domingo, 21 de agosto de 2016

[Dica da Malu] A rainha vermelha

Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 419

Para encerrar bem o final de semana, escolhi fazer uma resenha sobre uma leitura que concluí recentemente: A rainha vermelha, da Victoria Aveyard. Sempre ouvi comentários bastante divergentes em relação a esse livro; alguns, criticaram duramente as referências usadas pela autora; outros elogiaram a trama e as suas reviravoltas. Depois de ler, tenho que dizer que entendo ambas as visões.
O livro é uma distopia que se passa em um país chamado Norta. Nessa sociedade, as pessoas são divididas entre vermelhos e prateados: os vermelhos são as pessoas comuns, destinados ao trabalho e a lutar na guerra contra os países vizinhos; já os prateados são a elite, pessoas que vivem confortavelmente as custas dos vermelhos e que possuem habilidades especiais que os distinguem.
“Uma sociedade dividida pelo sangue. Um jogo definido pelo poder.”
Mare Barrow, a protagonista, é uma vermelha. Sem trabalhar em nenhum ofício, ela rouba o que pode para ajudar seus familiares. O seu destino seria servir no exército em poucos meses, quando completasse dezoito anos. No entanto, sua vida começa a mudar quando ela é convocada para trabalhar no palácio. Lá, ela descobre diante de toda a nobreza, que, apesar de ter sangue vermelho, ela também tem poderes especiais. Esse fato improvável precisava ser ocultado, então, o rei decide transformá-la em uma nobre prateada de uma Casa que todos julgavam extinta.
“Sou especial. Sou um acidente. Uma mentira. E minha vida depende simplesmente de sustentar a ilusão”. (p. 119)
Uma das críticas feitas ao livro é que as referências feitas a outras histórias são muito claras, o que levou muitas pessoas a acusarem Victoria Aveyard de não ter sido muito original. De fato, fica muito claro os elementos que ela retira de livros como “Jogos Vorazes”, “Divergente” e a “Seleção”. Confesso que, em alguns momentos me lembrei até mesmo dos filmes da franquia X-Men. Nesse sentido, entendo as críticas que muitos fizeram, pois isso acabou sendo um aspecto negativo. Claro que é comum autores se inspirarem em outras séries e livros, mas Victoria faz isso de uma maneira pouco sutil, deixando muitas vezes aquela sensação de “já vi isso antes”.
No entanto, a história de A rainha vermelha ainda é interessante e, por incrível que pareça, surpreendente. Os elementos que compõem a base da trama são os mesmos de outras distopias já citadas (governo totalitário, grupo de rebeldes, mocinha corajosa que vive tentando proteger aqueles que ama, disputa por um príncipe, revolução, etc), mas o modo como ela usa esses recursos no desenvolvimento da história é que tornam o livro interessante. Mesmo com os elementos já conhecidos, é impossível prever o rumo que a trama irá tomar e o que vai acontecer com os personagens.
A protagonista é outro acerto de Victoria Aveyard. Logo no início do livro, o leitor conhece as fragilidades e defeitos de Mare, fugindo do estereótipo de heroína perfeita. Ela é impulsiva, teimosa, tem um pouco de inveja da irmã por não ter nenhuma habilidade que lhe permitisse conseguir um emprego e escapar do exército, às vezes, é um pouco egoísta, e, claro, vive tomando decisões erradas. Mas, apesar da raiva que senti em alguns momentos, acabei admirando esta personagem. Ela é inteligente, dona de uma personalidade forte, é corajosa e, principalmente, tem a nobreza de reconhecer seus erros e se esforçar para corrigi-los.
Também gostei muito do universo apresentado na história. Sim, eu sei que outras distopias já abordaram governos totalitários onde a elite controla e explora o povo. No entanto, gostei muito do fato de que a autora oferece uma visão mais completa desses dois grupos da sociedade, que permite ao leitor perceber nuances que vão além da simples dicotomia opressor x oprimido. Quando Mare passa a viver como uma nobre, começa a descobrir novos aspectos sobre os prateados, o modo de vida deles, as divisões existentes até dentro da elite e, principalmente, que nem todos eles são iguais.
“Eu costumava pensar que existia apenas uma divisão: prateados e vermelhos, ricos e pobres, reis e escravos. Contudo, há muito mais entre esses dois extremos, coisas que não entendo, e estou bem no meio delas”.
Com relação aos personagens, gostei muito do modo como eles foram construídos. Como o livro é narrado pela perspectiva da Mare, fica complicado para que o leitor possa conhece-los a fundo. No entanto, isso contribuiu muito para deixar a narrativa mais misteriosa. O leitor vai conhecendo os personagens aos poucos, junto com a protagonista; e, assim como ela, é surpreendido em diversos momentos por eles.
“Todo mundo pode trair todo mundo”.
Outro ponto positivo deste livro é que o romance não ocupa o centro da história. Ao longo da trama, vemos Mare dividida entre alguns personagens, incluindo os dois príncipes, mas isso não é uma questão tratada com destaque. A principal preocupação da protagonista é garantir sua sobrevivência dentro daquele mundo de intrigas e conspirações, e seus sentimentos pelos rapazes ficam totalmente em segundo plano. O que não significa que não haja romance; tem momentos em que acontece e o leitor tem várias possibilidades de casais para torcer. Mas a autora soube dosar muito bem essas partes da história, não permitindo que a trama girasse em torno do conflito amoroso.
Destaco ainda o ritmo e o modo como a trama foi construída, que, para mim, foi a maior virtude do livro. A partir do momento que Mare é chamada para trabalhar no palácio, a história ganha um ritmo intenso, que torna impossível largar o livro. As intrigas e conspirações contribuem muito para o envolvimento com a história, pois deixam o leitor sem saber em quem confiar e o que esperar de cada personagem, estimulando a curiosidade. Além disso, o final conta com uma das reviravoltas mais surpreendentes e bem construídas que já li. Me senti totalmente sem chão, quase como se a autora estivesse me chamando de trouxa. E adorei, claro!
De modo geral, entendo quem criticou A rainha vermelha, pois não se trata da mais original das distopias. No entanto, essa história me ganhou pelo mundo apresentado, pelo ritmo eletrizante e pelo carisma dos personagens. Além disso, a reviravolta impressionante e o final do livro me conquistaram de vez. Acredito que Victoria Aveyard criou uma boa base para ser desenvolvida nos próximos livros, e não vejo a hora de ler Espada de Vidro para descobrir o rumo que ela escolheu para esta série.


Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2013 | Design e C�digo: Amanda Salinas | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal