domingo, 14 de agosto de 2016

[Especial] Cinco pais marcantes da literatura


Hoje é Dia dos Pais e não poderia deixar a data passar em branco no blog. Na literatura, podemos encontrar vários exemplos de pais que, de algum forma, desempenharam um papel marcante. Assim, fiz uma lista com os meus cinco preferidos.

1 – Arthur Weasley, da série Harry Potter.
        Claro que essa lista não poderia começar com outro personagem que não Arthur Weasley. Para mim, ele é um dos personagens mais marcantes da série e isso deve muito à relação dele com a esposa e os filhos. É um homem simples, mas totalmente dedicado à família. Trabalha duro para sustentar os sete filhos e, apesar das dificuldades financeiras, nunca deixou faltar o principal: amor.
           Além disso, o sr. Weasley é um homem divertido e carismático. Às vezes, ele não é tão rigoroso com os filhos quanto deveria ser (por exemplo, quando eles saem viajando em carros voadores sem autorização), mas sempre tentou passar bons valores aos filhos e cria-los da melhor maneira possível.

2 – Sr. Bennet, de Orgulho e Preconceito.
        Para mim, o sr. Bennet é o personagem mais interessante deste livro, dono de um senso de humor refinado e irônico. A princípio, ele não é um pai muito dedicado, se mostrando um pouco relapso em relação ao comportamento das filhas. No entanto, apesar de seu jeito despreocupado, no fundo, ele se importa com o bem-estar delas e com seu futuro. Em especial, são evidentes o carinho e a admiração que sente por Elizabeth.

3 – Hans Hubermann, de A menina que roubava livros.
        Uma das relações mais bonitas na literatura, para mim, é a que se forma entre Hans e Liesel. Apesar de não ser o pai biológico da menina, a partir do momento em que ela entra em sua vida, Hans a trata como a uma filha.
Ele é um homem simples, que luta com dificuldade para sustentar a família, mas faz o possível para fazer Liesel feliz. Mesmo não sabendo ler e escrever muito bem, Hans se esforça para ensinar a menina até que ela já estivesse lendo melhor que ele. Além disso, com seu jeito carinhoso, ele acaba se tornando um porto-seguro para ela, ajudando-a na adaptação na nova vida e a superar os medos e as tristezas da sua vida.

4 – Remo Lupin, da série Harry Potter.
         Sei que pode parecer estranho para alguns, pois a relação de Remo como pai não foi muito explorada na história. No entanto, para mim, ele já demonstrava um lado paternal muito antes de se tornar pai, de fato. Enquanto foi professor, Remo tratava seus alunos quase como filhos, acreditando no potencial deles mais do que eles mesmos, incentivando-os e orientando-os sempre que necessário. Em especial, sempre achei muito bonita a relação dele com Harry.
           Além disso, mesmo que a relação dele com o filho não seja muito longa, é impossível negar o quanto ele o amou e desejou ser um bom pai para ele. Tudo que Remo desejava era garantir um bom futuro para o filho e que o menino pudesse se orgulhar dele.

5 – Maxon, da série A Seleção.
         Um dos aspectos que mais gostei em A herdeira e A coroa é ver o pai que Maxon se tornou. Sei que muitas pessoas não gostam destes dois livros, mas gostei muito de ver a relação de Maxon com os filhos. Carinhoso, justo e firme nos momentos necessários, ele fez o possível para ser um pai melhor do que o que ele teve.
         Como já era de se esperar, considerando os primeiros livros da série, Maxon se tornou um excelente pai. Mesmo com todas as responsabilidades que carrega, ele age mais como pai do que como rei. Assim, é muito bonito ver o modo como ele apoia os filhos em suas decisões, se preocupando, acima de tudo, com a felicidade deles.

          Dentre tantos pais na literatura, esses foram os que mais me marcaram e, por isso, meus escolhidos para homenagear a data. Então, parabéns para os pais da vida real, sejam eles biológicos ou do coração!

       E, para vocês, quais são os pais mais marcantes da literatura? Deixem aí nos comentários.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Também acho o Arthur Weasley um ótimo pai, daqueles firmes, mas que sempre buscam amor e união. E o Hans, como posso esquecê-lo? Adorava a relação dele com a Liesel! E amei esse post! Beijos.

    http://livro-apaixonado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Júlia, tudo bem, e você? Pois é, acho o sr. Weasley um pai incrível, foi o primeiro que pensei quando estava fazendo o post. Ah impossível esquecer o Hans hehe. Sou muito suspeita para falar quando se trata de A menina que roubava livros, é um dos meus preferidos da vida, mas acho a relação do Hans e da Liesel muito especial. Fico feliz que tenha gostado do post!! Beijos!

      Excluir

Copyright © 2013 | Design e C�digo: Amanda Salinas | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal