[Resenha] Cilada para um marquês (Escândalos e Canalhas 1)

29 de out de 2018


Desde o ano passado, os romances de época têm estado cada vez mais presentes nas minhas leituras. No entanto, eu ainda não tinha lido nada de uma das autoras mais populares do gênero: Sarah MacLean. Então, já estava na hora de dar um jeito nisso, né?
Resolvi começar com o livro Cilada para um marquês, que me conquistou logo pela sinopse. Com uma premissa que prometia diversão, romance e aventura, foi impossível não ficar curiosa para ler esse livro. Felizmente, a promessa foi cumprida e o livro reúne alguns dos elementos que mais gosto em romances de época.

Autora: Sarah MacLean
Editora: Gutenberg
Tradução: A. C. Reis
Páginas: 320
Classificação: +18 anos
Onde comprar: Amazon
Sinopse: “De todas as bobagens incríveis que ele já tinha visto as mulheres fazendo ao longo de sua vida, aquela era, sem dúvida, a pior.”Sophie Talbot é conhecida pela Sociedade como uma das Irmãs Perigosas – mulheres Talbot que fazem de tudo para se arranjar com algum aristocrata. O apelido chega a ser engraçado, pois se existe algo que Sophie abomina é a aristocracia. Mas parece que mesmo não sendo uma irmã tão perigosa assim, o perigo a persegue por todos os lugares.Quando a mais “desinteressante” das irmãs Talbot se torna o centro de um escândalo, ela decide que chegou a hora de partir de Londres e voltar para o interior, onde vivia antes de seu pai conquistar um título. Em Mossband, ela pretende abrir sua própria livraria e encontrar Robbie, um jovem que não vê há mais de uma década, mas que jura estar esperando por ela.No entanto, ao fugir de Londres, seu destino cruza com o de Rei, o Marquês de Eversley e futuro Duque de Lyne, um homem com a fama de dissolver noivados e arruinar as damas da Sociedade. Rei está a caminho de Cumbria para visitar o odioso pai à beira da morte e tomar posse de seu ducado. Tudo o que ele menos precisava era de uma Irmã Perigosa em seu encalço.O Marquês de Eversley está convicto de que Lady Sophie Talbot invadiu sua carruagem para forçá-lo a se casar com ela e conquistar um título de futura duquesa. Já Sophie tenta provar que não se casaria com ele nem que fosse o último homem da cristandade. Mas e quando o perigo tem olhos verdes, cabelos claros e a língua afiada? Essa viagem será mais longa do que eles imaginavam...”

Em Cilada para um marquês, primeiro volume da série Escândalos e Canalhas, conhecemos Sophie Talbot, a mais jovem das Irmãs Perigosas. Dez anos antes, seu pai havia recebido o título de Conde de Wight, e suas mães e irmãs ficaram animadas com a perspectiva de frequentarem a alta sociedade. No entanto, a empolgação delas acabou se mostrando um tanto excessiva e gerando alguns comportamentos inapropriados na busca delas por maridos nobres, que renderam apelidos um tanto maldosos, inclusive o de Irmãs Perigosas.
Porém, Sophie não poderia ser mais diferente das irmãs. Ela nunca quis frequentar a alta sociedade e, sem dúvida, não desejava se casar com um nobre. Graças a isso, ela acabou ficando como a sem graça dentre as Irmãs Perigosas. No entanto, isso muda quando, em um evento, ela flagra o marido de sua irmã mais velha e acaba armando um escândalo de grandes proporções, além de ofender grande parte dos nobres presentes.
“E foi naquele momento que Sophie não conseguiu mais suportar aquele mundo de regras, hierarquia e desdém. Aquele mundo no qual ela não tinha nascido. O mundo que ela não escolheu. O mundo que ela odiava.”
Precisando fugir do local, Sophie acaba esbarrando com o marquês de Eversley, um dos maiores cretinos da sociedade. Ela tenta pedir uma carona para casa, porém, ele não está disposto a ajudá-la. Assim, Sophie precisa recorrer a outros meios: ir, clandestinamente, na carruagem do marquês. O que ela não esperava a que a carruagem estivesse se dirigindo para fora de Londres e, quando percebe, Sophie já está muito distante de casa.

