quarta-feira, 13 de julho de 2016

[Dica da Malu] Uma chama entre as cinzas

Autora: Sabaa Tahir
Editora: Verus
Páginas: 432

Sinopse: Laia é uma escrava. Elias é um soldado. Nenhum dos dois é livre. No Império Marcial, a resposta para o desacato é a morte. Aqueles que não dão o próprio sangue pelo imperador arriscam perder as pessoas que amam e tudo que lhes é mais caro. É neste mundo brutal que Laia vive com os avós e o irmão mais velho. Eles não desafiam o Império, pois já viram o que acontece com quem se atreve a isso. Mas, quando o irmão de Laia é preso acusado de traição, ela é forçada a tomar uma atitude. Em troca da ajuda de rebeldes que prometem resgatar seu irmão, ela vai arriscar a própria vida para agir como espiã dentro da academia militar do Império. Ali, Laia conhece Elias, o melhor soldado da academia — e, secretamente, o mais relutante. O que Elias mais quer é se libertar da tirania que vem sendo treinado para aplicar. Logo ele e Laia percebem que a vida de ambos está interligada — e que suas escolhas podem mudar para sempre o destino do próprio Império.

Ao ler a sinopse de Uma chama entre as cinzas, muitas pessoas podem pensar que se trata de mais uma entre as inúmeras fantasias e distopias publicadas depois de Jogos Vorazes. Um governo totalitário, um povo oprimido e explorado, um grupo de rebeldes e protagonistas fortes... todos os elementos estão aí. Ainda assim, não posso dizer que esta seja apenas mais uma entre tantas histórias do gênero. Apesar de possuir elementos semelhantes, a autora conseguiu trabalhá-los de modo a criar uma trama original, envolvente e surpreendente.
O universo criado por Sabaa Tahir é, ao mesmo tempo, fantástico e cruel. O Império Marcial conseguiu, séculos antes, dominar os Eruditos, impedindo que seu conhecimento fosse disseminado. A violência e a opressão são as marcas desta sociedade; qualquer desobediência ou tentativa de se opor ao Império era punida com a morte. No entanto, em meio a tanto brutalidade, ainda há espaço para a magia e o sobrenatural, conferindo um certo mistério à trama.
Outro aspecto interessante é o fato da história ser contada pela perspectiva de dois narradores pertencentes a grupos diferentes dentro daquela sociedade, o que enrique ainda mais a visão que o leitor tem daquele universo. Através de Laia, entendemos melhor como era a vida dos eruditos e dos escravos e como o Império exercia seu domínio sobre eles. Já pela visão de Elias, é possível acompanhar a vida dos marciais, percebendo que eles não eram mais livres do que os eruditos. Assim, essas duas perspectivas contribuíram para tornar o universo retratado muito mais rico e complexo.

“Certo. Livres para nos apresentar ao trabalho como servos plenos do Império, após o que lideraremos homens para morrer nas intermináveis guerras de fronteira com Selvagens e Bárbaros. (...) Nós seremos livres, certamente. Livres para saudar o imperador. Livres para estuprar e matar.
Engraçado como isso não me parece liberdade.”

Com relação aos personagens, Laia e Elias foram o principal motivo de eu ter gostado tanto deste livro. Os dois são protagonistas que estão longe de serem perfeitos. Laia não é uma heroína altruísta e corajosa, disposta a se sacrificar por uma causa, assim como Elias não é o mocinho valente que procura fazer sempre o que é certo e proteger a mocinha. Os dois têm falhas, cometem erros, são egoístas em alguns momentos, além de terem medos e inseguranças. Isso, ao invés de ser um problema, se tornou uma grande virtude do livro. As fraquezas e defeitos de Laia e Elias fizeram com que eles se tornassem mais humanos e, consequentemente, mais complexos e interessantes. São personagens muito bem construídos, que evoluem ao longo da trama, conquistando a empatia e a admiração do leitor.
A história é extremamente envolvente também. A medida que os personagens e o universo foram apresentados, fui passando a me importar cada vez mais com o que iria acontecer a seguir. A trama é cheia de conspirações, criaturas sobrenaturais, surpresas e ação, conseguindo prender a atenção e envolver o leitor.

Fiquei realmente fascinada por este livro. Apesar da brutalidade do universo retratado, Sabaa Tahir demonstrou sensibilidade na construção dos personagens e da história. Ela elaborou uma trama envolvente e complexa, que me proporcionou vários questionamentos e quebras de estereótipos. Assim, recomendo muito Uma chama entre as cinzas para quem quer ler uma história forte, que vai além de uma boa fantasia, despertando questionamentos e reflexões. 

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Olha aí, eu me apaixonei por essa capa quando vi. Mas li e senti uma vibe Jogos Vorazes como você disse, e já estou saturada disso. Até porque fui ler uma dessas distopias "baseadas" em JV e foi terrível. Mas sua resenha me deixou muito curiosa, principalmente quando falou sobre os personagens serem mais humanos e de ser narrado por dois pontos de vista. Gostei muito mesmo. Não curto muito o lado fantasia/sobrenatural, mas parece válido tentar. É livro único??

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, confesso que também já estou um pouco cansada dessas distopias. Mas, os personagens me cativaram muito e gostei do jeito que a história foi desenvolvida. Essa parte de fantasia não é muitooo explorada, mas é interessante e ajuda na condução da história. Não é livro único, a continuação vai ser publicada nos EUA no final de agosto. Infelizmente, não sei quando chega no Brasil (espero que logo, hehe). Fico feliz que tenha gostado da resenha e tenha se interessado pelo livro. Se você resolver ler, depois comenta aqui o que achou. Beijos!!

      Excluir

Copyright © 2013 | Design e C�digo: Amanda Salinas | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal