma grata surpresa. Eu já desconfiava que ela era subestimada nos livros anteriores, mas nem eu imaginava que ficaria tão encantada com essa personagem. Ela se mostrou uma mocinha muito firme e perfeitamente consciente do que quer para a sua vida. Além disso, achei interessante que a autora mostrou que, apesar de ter sonhos diferentes da sua gêmea ousada e independente, Cassandra é uma mulher tão forte e empoderada quanto a Pandora (e, na minha opinião, muito mais madura).

E com dois protagonistas como Tom e Cassandra, existe alguma dúvida de que o romance é maravilhoso? Foi uma relação muito bonita, construída lentamente e com muito amadurecimento de ambos os lados. Enquanto Cassandra ensina Tom a abrir seu coração e aprender a lidar com suas emoções, ele dá a liberdade e a confiança que ela precisava para desenvolver todo seu potencial. Aliás, preciso dizer que uma das coisas que mais gostei foi ver o quanto Tom respeita a opinião da Cassandra e não a subestima por ser mulher, algo que não era comum na época (e nem nos dias de hoje, infelizmente).

Outro aspecto importante é a participação dos personagens secundários. Lisa Kleypas trouxe de volta personagens queridos dos livros anteriores e que tiveram um papel importante nesse. West, em especial, teve cenas muito bonitas com a Cassandra e outras muito divertidas com o Tom. Além disso, foi muito bom ver como os casais anteriores continuaram depois de seus respectivos livros. 



A trama também foi desenvolvida de uma forma muito envolvente e equilibrada. Mesmo que a atração de Tom por Cassandra tenha sido instantânea, os sentimentos vieram com o tempo e a convivência. Foi uma construção muito natural e sensível, que não só me convenceu como me emocionou. Além disso, Lisa Kleypas foi cuidadosa em não focar só no romance, mas também na construção dos personagens individualmente, nas relações familiares e até mesmo de amizade.

E não posso deixar de mencionar um aspecto que tornou a leitura ainda mais especial para mim: as várias referências à romances clássicos. Em diversos momentos da trama, Lisa Kleypas cita livros como A volta ao mundo em 80 dias, O morro dos ventos uivantes, Orgulho e Preconceito e Persuasão (um dos meus livros favoritos da vida). Essas referências foram muito importantes dentro da história e trouxeram um quentinho para o coração.

Minha única ressalva depois de reler na edição brasileira não tem nada a ver com o livro. O título escolhido pela Arqueiro, além de quebrar um padrão criado pela própria editora para a série, sonoramente não funciona muito bem e acho que está longe de refletir o quão maravilhoso é esse livro. Então, não posso negar que isso acabou me decepcionando.

No entanto, ignorando essa questão do título, Pelo amor de Cassandra foi uma leitura maravilhosa do começo ao fim. Os protagonistas estão ente os personagens mais cativantes que já li e romance deles foi construído de uma forma tão leve e delicada, que foi impossível não me apaixonar. Para mim, ele seria o encerramento perfeito para a série tanto pela história apresentada quanto por mostrar a evolução de toda a família Ravenel. No entanto, a Lisa Kleypas vai lançar um novo livro que será o sétimo volume e estou bem curiosa para saber como será a ligação dos novos protagonistas com essa família que eu aprendi a amar.

E vocês, já leram esse ou outros livros da série Os Ravenels? Gostam da escrita da Lisa Kleypas? Me contem aí nos comentários.


7 comentários:

  1. Oi Malu!

    Eu tô sempre vejo por ai pessoas faalndo bem dessa série e eu confesso que tô bem tentada a dar uma chance pra esse genero, eu nunca li romance de época mas parece ser algo legal e despretensioso, gosto de coisas assim! Adorei sua opinião sobre o livro e suas fotos ficaram perfeitas!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Malu, sua linda, tudo bem?
    Mais uma para me deixar ansiosa para ler essa série. Todo mundo está elogiando, acho que não lembro de uma série agradar tanto assim. Queria comprar todos os livros para ler de uma única vez, não sabia que tinha mais um livro. Você sabe quantos serão ao total? E pelo visto, vai ficar difícil escolher um casal para favoritar. Sua resenha ficou ótima.
    beijinhos.
    cila.
    https://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Malu.

    Estou dando um tempo em leituras de séries e livros do gênero romance de época. No momento estou escolhendo livros únicos, mas quando leio séries ou sagas eu prefiro ter ela completa aqui em casa, pois eu fico ansiosa pela continuação. Quando voltar a leitura do gênero quero dar uma oportunidade para a escrita Lisa Kleypas parece ser muito boa. Parabéns pela resenha.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. REalmente, muitos livros começo de forma despretensiosa e quando vejo, estou possuída pelo calor devorador da leitura kkkkkkkkkk Amo quando livros contemporâneos trazem referências do clássicos que seja diretamente ou de forma mais implícita, foi assim que conheci diversos autores e autoras.

    ResponderExcluir
  5. Oi Malu, tudo bem ?
    Eu novamente falando que nunca li nada de época e estou mais clichê que livros de romance rsrs.
    Mas acho tão incrível quando nos trazem referencias, só por isso já me deixou com vontade de ler.
    Preciso logo ler algo da autora.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem? Gostei bastante da proposta do livro e de sua opinião sobre ele, não li nada ainda da autora, mas vejo tantos elogios a escrita e criatividade sempre fico muito curiosa, espero que ter chance de ler também!

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Leio pouquíssimos romances de época, abro exceção para poucas autoras do gênero e a Lisa é uma delas. Ainda não li nenhum dessa série, mas parece seguir o de sempre pro gênero (se bem escrito não me incomoda). Parece boa a história!

    ResponderExcluir