[Resenha] Um acordo pecaminoso - Os Ravenels #3

24 de fev de 2019


Olá, pessoal! Depois de algum tempo sumida aqui do blog, eu finalmente vim trazer uma resenha nova para vocês. Mas, antes, quero pedir desculpas pela ausência. As últimas semanas foram bastante corridas e eu não estava conseguindo preparar os posts. Porém, agora estou conseguindo me organizar e os posts voltam ao normal.
Para hoje, eu decidi trazer a resenha de Um acordo pecaminoso, da Lisa Kleypas. Eu li esse livro no ano passado, porém, esperei reler para comentar aqui o que achei do livro. Agora, com ele mais fresco na memória e uma opinião mais definida, vou finalmente contar o que achei desse que é o terceiro volume da série Os Ravenels.
Mas, antes de tudo, um alerta: as tramas desse livro são relativamente independentes, porém, com personagens muito conectados. Ou seja, se você começar a ler por esse, não terá problemas em entender a trama, mas vai pegar spoilers dos livros anteriores. Então, recomendo que leiam na ordem correta.

Autora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Páginas:304
Tradução: Ana Rodrigues     
Onde comprar: Amazon
Sinopse: “Lady Pandora Ravenel é muito diferente das debutantes de sua idade. Enquanto a maioria delas não perde uma festa da temporada londrina e sonha encontrar um marido, Pandora prefere ficar em casa idealizando jogos de tabuleiro e planejando se tornar uma mulher independente. Mas certa noite, num baile deslumbrante, ela é flagrada numa situação muito comprometedora com um malicioso e lindo estranho. Gabriel, o lorde St. Vincent, passou anos conseguindo evitar o casamento, até ser conquistado por uma garota rebelde que não quer nada com ele. Só que ele acha Pandora irresistível e fará o que for preciso para possuí-la. Para alcançar seus objetivos, os dois fazem um acordo curioso, e entram em uma batalha de vontades divertida e sensual, como só Lisa Kleypas é capaz de criar.”

Em Um acordo pecaminoso, temos Lady Pandora Ravenel como protagonista. Ela já havia aparecido nos volumes anteriores, mas aqui ela estará em evidência após se envolver em uma situação comprometedora com lorde Gabriel St. Vincent. Na realidade, nada aconteceu entre eles e a situação não passava de um mal-entendido, porém, a honra dela estava manchada de qualquer forma e a única alternativa para salvar a reputação dela serie o casamento.
O problema é que Pandora tem muitos planos para sua vida e se casar não é um deles. No entanto, Gabriel está disposto a fazer a coisa certa e, quanto mais conhece Pandora, mais convicto ele está de que esse casamento não seria apenas uma obrigação. Assim, ele terá a difícil missão de mostrar à ela que essa alternativa não era tão ruim e que o casamento não iria privá-la do que ela mais prezava: sua independência.
“As regras da lógica pela qual sempre viveram haviam sido subvertidas ao ponto de que se casar com Lady Pandora Ravenel era agora o único desfecho aceitável. Ele não estava preparado para aquela moça, para aquela sensação, para aquela incerteza exasperante de que talvez não acabasse ao lado da única pessoa de quem precisava.”


Para começar a falar sobre esse livro, eu preciso dizer que eu estava com as expectativas altíssimas. Eu adorei o segundo volume da série, Uma noiva para Winterborne (resenha aqui) e fiquei ainda mais curiosa quando vi quem seria o mocinho. Talvez vocês tenham reconhecido o sobrenome dele, St Vicent, de outro livro da Lisa Kleypas, Pecados no Inverno. Acontece que Gabriel é filho de Sebastian St. Vicent, que eu considero um dos melhores mocinhos de romances de época. Ou seja, eu já comecei a ler esse livro predisposta a amá-lo.
Mas sabe quando dizem que não devemos criar expectativas? Pois é, não devemos mesmo. Eu esperava muito desse livro e encontrei o romance mais morno da série toda, tanto em relação aos personagens quanto à trama em si. Pandora e Gabriel tinham tudo para serem os melhores protagonistas da série, ela por tudo que havia mostrado nos livros anteriores e ele por ser filho de quem é. Mas não foi bem assim...
Pandora é uma personagem muito à frente do seu tempo, que presa sua liberdade e autonomia mais que tudo. Ela é extremamente inteligente e criativa, e tinha planos para sua vida que não envolviam o casamento. Ela estava desenvolvendo jogos de tabuleiro e não desejava perder o controle sobre seus negócios, o que aconteceria caso se casasse (no século XIX, as mulheres não tinham direito à propriedade quando se casavam, tudo que era delas ia automaticamente para o marido). Isso tudo me fez admirar a personagens nos livros anteriores e em vários momentos desse.
“Não quero que o senhor descubra mais sobre mim, quando tenho tantas coisas erradas. Nunca fui capaz de pensar ou de me comportar como as outras moças. Sou diferente até da minha irmã gêmea.”
O problema é que a determinação dela começou a se tornar teimosia e imprudência, o que me irritou bastante. Eu gostaria muito de ter visto uma personagem feminina forte e vanguardista, que não age de maneira imprudente e imatura. Da segunda vez que li, isso me incomodou menos, mas ainda me impediu de me apegar à personaem. Senti que, naquele que deveria ter sido o auge da personagem, o livro no qual ela estava no centro, foi o que ela se mostrou mais sem graça.
Com relação ao Gabriel, acho que ele foi prejudicado pelo sobrenome. Ao saber que ele era filho do Sebastian, criei altas expectativas e foi impossível não compará-lo com o pai. E não resta dúvida de quem saiu perdendo né? Gabriel é até um personagem cativante e gostei dele, mas faltou o carisma e a irreverência do Sebastian. Além disso, os conflitos do Gabriel foram bem menos interessantes e, de um modo geral, foi um personagem sem muita profundidade.
“Mas tudo era diferente com Pandora. Ela era uma força da natureza, incapaz de não ser inteiramente ela mesma, e de alguma forma isso tornara possível para Gabriel ser ele mesmo também, sem qualquer fingimento. Sempre que admitia ter defeitos, ou ter cometido erros, Pandora parecia gostar ainda mais dele. Ela havia destrancado o coração de Gabriel com uma facilidade assustadora e jogara a chave fora.”

