[Das páginas para o cinema] A Série Divergente - Insurgente



A Série Divergente – Insurgente
Elenco: Shailene Woodley, Theo James, Miles Teller, Ansel Elgort, Kate Winslet, Octavia Spencer.
Direção: Robert Schwentke
Nacionalidade: EUA/ Ano: 2015 
A coluna Das páginas para o cinema de hoje continua falando sobre a série Divergente, desta vez tratando do segundo filme, Insurgente. A trama começa exatamente onde o primeiro filme terminou e, por isso, recomendo que não continue a leitura deste texto sem ter visto o filme anterior ou lido o primeiro livro da série Divergente.
Neste segundo filme, Tris, Quatro, Caleb e Peter são procurados por Jeanine Matthews e encontram abrigo com os membros da facção Amizade. No entanto, eles acabam sendo encontrados por membros da Audácia e da Erudição e têm que fugir do local, com exceção de Peter, que decide ajudar Jeanine. Os três seguem, então, uma jornada tentando descobrir o que a família de Tris estava tentando proteger quando sacrificaram suas vidas.
Além de todos os perigos e ameaças que enfrenta, Tris ainda precisa lidar com conflitos internos, incluindo a culpa que sente pela morte de pessoas queridas. Apesar de contar com o apoio de seu namorado, Tris não consegue se perdoar e tem medo de causar a morte de mais pessoas.
Um dos aspectos que mais gostei neste filme foi a evolução dos personagens, com destaque para a atuação de Shailene Woodley, como a Tris. Desde o primeiro filme, o carisma da atriz foi fundamental para conquistar a simpatia do público para a protagonista. Em Insurgente, ela vai além e consegue transmitir toda a angústia vivida por Tris, o que é essencial para que as escolhas da mesma ao longo da história sejam compreendidas.
Este filme ganha também em ação. A tensão a que os personagens estão submetidos é mais palpável em Insurgente, pois eles são constantemente perseguidos pelos membros da Erudição e da Audácia. Com isso, a história deste longa é muito mais dinâmica e conta com várias sequências de ação.
De modo geral, gostei muito do filme, mas acho que ele não funciona bem para quem não leu o livro. Alguns aspectos importantes da história são omitidos e algumas partes são desenvolvidas muito rapidamente, deixando o espectador que não é familiarizado com a história um pouco confuso. Além disso, muitos personagens novos aparecem em participações muito pequenas e que, acredito, o roteiro poderia ter explorado melhor. Em especial, esperava um destaque maior para a personagem de Octavia Spencer, como Johanna, a líder da Amizade.
Apesar dos problemas, ainda gosto deste filme e espero que os possíveis questionamentos gerados por ele sejam resolvidos em suas continuações. Inclusive, o próximo filme da série, Convergente, tem lançamento marcado no Brasil para o dia 10 de março. 
Trailer A Série Divergente - Insurgente:
Trailer A Série Divergente - Convergente:

Dica da Malu: Minha Vida Fora de Série

Autora: Paula Pimenta
Editora: Gutenberg
Conforme comentei na resenha sobre Fazendo Meu Filme, hoje vou falar sobre os três livros já publicados da série Minha Vida Fora de Série. Aqui, Paula Pimenta manteve o mesmo universo ficcional de Fazendo Meu Filme, mas centrou a história em uma personagem secundária dos outros livros, Priscila, uma das amigas de Fani.
A trama começa quando Priscila, então com treze anos, se muda com a mãe de São Paulo para Belo Horizonte, após o divórcio dos pais. A menina sente que seu mundo desmoronou com sua família se dividindo e a mudança para outra cidade. No entanto, com o tempo Priscila começa a se adaptar à nova cidade, fazendo novos amigos e se apaixonando pelo tímido Rodrigo.
No primeiro livro de Fazendo Meu Filme, quando a história começa, Rodrigo e Priscila já eram namorados. No entanto, Minha Vida Fora de Série – 1ª Temporada se passa alguns anos antes da história daquele, então, podemos ver como os dois se conheceram e começaram a namorar. Aliás, este foi um dos aspectos que mais gostei neste livro: poder ver um pouco mais sobre personagens secundários da outra série e descobrir como as relações deles foram construídas. Além disso, há pequenas referências que serão percebidas por quem já conhece a história da Fani.
Falando especificamente sobre a protagonista, Priscila é uma menina comunicativa, animada, apaixonada por animais e séries. Confesso que, às vezes, ela me irritava por ser um pouco mimada e impulsiva, mas, apesar de não ter com ela a mesma identificação que tinha com a Fani, acabei gostando dela também. É uma personagem forte, divertida e que vai amadurecendo ao longo da trama.
Já com relação ao Rodrigo, é até difícil começar a falar sobre ele. Sinceramente, acho que é um dos protagonistas mais cativantes que já li. É um menino tímido, sensível, atencioso, além de maduro e responsável. Assim como Priscila, Rodrigo é apaixonado por animais e desenvolve um trabalho em uma ONG de proteção animal. Aliás, achei um dos méritos do livro o incentivo à proteção e cuidado com os animais.
A partir do segundo livro, a história dá um pequeno salto no tempo e a trama se encontra com a do primeiro livro de Fazendo Meu Filme, porém, continua centrada em Priscila. Assim, é possível ver um pouco da história da Fani sob outra perspectiva, sem mudar o foco da história.
Muita coisa acontece ao longo dos três livros, tanto a Priscila quanto o Rodrigo amadurecem como personagens. Além disso, Paula Pimenta manteve sua habilidade para conquistar o leitor a cada página e fazer com que ele se envolva com a história. E, apesar da Priscila ainda me irritar um pouco com suas decisões impulsivas, é impossível não torcer por ela e pelo Rodrigo.
Outro ponto que eu destaco positivamente é que, em Fazendo Meu Filme, a Fani era apaixonada por cinema e, por isso, cada capítulo começava com uma citação de algum filme. Em Minha Vida Fora de Série, Paula Pimenta manteve esse formato, apenas substituindo as citações de filmes pelas séries de televisão que a Priscila adora.
Até agora, foram publicados três livros da série, sendo que o terceiro foi publicado em 2015. E, confesso, mal posso esperar pela continuação. As reviravoltas que aconteceram na história, apesar de mencionadas em Fazendo Meu Filme 4, são realmente impactantes e deixam o leitor desesperado para saber o que vai acontecer a seguir. Mas, enquanto esperamos que uma nova temporada da vida de Priscila seja publicada, só resta a certeza de que será uma história envolvente e encantadora, como as suas antecessoras escritas pela talentosa Paula Pimenta. 