Ao descobrir a jovem disfarçada como um criado, ele tem certeza que ela foi parar na carruagem dele com o intuito de obrigá-lo a se casar com ela. No entanto, isso não poderia estar mais distante dos planos dela. Assim, Sophie faz questão de deixar claro que casar com um nobre não é um de seus objetivos e que ele, especificamente, seria o último homem com quem ela jamais se casaria.


Como já deve dar para imaginar por esse resumo, Sophie e o marquês de Eversley, conhecido como Rei, vão trocar farpas desde o começo do livro. Sei que se trata daquele velho clichê do casal que parece se odiar, mas sente uma atração inexplicável um pelo outro. No entanto, eu confesso que, apesar de ser um recurso comum, eu sempre amo histórias assim, especialmente porque elas costumam envolver diálogos divertidos. Assim, acho que a primeira coisa que posso comentar sobre Cilada para um marquês é que eu me diverti muito enquanto lia, graças às constantes provocações entre Sophie e Rei.
Outro ponto que merece destaque é que Sophie é o tipo de mocinha que conquista nossa admiração desde o começo. Ao contrário das irmãs, ela nunca se deslumbrou com o mundo da nobreza e conseguia enxergar a hipocrisia e o machismo da alta sociedade, o que já demonstra a personalidade desta personagem. Além disso, confesso que foi impossível não simpatizar com o sonho que ela tem de abrir sua própria livraria (afinal, que leitor nunca quis isso, né?). Mas, acima de tudo, me solidarizei ao ver o quanto a indiferença e os comentários maldosos das pessoas afetaram a forma como Sophie se via.
“Para qualquer outra garotinha, as caixas que seu pai trazia poderiam ser tediosas. Mas para Sophie eram mágicas. Os livros eram aventuras encadernadas em couro, com páginas e mais páginas de mundos distantes, pessoas e ensinamentos notáveis; felicidade simples e honesta.”
Já o marquês de Eversley fez com que eu me dividisse entre amá-lo e querer esganá-lo. Em muitos momentos, eu me diverti com as implicâncias entre ele e Sophie e adorei o fato de que, mesmo afirmando que ela não era problema dele, o marquês sempre acaba se sentindo culpado e tentando protegê-la. Além disso, consegui entender os traumas que o levaram a agir e pensar como ele fazia. Porém, ele é extremamente teimoso e, mesmo entendo seus motivos, teve horas em que eu quis entrar no livro e dar uns tapas na cara dele para ver se ele parava de agir feito um idiota. Mas quero deixar claro que isso foi só em alguns momentos e, na maior parte do tempo, eu me diverti muito com esse personagem.
Além disso, adorei a forma como se desenvolveu o romance entre ele e Sophie. Apesar de usar o recurso comum do casal que se odeia a princípio e vai se apaixonando aos poucos, achei que a autora conseguiu fazer isso com muita naturalidade. Tanto os motivos que fizeram com que eles se estranhassem no início, como os que provocaram as mudanças nos comportamentos deles foram muito compreensíveis. Com isso, os sentimentos que surgem entre Sophie e Rei não soam forçados ou falsos em nenhum momento. É uma relação que se desenvolve de uma maneira muito bonita e, ao mesmo tempo, divertida.
“Ele era tudo que diziam ser. Escandaloso. Perverso. Um canalha total. Tudo o que a sociedade rejeitava – ao mesmo tempo que louvava. Como seu próprio cunhado e muitos outros homens e mulheres da aristocracia britânica. Um belo exemplo do que que havia de pior naquele mundo em que ele tinha nascido. Para o qual ela tinha sido arrastada. Sophie o odiou no mesmo instante.”

Há outros personagens secundários que trazem muitos momentos divertidos e tocantes. Adorei as irmãs de Sophie, especialmente a mais velha, e gostaria que elas tivessem aparecido mais. Além disso, há algumas personagens que vão aparecendo durante a jornada da Sophie e do Rei que contribuíram para alguns dos momentos mais engraçados do livro, em especial o pequeno ladrão, John. No entanto, quem roubou a cena mesmo foi o Duque de Warnick, amigo de Rei e que será um dos protagonistas do segundo volume da série.



