[Resenha] Eleanor & Grey

11 de nov. de 2020

 


Se tem uma coisa que eu tenho certeza sempre que vou começar algum livro da Brittainy C. Cherry é que, em algum momento, irei me emocionar. Não que os livros dela sempre sejam daqueles que me deixam arrasada e desidratada de tanto chorar. Mas a sensibilidade com que ela escreve sempre consegue me tocar e me deixar com os olhos cheios de lágrimas.

Mas, quando peguei Eleanor & Grey, eu achei que ele seria daqueles que me faria sofrer e acabar com todo o estoque de lenços aqui de casa. Lançado esse pela Editora Record esse semestre, o livro entrou para minha lista de desejados desde que foi anunciado. Com uma premissa muito interessante, eu já sabia que encontraria um romance lindo e comovente, que iria fazer eu me acabar de chorar.

Mas será que Eleanor & Grey foi exatamente o que eu esperava? Terminei a leitura hoje de manhã e decidi contar para vocês o que achei. Então, na resenha irei contar se essa leitura correspondeu ao que eu esperava. Mas, não se preocupem, que não tem spoilers da história. 



Autora: Brittainy C. Cherry

Editora: Record

Tradução: Thalita Uba

Páginas: 406

Onde comprar: Amazon

Exemplar recebido de parceria com a editora

Sinopse: “Eleanor é uma adolescente introvertida que prefere a companhia de seus amados livros – e cardigãs com libélulas – a interagir socialmente, sobretudo com os colegas da escola. Quando a prima a arrasta para uma festa, Ellie se surpreende ao ser abordada pelo astro do time de basquete; afinal de contas os dois não têm absolutamente nada em comum. Ou pelo menos era o que ela pensava. Com o tempo, a amizade entre eles surge de forma natural; uma ligação tão forte, tão intensa, que logo se transforma em outro sentimento. Algo que Ellie nunca havia experimentado. Mas aquele sonho se transforma em pesadelo de uma hora para outra. Uma terrível notícia faz o mundo de Eleanor desabar. A única coisa ainda de pé é Greyson, incansavelmente ao seu lado. Mas nem sempre a força do amor é o bastante para deter o curso da vida: Ellie e Grey se veem forçados a se separar. Anos mais tarde, Eleanor pensa ter deixado seu primeiro amor no passado, mas o caminho dos dois volta a se cruzar. Só que, dessa vez, quem precisa de ajuda é Greyson. O problema é que ele já não é mais o garoto doce de suas lembranças. Grey se tornou um homem frio, insensível, e o elo especial que um dia partilharam parece ter se rompido para sempre.”

 

Eleanor e Grey se conheceram quando ainda eram adolescentes e, à primeira vista, não poderiam ser mais diferentes. Ela é tímida e introspectiva, a garota que leva livros para festas. Já ele é sociável e popular, sempre interagindo com todos os grupos na escola. Mas com o tempo os dois percebem que eles se entendem como ninguém e daí surge uma linda amizade, que não demora a se transformar em algo mais.

Só que uma tragédia abala a vida de Ellie e faz com que ela sinta seu mundo desabar. Nesse momento, Grey se torna seu porto seguro e uma luz em meio ao período mais sombrio que ela já viveu. Só que as mudanças da vida acabam se tornando fortes demais até mesmo para aquele sentimento que os unia aguentar, e os dois acabam se afastando.

Anos depois, o caminho dos dois volta a se encontrar, mas em circunstâncias diferentes. Agora é Grey que teve seu mundo destruído e precisa desesperadamente de ajuda. Mas ele não é mais o menino gentil que Eleanor conheceu; se tornou um homem frio, amargo e distante, que esconde aquele menino bem fundo dentro de si. Será que aquele sentimento que os uniu anos antes poderia fazer com que Grey voltasse a ser o que era antes? No passado, ele havia impedido que Eleanor se afogasse na própria tristeza, agora seria a vez dela de ser o apoio dele. 



Ah como explicar o que senti lendo esse livro? A capacidade da Brittainy C. Cherry de tocar o leitor é tão grande que em todos os seus livros eu sempre sinto uma avalanche de emoções, e não foi diferente com Eleanor & Grey. Não demorou nada para ela conseguir me trazer um sorriso e logo depois me deixar com um nó na garganta.

Já fiquei envolvida na leitura logo nas primeiras páginas graças ao carisma dos personagens. Me identifiquei muito com a Eleanor, principalmente por seu jeito mais introspectivo e pelo amor a Harry Potter. Sim, temos uma personagem potterhead, que sofreu aguardando o lançamento de um novo livro e preferia ir para Hogwarts que para as festas da escola. Já o Grey é tão fofo, atencioso e cativante, que é simplesmente impossível não se apaixonar por ele.

A primeira parte do livro mostra como eles eram na adolescência e todo o relacionamento dos dois é muito linda. Sabe aquele romance doce e leve, que a gente tem vontade de guardar os personagens em um potinho? É exatamente assim. Só que há também muitos momentos difíceis. A tragédia que transforma a vida de Ellie é dolorosa de se acompanhar e me deixou com os olhos cheios de lágrima em muitos momentos.