'Devotos e devassos', de Cristian Santos, vence Prêmio Casa de las Américas

O livro Devotos e devassos (Edusp), resultado da pesquisa para o doutorado de Cristian Santos, venceu o Prêmio Casa de Las Américas, na categoria Literatura Brasileira. No título, o autor analisa a representação de padres e beatas na literatura anticlerical no Brasil a partir das obras O mulato e O homem, ambos de Aluísio de Azevedo, e Morbus, de Faria Neves Sobrinho. Para ver a notícia completa, clique aqui.
Notícia originalmente publicada em: Publish News

Nobel de Literatura

Mais informações aqui.

Dica da Malu: Fazendo Meu Filme

Autora: Paula Pimenta
Editora: Gutenberg
Hoje eu resolvi falar não sobre um livro só, mas quatro: a série Fazendo Meu Filme, da escritora brasileira Paula Pimenta. Tenho que confessar que eu sou meio suspeita para falar sobre essa série, porque ela realmente me marcou muito. Primeiro, pela identificação com a personagem principal tanto pela idade (quando eu li o primeiro livro tinha dezesseis anos, assim como a protagonista), quanto pela personalidade e pelos gostos. Segundo, que foi um livro que unia duas paixões minhas: a literatura e o cinema. Assim, não tinha como eu não me apaixonar pela série.
A história é narrada sob o ponto de vista da protagonista, Estefânia Castelino Belluz ou, como ela prefere, Fani. No primeiro livro, Fazendo Meu Filme – A estreia de Fani, somos apresentados a protagonista, uma menina de dezesseis anos, que vive em Belo Horizonte e é completamente apaixonada por cinema. Neste livro, tudo muda na vida da sonhadora Fani, quando surge a oportunidade de fazer um intercâmbio e passar um ano vivendo em outro país.
Um dos pontos que mais me chamaram a atenção quando li este livro foi a facilidade que tive para me identificar com a personagem, e não só pelos motivos já citados. Paula Pimenta descreve as expectativas, os medos e as dúvidas de seus personagens de uma maneira extremamente natural, tornando-os mais reais, quase como se já os conhecêssemos de algum lugar. É praticamente impossível ler este livro sem identificar ao menos alguma situação que te faça pensar “eu já passei por algo bem parecido”. Isso facilita para que os leitores adolescentes se vejam nos conflitos tratados na história. Além disso, para os leitores adultos, o livro se mostra uma oportunidade de recordar a própria adolescência. 
Além da protagonista Fani, os demais personagens criados pela Paula são incrivelmente cativantes. Cada um apresenta um traço de personalidade que conquista o leitor e o leva até a desejar ser amigo deles.
Outro ponto que eu simplesmente amo nesses livros é o fato de que cada capítulo começa com uma citação de algum filme que tem a ver com os fatos que serão narrados ali. Essas citações não só fazem uma referência ao título do livro e à paixão da protagonista por filmes, como serve para despertar ainda mais o interesse do leitor para o que vai acontecer a seguir.
Preciso ressaltar ainda que a Paula não só manteve a qualidade e o ritmo da história presentes no primeiro livro, como parece ter aprimorado ainda mais nas suas continuações, Fani na terra da rainha, O roteiro inesperado de Fani, e Fani em busca do final feliz . A trama foi evoluindo de uma maneira natural e instigante ao longo dos quatro livros, com reviravoltas bem escritas e personagens que se tornam cada vez mais apaixonantes. Ao final do quarto livro, fica a saudade daqueles personagens que nos encantaram durante a leitura.
Não é sem motivos que Paula Pimenta se tornou uma das autoras de maior sucesso no Brasil. Seus livros estão constantemente na lista dos mais vendidos e, a cada dia, conquistam mais leitores. A série Fazendo Meu Filme já conta com publicações em Portugal, na Espanha e em alguns países da América Latina, além de ter dado origem a dois HQs (Fazendo Meu Filme 1 – Antes do filme começar e Fazendo Meu Filme 2 – Azar no Jogo, Sorte no Amor) e a outra série de livros, Minha Vida Fora de Série*.
O que eu posso dizer sobre Fazendo Meu Filme é que essa série me conquistou quando eu ainda era uma adolescente, mas seu universo foi tão bem escrito que ela continua me acompanhando, sendo sempre delicioso revisitar suas páginas. Recomendo para jovens leitores, mas também para aqueles que queiram relembrar a sua adolescência, com suas dúvidas, seus medos e suas alegrias.
P.S.: A Editora Gutenberg lançou em janeiro uma nova edição do Diário da Fani, um diário onde, além de escrever sua própria história, o leitor poderá reler frases mais marcantes dos quatro livros. Mais informações aqui.

*Em breve, comentários sobre os três livros já publicados de Minha Vida Fora de Série

Lançamentos de Fevereiro

Começo de mês é a hora ideal para ver o que vai ter de novo nas livrarias. Então, fiz uma lista com alguns lançamentos previstos para este mês. Confira:

A espada de vidro, de Victoria Aveyard – O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar. Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter. Editora: Seguinte. Lançamento em: 19/02.


A garota sem passado, de Michael Kardos – Num domingo de setembro de 1991, Ramsey Miller deu uma festa em casa para os vizinhos. Depois, assassinou a esposa e a filha de 3 anos. Todo mundo na pacata cidade de Silver Bay conhece a história. Só que todos estão errados. A menina escapou. Sob o nome falso de Melanie Denison, ela passou os últimos quinze anos escondida com os tios numa cidadezinha remota. Nunca pôde viajar, ir a uma festa na escola ou ter internet em casa, porque Ramsey jamais foi encontrado e poderia ir atrás dela a qualquer momento. Mas, apesar das rígidas regras de segurança impostas pelos tios, Melanie se envolve com um jovem professor da escola local e engravida. Ela decide que seu filho não terá a mesma vida clandestina que ela e, para isso, volta a Silver Bay para fazer o que nem os investigadores locais, nem a polícia federal, nem o FBI conseguiram: encontrar seu pai antes que ele a encontre. Editora: Arqueiro. Data de lançamento: 01/02. Leia um trecho aqui.


Uma vida no escuro, de Anna Lyndsey – Com uma carreira consolidada e um apartamento recém-comprado em Londres, parecia que a única preocupação de Anna Lyndsey seria manter de seu padrão de vida. No entanto, o que começou como um desconforto diante da tela do computador revelou-se uma grave sensibilidade a qualquer fonte de luz. Em pouco tempo, trabalhar tornou-se inviável, e mesmo atividades corriqueiras passaram a causar dores lancinantes. Conforme os sintomas foram se agravando, ela precisou abrir mão da casa, da independência e de qualquer possibilidade de planos futuros.
Em Uma vida no escuro, ela nos revela uma existência com mais nuances do que se poderia esperar de alguém mergulhado no mais profundo breu, descobrindo meios de afastar os pensamentos deprimentes e perseverar mesmo com a incerteza de sua condição. Um livro de memórias envolvente e impactante, que aguçará a curiosidade de todos os interessados em histórias reais e extraordinárias. Editora: Intrínseca. Data de lançamento: 12/02. Leia um trecho aqui.


Depois de você, de Jojo Moyes – Em Depois de você, sequência de Como eu era antes de você, Lou ainda não superou a perda de Will. Morando em um flat em Londres, ela trabalha como garçonete em um pub no aeroporto. Certo dia, após beber muito, Lou cai do terraço. O terrível acidente a obriga a voltar para a casa de sua família, mas também a permite conhecer Sam Fielding, um paramédico cujo trabalho é lidar com a vida e a morte, a única pessoa que parece capaz de compreendê-la. Ao se recuperar, Lou sabe que precisa dar uma guinada na própria história e acaba entrando para um grupo de terapia de luto. Os membros compartilham sabedoria, risadas, frustrações e biscoitos horrorosos, além de a incentivarem a investir em Sam. Tudo parece estar se encaixando, quando alguém do passado de Will surge e atrapalha os planos de Lou, levando-a a um futuro totalmente diferente. Editora: Intrínseca. Lançamento: 15/02. Leia um trecho aqui.

Divulgação - Editora Seguinte



Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.