[Resenha] As três partes de Grace

24 de out. de 2019


Olá, pessoal! Como vocês estão? Hoje eu vim trazer uma resenha muito especial, porque vou falar de um livro que já ganhou me coração no momento em que chegou para mim. Estou falando de As três partes de Grace, da Robin Benway, que recebi na VIB – Very Important Book – do Grupo Editorial Record, junto com uma cartinha que me deixou emocionada e louca para começar a leitura.
O livro ainda não foi lançado, mas recebi uma prova para leitura antecipada e claro que ele tinha que furar a fila né? Então, chegou a hora de contar aqui o que achei dessa história e, quem sabe, dar para vocês alguns motivos para conferirem esse livro assim que ele for lançado.

Então, sem mais delongas, vamos à história de As três partes de Grace e o que eu achei dessa leitura. Será que ele me fez acabar com a caixa de lenços? Só conferindo a resenha para saber.

Autora: Robin Benway
Editora: Galera Record
Páginas: 322
Exemplar cedido pela editora para leitura antecipada
Onde comprar: Pré-venda na Amazon
Sinopse: “Grace acabou de ter uma filha. E a entregou para adoção. Não foi uma decisão fácil, já que a própria Grace é adotada. Como escolher uma família para sua bebê? Como ter certeza de que ela terá bons pais? Era de esperar que tudo isso fosse emoção suficiente na vida de uma adolescente, mas ela também acabou de descobrir que tem dois irmãos. Maya é a única integrante de cabelos escuros naquela família de ruivos. As fotos pela casa mostram como ela é diferente de seus pais e de sua irmã Lauren, filha biológica do casal. Quando a família começa a passar por problemas e tudo parece prestes a desmoronar, Maya não consegue parar de se perguntar se aquele é o seu lugar. Quem é sua família biológica? Onde está seu lar? Joaquin é o irmão mais velho. Ele nunca foi adotado. Chegou muito perto por muitas vezes, mas algo sempre acabava dando errado. Agora ele vive com uma boa família acolhedora, cheia de amor e vontade de adotá-lo, mas o garoto, prestes a completar dezoito anos, não sabe se deve mesmo acreditar que o destino está lhe dando chances de ser filho de alguém. Criar laços afetivos não é fácil quando se passou a vida inteira sendo abandonado. Mas talvez suas irmãs possam lhe ajudar a vencer essa barreira. Em vista por amor familiar, companheirismo e, no fim das contas, por não se sentir sozinho no mundo, Grace, Maya e Joaquin vão contar uns com os outros na procura pela mãe biológica. E por si próprios.”

No dia em que deveria estar no baile da escola com o namorado e as amigas, Grace estava no hospital dando a luz à filha que entregaria para adoção. A vida dela já havia começado a mudar quando descobriu que estava grávida. Seu então namorado e a família dele deixaram claro que não tinham a menor intenção de apoiá-la e, na escola, os colegas se voltaram contra ela.
Porém, nada poderia preparar Grace para o vazio que sentiu ao entregar sua bebê para outra família. Por causa disso, ela tentou encontrar a pessoa que poderia entender o que estava sentindo: a mãe biológica que a entregou para adoção quando ela nasceu. Mas, na busca por essa mãe, Grace acaba se surpreendendo ao descobrir dois irmãos que não sabia ter: Joaquin, o mais velho, e Maya, a caçula dos três.
Maya também foi adotada por uma boa família ao nascer. Ela vivia com os pais adotivos e a filha biológica deles, nascida pouco tempo depois que Maya foi adotada. Mas, mesmo tendo sido criada com muito amor, ela tinha dificuldade em se sentir parte da família e saber onde se encaixava. Já Joaquin não teve a sorte de encontrar um lar. Desde que foi levado para adoção, passou por vários lares temporários e se acostumou a ideia de que nunca seria adotado. Mesmo estando vivendo há dois anos com um casal que realmente se importa com ele e quer adotá-lo, Joaquin ainda não acredita que algum dia terá uma família.
Grace, Maya e Joaquin têm seus dramas e traumas individuais, mas também têm dores que só eles podem entender. E quando o caminho dos três finalmente se encontra, eles vão tentar entender onde realmente se encaixa. Um caminho que vai leva-los a descobrir muito mais do que esperavam.


Quando comecei a ler As três partes de Grace já estava me preparando para esgotar toda a água do meu corpo de tanto chorar. Felizmente, isso não aconteceu e eu permaneci bem plena ao longo da leitura, com poucas lágrimas derramadas. No entanto, isso não significa que essa não tenha sido um livro tocante. É quase impossível não se sensibilizar com essa história devido aos dramas tão profundos e reais que eles enfrentam.
Cada um dos três irmãos tem uma história sofrida e conflitos pessoais tão compreensíveis, mesmo para quem não viveu nada parecido, que é fácil se apegar e se emocionar com eles. Para mim, a história mais tocante foi a da Grace, até pelo tema que envolvia. Nunca tinha lido um livro que abordasse o tema adoção pela perspectiva de quem entrega o bebê e mexeu muito comigo ver o quanto foi difícil para Grace não apenas tomar essa decisão, mas lidar com ela depois. Além disso, ela ainda precisou enfrentar toda a hostilidade das pessoas que a julgaram por ter ficado grávida na adolescência, enquanto o pai do bebê seguia como se nada tivesse acontecido (porque, claro, a sociedade sempre dá um jeito de jogar a culpa na mulher né?).
Além dela, me encantei muito pelo Joaquin e pelo coração generoso dele. Dos três irmãos, ele é o que teve uma vida mais difícil e isso deixou marcas profundas nele. Por ter sido abandonado e rejeitado tantas vezes, Joaquin deixou de acreditar no seu próprio valor e na possibilidade de um dia ter um lar de verdade. Ele não se sentia digno do casal que queria adotá-lo e sequer da sua namorada. Mesmo sendo doloroso ver o quanto ele se depreciava e auto sabotava, mas também foi bonito ver a capacidade dele de amar outras pessoas e se importar com o próximo. Além disso, adorei acompanhar a evolução dele e seu caminho para superar os traumas do passado.