Como não gostei do casal principal, tive dificuldade em me envolver com a trama e até mesmo torcer pelo romance. Claro que a leitura não foi arrastada, afinal estamos falando de um livro da Lisa Kleypas, e o livro teve seus momentos fofos e que me agradaram. No entanto, foi uma leitura bem morna e que, de um modo geral, não me marcou. 



No entanto, não pensem que eu tenho só críticas. Para começar, eu amei a participação de personagens que já haviam aparecido em outras séries da autora. Em especial, adorei ver o Sebastian e a Evie. Eles proporcionaram os melhores diálogos do livro e eu realmente queria que tivessem aparecido ainda mais.
Outro ponto positivo é a ótima contextualização que a autora fez, mostrando como as mulheres tinham poucos direitos naquela época. É revoltante pensar que uma mulher, ao se casar, se tornava morta perante a lei. Tudo que ela tinha e todas as decisões sobre a vida dela iram automaticamente para o marido. A Lisa explorou muito bem essa questão no livro e, mais uma vez, trouxe um retrato muito bem feito da sociedade da época.
“– Não, se ‘segurança’ significar me tornar propriedade de alguém. Do modo como as coisas estão agora, tenho a liberdade de trabalhar e ser dona do que ganho. Mas se eu me casar com você, tudo o que tenho, incluindo minha empresa, se tornará imediatamente seu. Você teria total autoridade sobre mim. (...) Aos olhos da lei, marido e esposa são uma única pessoa... e essa pessoa é o marido. Não suporto essa ideia. Por isso não quero me casar nunca.”
Não posso deixar de mencionar também que ela já começou a inserir os personagens do próximo volume, Um estranho irresistível, e eu estou curiosíssima para vê-los. Há um mistério cercando um deles e eu já tenho algumas teorias. Agora, preciso ler e descobrir se elas estão corretas. Então, podem se preparar que em breve, vai sair resenha do quarto livro de Os Ravenels por aqui.
Como vocês já devem ter percebido, Um Acordo Pecaminoso ficou bem distante das minhas expectativas. Não foi um leitura ruim, mas, infelizmente, deixou a desejar. É um romance relativamente rápido de ler, mas que pecou um pouco na construção dos personagens e foi desenvolvido sem grandes emoções. Ainda assim, valeu à pena por proporcionar a oportunidade de rever personagens que eu já amava e conhecer um pouquinho mais dos próximos protagonistas.
E vocês, já leram Um acordo pecaminoso? Sei que, para muita gente, esse é o favorito da série e estou curiosa para saber a opinião de vocês.

17 comentários:

  1. Tenho que concordar com você em vários pontos, principalmente pelo fato de que Gabriel é filho de quem é, eu também criei expectativas altíssimas e não foi tudo isso, nunca consegui gostar de Pandora, muito mimada e forçante, até para ser egocêntrica tem seus limites.
    Já estou lendo o quarto livro e até que está OK, Estou bem ansiosa é para o quinto que é da irmá de Gabriel, sim, a viuvá lembra? Então estou ansiosa pois na série das estações do amor Evie e Sebastian são os meus favoritos.
    Amei a resenha, parabéns.

    Beijs

    ResponderExcluir
  2. Olá, Malu.

    É ótimo quando vamos lendo uma série e os personagens anteriores que gostamos vão aparecendo, é uma ótima forma de matar a saudade!
    Uma pena o romance ter sido tão morno, provavelmente eu também me irritaria com a personagem. Essa determinação em excesso e teimosia não daria para mim.