Com relação à trama, adorei a forma como ela foi desenvolvida. O livro já começa com muito humor e aventura. Aliás, fiquei bastante surpresa com a forma como a autora conseguiu equilibrar muito bem romance, humor e aventura, sem exagerar em nenhum desses elementos. Com isso, a leitura foi muito envolvente e fluiu de uma maneira tão natural que eu acabei lendo em um dia. Além disso, adorei o fato de que, em muitos momentos da história, vemos críticas à hipocrisia da sociedade e ao machismo. Deste modo, apesar de ser uma trama simples, ela não deixa de trazer reflexões importantes.
“Eu não ligo porque isso nos desvaloriza. Elas são minhas irmãs. Somos seres humanos. Com sentimentos. Nós existimos. E parece que o mundo não consegue enxergar isso. Não consegue enxergá-las.”
Cilada para um marquês foi meu primeiro contato com a escrita da Sarah MacLean, mas me fez perguntar por que eu ainda não tinha lido nada dela. Sua escrita é bem leve e ela emprega com muita habilidade um humor bastante sarcástico nos diálogos, o que eu gosto muito. Além disso, achei que ela soube desenvolver muito bem os personagens, fazendo com que eles fossem complexos e muito cativantes.
Não posso deixar de mencionar também o capricho na edição da Editora Gutenberg. Além da capa linda e condizente com a história, a parte interna do livro está impecável. O começo de cada capítulo tem a formatação de uma manchete de jornal, fazendo uma referência às colunas de fofoca que eram bastante populares na época, o que eu achei que deu um toque bem especial ao livro. Além disso, as páginas são amarelas, a fonte tem um ótimo tamanho para leitura e eu não encontrei nenhum erro de revisão.
Só posso dizer que Cilada para um marquês é um romance de época com um enredo simples e, até mesmo, um pouco clichê, mas que conquista pela personalidade de seus personagens, a boa construção da trama e o humor refinado da autora. Nesse meu primeiro contato com a escrita da Sarah MacLean eu não poderia ter ficado mais satisfeita, o que me deixa muito motivada a ler outros livros dela.
E vocês, já leram Cilada para um marquês? Me contem aí nos comentários se já leram esse ou outros livros da Sarah MacLean e quais outras autoras de romance de época vocês recomendam.

18 comentários:

  1. Olá! Confesso que o tipo de história não me interessa muito, mas lendo sua resenha me identifiquei com algumas coisas que me fizeram repensar se eu leria esse livro ou não, como por exemplo, eu também gosto muito de narrativas onde existe essa implicância por parte dos personagens românticos nas histórias. Também me divirto muito e me apaixono junto com eles.
    Vou continuar acompanhando o seu blog!

    Quando puder, faz um visita: Borboletra
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Tudo bem? Eu não sou muito de ler romances de época, mas ando interessada em alguns.
    Esse estilo de leitura sempre está em alta, pois acho que existe um público bem grande que curte.

    Não li esse livro ainda.
    Eu acho essa capa maravilhosa, na verdade as capas de romances de épocas costumam ser incrivelmente bonitas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Adoro os livros da Sarah, são uma delicia, acho ela uma das melhores autoras do gênero. Ansiosa para ler esse <3

    ResponderExcluir
  4. Oi, Malu!
    Nunca li nenhum livro da autora, mas já vi diversas resenhas que a elogiavam, então imagino que ela deve ser mesmo incrível para aqueles que curtem o gênero. Não sou muito fã de romances, mas admito que posso acabar lendo um livro desse tipo se ele tiver uma boa dose de humor e críticas sociais, como é o caso deste livro. No fundo, sei que isso de personagens se odiarem e depois acabarem se apaixonando é um clichê, mas é um clichê que eu gosto. Gostei muito de saber mais sobre esse livro. Seu texto está muito bom! Beijos!

    Jéssica Martins
    castelodoimaginario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu amo romances de época e estou bem animada para realizar essa leitura, mas como a editora resolveu lançar um box dessa trilogia, estou namorando para pegar uma promoção e adquiri-lo em breve.
    Sarah tem uma escrita gostosa e fluida. A narrativa sem dúvidas é apaixonante e mesmo com alguns clichês ainda sim nos encantamos.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Que legaaaal. Adorei a resenha. Nem curto livros desse genero, mas até fiquei com vontade de ler esse. Beijos