Dos três, eu confesso que a Maya foi quem menos me cativou e tive mais dificuldade de entender seus dramas. Em alguns momentos, achei seu comportamento bastante egoísta. Porém, aos poucos fui entendendo seus conflitos de identidade e a dificuldade que ela tinha de se sentir parte do lar onde cresceu. Mesmo não tendo me tocado como os outros dois fizeram, consegui entender essa personagem e torcer por ela.
E, além dos dramas individuais deles, foi lindo acompanhar a trajetória deles como irmãos. Três jovens que cresceram sem saber exatamente onde pertenciam e que, de repente, descobriam que tinham irmãos. Juntos, eles entraram em um caminho de autodescoberta, mas também foram aprendendo a alegria de ter alguém para apoiar e dividir os bons e os maus momentos. E, nesse sentido, foi lindo ver a relação entre eles se transformando de completos estranhos a irmãos.
Sempre gostei de livros que trazem dramas familiares, mas As três partes de Grace me surpreendeu ao trazer esse tema de maneira mais intensa e com questões muito tocantes. Além disso, a sensibilidade da autora tornou a leitura ainda mais encantadora. Por mais dolorosos que fossem os temas abordados, ela soube escrever de uma maneira delicada e sensível, deixando a leitura leve e fluída. Assim, não preciso nem dizer que esse é um livro capaz de despertar muitas emoções e que dificilmente algum leitor irá passar por essa leitura de maneira indiferente.
Não posso falar muito sobre a edição, porque recebi uma cópia antecipada e não revisada. Porém, preciso muito comentar sobre a capa que, além de linda, combinou completamente com a sensibilidade da história. Amei a escolha e tenho certeza que a edição final ficará linda.
O que me resta dizer é que As três partes de Grace não trouxe o tipo de emoção que eu esperava, mas foi um livro que me envolveu e encantou do começo ao fim. Foi uma leitura tocante tanto pelos personagens quanto pelas lições que a autora passou através de cada um deles. É um livro sobre adoção e família, mas também sobre perda, superação, perdão e recomeços, daqueles que conseguem acertar em cheio nosso coração e fazer refletir sobre a vida. Recomendo muito para quem busca uma leitura leve, mas sensível e profunda.

8 comentários:

  1. Oi, fiquei bem interessada em ler esse livro pelo seu post, gosto de histórias que falem sobre irmãos e o fato de esses três se reencontrarem me chama muito a atenção. Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Malu.
    Esse livro já está na minha lista de desejos e confesso que fique muito feliz em saber que o livro não foi tão emocionante quanto você imaginava! Eu gosto de um bom drama, mas nada muito intenso ou exagerado. Por isso me alegrei em saber que, fora uma lágrima ou outra, você permaneceu plena!! Rs... Me anima ainda mais a ler!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  3. Oi Malu!
    Já li uma resenha sobre esse livro, e realmente ele parece ser tocante e emocionante. já está anotado, e estou esperando o lançamento espero que não demore. Assim como você também gosto de ler dramas familiares, fico presa na história. Parabéns pela resenha, ansiosa por conferir a trama, bjs!

    ResponderExcluir
  4. Li esse livro recentemente e também adorei. O livro me emocionou, mas também não foi como eu esperava. A forma como a história foi conduzida, ao meu ver, foi uma mensagem de esperança, sabe? Gostei muito do enredo e principalmente dos personagens. Achei bem incrível!

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  5. Oi, Malu! Eu li sobre esse livro e achei a premissa bem interessante. Gostei da sua resenha, é bom ter uma expectativa mais realista quanto a uma leitura. O Joaquin foi o que me surpreendeu, achei que ele seria um garoto mais rebelde. rs Fiquei muito curiosa sobre ele.
    bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  6. Olá Malu,
    essa história é muito linda. A história desses personagens me tocou profundamente. Adorei acompanhar a aproximação deles, e admito que Joaquim me arrancou algumas lágrimas. Gostei tanto que até o momento, ele está no meu top 3 desse semestre.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  7. Olá!!!
    Uma pena que o livro não despertou as emoções que você desejava, mas pelo menos foi uma leitura boa.
    A capa realmente parece trazer uma sensibilidade e como você disse que transmite o que realmente o livro quer então acho que acertaram mesmo.
    Eu adorei a resenha e apesar das coisas apontadas quem sabe eu dou uma chance.

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. COmo eu quero ler esse livro, gosto muito de leitura com toda essa carga emocional e acho que vou me encantar com essa. Adorei a sua resenha e saber que o livro te agradou tanto assim

    ResponderExcluir