    ResponderExcluir
  3. Sou louca para conhecer a escrita da Lisa, então achei uma pena o romance ter sido tão morno e a determinação da protagonista tenha se tornado tão irritante. Mas fico animada em saber que mesmo com as ressalvas a leitura fluiu, pois eu quero ler e espero que seja a série toda.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Malu!
    Conheço Lisa Kleypas por nome e sei do quanto ela é amada pelos leitores, mas como não me interesso muito por romances, nunca fui atrás de um de seus livros para conferir. Lendo sua resenha, eu estava gostando muito da personalidade da Pandora como uma mulher forte e determinada em seus objetivos, mas é uma pena que essas ótimas características não foram bem abordadas para construir as interações entre o casal. Não penso em ler o livro, mas fico feliz em saber que pelo menos você ficou satisfeita com a aparição dos personagens secundários que já amava. Imagino que isso deve ser algo que agrade muito aos fãs da série. ótimo post! Beijos!

    Jéssica Martins
    castelodoimaginario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. oi, Malu. pra ser sincera eu não curto romances de epoca. já tinha ouvido falar da série mas não senti atração em ler... pena que a leitura desse ultimo volume não te agradou... é terrível quando a gente bota muita expectativa e acabamos nos frustrando com os personagens ou a maneira como o autor conduz a história...

    bjs...

    ResponderExcluir
  6. Oi, Malu!
    Nunca li nada da Lisa Kleypas, mas tenho curiosidade, por sempre ver comentários positivos sobre ela. Já li algumas resenhas sobre essa série, mas por enquanto não tenho me aventurado em trilogias...séries... por necessitarem de mais tempo de leitura. Gostei bastante da tua resenha, e espero que os próximos volumes te agradem mais, já que esse ficou um pouco abaixo de suas expectativas. Beijo

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Gosto de poucos romances de época mas achei interessante ela querer ser independente e não querer simplesmente casar e pronto. Sobre misturar personagens de outros lugares também é bem interessante.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  8. às vezes, preciso reler o livro para conseguir fazer a resenha, principalmente se passar mais de três meses da leitura. Já conheço o livro em questão e sempre vejo os apreciadores do gênero elogiando

    ResponderExcluir
  9. Olá eu não conheço as obras da autora, mais vejo muito elogias pelas redes, mesmo não sendo a obra que mais lhe agradou acredito que daria uma chance por ser uma leitura rápida e de um gênero que tanto ler mais, romance de época é uma das coisas que estão em minha listinha para este ano,beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu adorei a Pandora. Achei que ela é uma mocinha bem a frente do seu tempo, mas ainda assim Helen e Rhys são meus favoritos. Mas a Lisa tem uma escrita envolvente então fiquei satisfeita com essa leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  11. Ainda não li nada da escritora, mas depois de andar lendo somente resenhas positivas e motivadoras sobre a mesma, confesso que minha curiosidade está bem aguçada. Anotei a dica dessa obra, vai que consigo encaixá-la na minha lista desse mês.

    ResponderExcluir
  12. é curioso como construimos nossa relação com as obras que lemos né? você gosta muito da obra e criou expectativas tanto do enredo quanto dos personagens por causa dos livros anteiores e infelizmente nao supriu elas mas ainda sim conseguiu tirar bom proveito da leitura :)

    ResponderExcluir
  13. Eu só tenho lido resenhas, em sua maioria, positivas sobre este terceiro volume da série e por isso fiquei até surpresa por você considerá-lo tão morno, mas no fundo também fiquei feliz, pois se não dá para compará-lo com o Sebastian, então, eu terei motivos para gostar dele.rs É que eu detesto o Sebastian por conta do crime gravíssimo que ele cometeu no segundo livro da série As Quatro Estações do Amor (e nada no mundo me fará esquecer esse crime e esta traição) e fico feliz pelo filho ser tão diferente do pai. Ponto para o Gabriel.

    Acho que vou gostar muito tanto da Pandora, por sua independência, quanto do Gabriel por parecer um mocinho daqueles nos quais vale a pena apostar. Já estou ansiosa para ler esta série!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Eu adoro a escrita da Lisa e quero ler todos os seus livros. Por serem histórias bem conectadas, pretendo ler na ordem, então vou demorar um pouco para chegar nesse volume. Uma pena que o livro não supriu as suas expectativas.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura | Instagram

    ResponderExcluir
  15. Olá Malu, eu tenho bastante curiosidade de ler os livros da autora, pelos seus comentários o enredo tinha tudo para ser muito bom então é uma pena que a protagonista tenha tido algumas atitudes teimosas e imprudentes e o mocinho não tenha cativado tanto =/ Mesmo assim quero muito ler essa série e as demais da autora <3

    ResponderExcluir
  16. Oi!
    Romances de época são de provocar suspiros mas quando o nosso santo não bate com o dos mocinhos fica difícil mesmo a coisa fluir. Protagonistas teimosas,pra mim, são difíceis de engolir pois geralmente a teimosia delas é desnecessária e frustrante. Uma pena que ele não tenha atingido suas expectativas mas pelo o que pude entender a série de modo geral te agradou bastante e isso é bem legal.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Olá,
    Poxa, é tão ruim quando estamos cheias de expectativas e acabamos por nos recepcionar, mas adorei a sua resenha, principalmente a sua sinceridade!
    Não tive a oportunidade de ler nada da autora ainda, mas ela esta na minha lista

    Beijos

    ResponderExcluir