Mas acredito que o grande mérito da Brittainy C. Cherry nessa primeira parte é conseguir equilibrar muito bem os momentos difíceis com aqueles mais leves e divertidos. Então, toda vez que Eleanor começa a se afundar na tristeza, vem o Grey com a sua alegria e gentileza trazer um conforto para ela e para o leitor. Isso fez com que a leitura não se tornasse excessivamente pesada ou dramática.

Já na segunda parte, encontramos os dois protagonistas mais maduros e diferentes do que vimos no início. Eleanor se tornou uma mulher mais confiante e sábia, apesar de muitas vezes ser meio atrapalhada e muito divertida também. Já o Grey teve uma mudança mais profunda. O menino fofo deu lugar a um homem sombrio, indiferente e muito amargo. Mas, muito mais do que isso, ele se tornou uma pessoa extremamente triste e sem esperança. Uma tragédia destruiu o seu mundo e fez com que ele ficasse à deriva.

 


Os dramas nessa parte são mais intensos e difíceis. O que aconteceu com Grey é doloroso e ver como ele e as pessoas à sua volta precisaram lidar com isso foi bem difícil. Mas novamente Brittainy C. Cherry conseguiu o equilíbrio perfeito e trouxe muitos momentos que vinham como um bálsamo para a alma, aliviando a tensão. A Eleanor foi responsável por boa parte desses momentos, com seu jeito carinhoso e meio atrapalhado. Além disso, os diálogos com a prima dela, a Shay, são simplesmente hilários e me trouxeram muitas risadas.

Mas há outros personagens que entrar e roubam a cena. Lorelai, uma garotinha de seis anos absolutamente adorável, foi a responsável por trazer altas doses de fofura para a segunda parte da história. Já a irmã mais velha dela teve um arco mais sofrido e alguns dos momentos mais difíceis do livro, mas também os mais bonitos. Além das duas, a Shay, prima da Eleanor, e o Landon, melhor amigo do Grey, são simplesmente incríveis e me deixaram ansiosas pelo livro deles (alô, Record, se for da sua vontade, essa leitora está pronta).

Com relação a trama, nas duas partes do livro, senti que a Brittainy soube construir bem a história e deixar o leitor envolvido. A primeira tem aquela inocência e leveza da adolescência que me cativaram bastante, e a autora soube construir cada momento para vermos os personagens se apaixonando e como as mudanças na vida dos dois afetaram suas vidas. Já a segunda parte, é mais intensa e dolorosa, mas é coerente com as mudanças na vida dos dois protagonistas. Além disso, Brittainy conseguiu fazer com que mesmo com a carga dramática sendo maior, os momentos de alegria e leveza ainda estivessem ali para confortar o leitor.

Outro ponto que gostei bastante do livro é que ele não se resume ao romance. A história da Ellie e do Grey é linda de se acompanhar, mas os assuntos abordados vão muito além disso. É um livro sobre família, perda, superação, perdão e esperança, e cada um desses temas foi abordado de forma cuidadosa pela autora, com momentos lindos e cheios de reflexões.

Diferente do que eu imaginava, Eleanor & Grey não fez eu me acabar de chorar. Mas não pensem que eu fiquei decepcionada com isso. Muito pelo contrário, eu fiquei positivamente surpresa com a forma como a Brittainy C. Cherry conseguiu despertar os mais diversos sentimentos e a profundidade com que as palavras dela me tocaram. Eu chorei de fato em poucos momentos, mas fiquei o livro inteiro com um nó na garganta e os olhos marejados pela tristeza de alguns momentos, pela beleza de outros e pela alegria daqueles que encheram meu coração de esperança. Assim como na vida, as lágrimas foram inevitáveis em alguns momentos dessa leitura, mas o que predominou não foi o peso da tristeza, e sim a emoção e a beleza da jornada desses personagens.


4 comentários:

  1. Olá,
    Costumo gostar de romances deste estilo, que são quase um drama. Sem contar que amo esse tipo de romance que faz a gente suspirar, como não gostar né? Dica anotada!

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? AH eu sempre sou suspeita para falar das histórias da Brittainy C. Cherry, porque ela sempre arrasa. Eu também não chorei muito nesse exemplar, porém amei demais as lições, a trajetória e todo o crescimento dos personagens. Ganhou um lugar especial no meu coração. Adorei a sua resenha de Eleanor&Grey <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Malu.

    Eu ainda não conheço a escrita da Brittainy C. Cherry, mas sempre que leio uma resenha dá vontade de ler um livro dela. Parece que vou emocionar com a história e o crescimento dos personagens. Vou adicionar este livro na lista de desejados. Obrigada pela dica.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Malu!
    Eu sempre vejo os leitores falando supre bem dos livros dessa autora, mas eu nunca me interessei muito pelas histórias, mesmo eu achando essa capa super bonita - e olha que eu não sou muito fã de pessoas em capas. No entanto, esse livro especificamente, cada vez mais, vem chamando a minha atenção, exatamente por ter essa mescla entre romance e drama (adoro um drama!).
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/2020/11/resenha-suicidas.html

    ResponderExcluir