    ResponderExcluir
  7. entao... nunca li nada da autora e a possibilidade é minima disso acontecer pelo fato de eu nao curtir romances de época... mas algumas amigas minhas amaram a história... bacana o lance da formatação lembrar jornais de época, acho que isso dá um charme a mais pro livro... ^^


    bjos :D

    ResponderExcluir
  8. Olá! Eu também ando lendo bem mais romances de época ultimamente, tem sido o meu vício. Mas ainda não li nada dessa autora, apesar de ter vontade. Espero conseguir em breve.
    Gostei muito do enredo. Apesar de ser clichê, eu adoro histórias assim. Fazer o que, eu amo clichês, e um com um casal que se alfineta o tempo todo e depois se aproximam é o meu favorito. Kkkk dica super anotada!
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. quero muito ler os livros dessa autora, ainda mais que ultimamente to gostando muito de ler o gênero. não ligo de ser clichê se a autora souber conquistar com sua escrita e enredo, e parece que essa sabe muito bem!
    espero ler logo!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  10. Amei as fotos que usaste para o post, bem detalhadas e harmonizadas com a temática do livro. EU AMO LIVROS DE ÉPOCA, na verdade, tudo de época, filmes, séries... enfim, entretanto, li poucas obras do gênero, tenho procurado por algumas resenhas e tentado achar histórias que agucem meu apetite literário, enfim, curti a resenha e adicionei aqui na minha lista para possíveis próximas leituras.

    ResponderExcluir
  11. Olá!

    Adorei suas fotos, e sua resenha ficou maravilhosa, estou super ansiosa em ler essa série, ainda não li nenhum romance de época, mas tenho uns 4 parados na estante.

    ResponderExcluir
  12. Ainda não conheço a escrita da Sarah, mas vejo inúmeros elogios quanto suas histórias. Assim como você eu amo um romance gato e rato, isso me tira boas risadas e saber que a isso a autora acrescentou uma dose de aventura me anima, sem dizer que as criticas sociais são sempre bem vindas. Anoto a recomendação e espero ler em breve algo da autora.

    Abraços.
    https://acabinedeleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bom?
    Sarah Mclean é muito rainha ♥ Se quer conhecer outro livro dela, leia Os números do amor! Leitura maravilhosa viu?
    Quanto ao livro que resenhou, este eu ainda não tive a oportunidade de ler, mas fiquei super curiosa com essa confusão em que a mocinha vai se meter tentando fugir e com esse casal que vai trocar várias farpas ao longo da trama, que é algo que adoro! Dica mais que anotada ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi! Eu não li esse livro, tão pouco nada dessa autora, mas pelas resenhas que já vi, e por gostar muito de romances de época, parece ser uma boa história. O fato da Sophie ser pouco convencional e uma mocinha meio "fora" dos padrões daquela época me encanta muito, pois eu adoro personagens fortes e independentes. Acho que vou me divertir muito com esse livro. Obrigada pela resenha!

    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  15. Foi essa a impressão que tive do livro quando li sua resenha, simples, um pouco clichê de romance de época, mas com personagens únicos e acho que isso é o mais importante de uma história, pois são os personagens, muita vezes, que nos cativa e faz amar a história. Dica anotada!

    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  16. Olá, Malu!

    Apesar dos romances de época estarem entre os meus livros preferidos, sendo um gênero que leio bastante, ainda não tive nenhum contato com as tramas desta autora. Todavia, já ouvi falar maravilhas dela e tenho muita curiosidade. O que falta mesmo é tempo! E dinheiro para comprar tantos livros incríveis!kkkkkkkk

    Amo essas tramas nas quais os personagens aparentemente se odeiam, ficam naquela de cão e gato. Isso me diverte muito e o fato da autora utilizar de sarcasmo é mais um ponto positivo, pois sou daquelas que precisam de sarcasmo no seu dia, embora eu confesse que prefiro mais a ironia simples, por ser mais leve, menos mordaz.

    Acho que vou amar esse casal e a história deles, provavelmente se tornará uma das minhas preferidas. A questão é quando conseguirei ler. :(

    Bjs!

    ResponderExcluir
  17. Olá

    E que romance não tem o tão cliche que a gente ama? Sou louca para ler esse livro, acho a premissa do casal gato e rato muito instigante.
    Amo romances de época. Adorei sua resenha ❤️

    ResponderExcluir
  18. Olá,
    Recentemente li o volume três dessa série, que vai contar justamente a história do Duque traidor com a mais velhas das irmãs perigosas. Eu me apaixonei comoletamente pela história é nesse mesmo livro, tive vários vislumbres da história de Sophie, que despertou meu interesse instantâneo, agora lendo sua resenha, diecidi que não vou ficar perdendo tempo, já quero conhecer os detalhes que compõem a história de amor de Rei e Sophie.

    Abraços!

    ResponderExcluir