Dia das Crianças - Personagens crianças marcantes

Hoje é Dia das Crianças e, mesmo que muitos de nós já tenhamos passado dessa fase da vida, não podia deixar essa data passar em branco aqui no blog. Pensando nisso, preparei um post especial falando sobre personagens crianças que todo mundo deveria conhecer. São personagens muito especiais, que cativam o leitor seja pelo carisma ou por seu modo simples e puro de ver a vida, e que fazem com que nosso lado criança se identifique com eles facilmente.
Na literatura, podemos encontrar vários exemplos de crianças que se destacaram em seus livros e obviamente não dava para colocar todos nesse post. Por esse motivo, escolhi seis que foram muito marcantes para mim, cada um à sua maneira, tanto quando eu era criança quanto depois de adulta. Então, sem mais enrolação, vamos às minhas escolhas:

Harry Potter
Eu sei que na cabeça de muitas pessoas ficou a imagem do Harry adolescente, principalmente por causa dos filmes, mas é impossível não lembrar dele criança ainda nos primeiros livros. Em A Pedra Filosofal, Harry é apenas um menino de 11 anos, que sofre com os maus tratos dos tios e do primo, mas que vê sua vida se transformar quando descobre que é um bruxo. Como esquecer o fascínio e a inocência do menino descobrindo aquele universo mágico? E como não se identificar com ele? Afinal, tenho certeza que muitos de vocês sentiram o mesmo ao ler essa história pela primeira vez.

Early, do livro Em algum lugar nas estrelas
Esse livro conta como protagonistas dois garotinhos de 13 anos, Jack e Early, ambos muito cativantes. Mas o Early é, provavelmente, um dos melhores personagens que já li na minha vida. A maneira sensível e pura que ele tem de enxergar a vida faz o leitor refletir sobre como nós, adultos, muitas vezes complicamos muito coisas que deveriam ser simples. Além disso, é um personagem surpreendentemente complexo, considerando sua pouca idade, que demonstra uma força e uma determinação impressionantes, mas também é frágil e desperta no leitor a vontade de colocá-lo no colo e não deixar que nada ruim aconteça a ele.

Sara, de A Princesinha
Eu só li esse livro quando já era adulta, mas o filme de 1994 ao qual ele deu origem marcou a minha infância. Afinal, quem foi criança na década de 1990 e nunca assistiu a princesinha na Sessão da Tarde? E o destaque, tanto no livro quanto no filme, é a protagonista: Sara Crewe. Ela é uma menina gentil e generosa, mas também é forte e com uma grande capacidade de sonhar. É impressionante ver como, mesmo passando pelas maiores adversidades, Sara não deixa de acreditar nos seus sonhos e tentar enfrentar seus problemas com criatividade, dignidade e esperança.

Liesel, de A menina que roubava livros
Esse é um dos meus livros favoritos da vida e, claro, que um dos motivos para isso é sua protagonista, a Liesel. Apesar de tão novinha, apenas 11 anos no começo do livro, ela é uma personagem tão forte e inteligente, que é impossível não ser cativado pela sua personalidade e pela força com que ela passa por situações difíceis como a perda do irmão, o afastamento da mãe e a necessidade de se adaptar a uma nova família. Além disso, como não querer abraça-la ao entender os horrores da guerra e da Alemanha nazista através da perspectiva sensível da menina? Trata-se de uma criança, mas muitos adultos poderiam aprender com as suas reflexões.

Kitty, de Para todos os garotos que já amei.
Nesse caso, a criança não é a personagem central da história, mas ela definitivamente rouba a cena. Kitty é a irmã caçula de Lara Jean, a protagonista da trilogia Para todos os garotos que já amei, mas rapidamente se tornou a minha personagem favorita. Ela tem um jeito para lá de sincero e, ao contrário da irmã que é bem dramática, encara a vida com uma praticidade que só as crianças conseguem. É uma personagem muito perspicaz, que apronta bastante na história e acaba conquistando o leitor com sua espontaneidade e seu jeito franco de dizer as coisas. 

Nemecsek, de Os meninos da rua Paulo
Esse é um livro que vocês raramente vão me ver falando sobre ele aqui no blog, porque eu chorei tanto quando li que nunca mais tive coragem de ler de novo (não que ele não seja bom, porque é um dos livros mais bonitos que já li na vida). No entanto, não podia deixar o Nemecsek de fora desse post, porque ele é um personagens extremamente carismático e apaixonante. Todos os meninos dessa história são especiais e cada um conquista o coração do leitor à sua maneira, mas você precisa ter uma pedra no lugar do coração para não se encantar com o Nemecsek. Ele é um personagem meigo, inocente e, principalmente, muito integro, e é impossível não ser sensibilizado pelo carisma e pelo caráter desse menininho.

Não preciso nem dizer que todos os livros nos quais esses personagens citados aparecem são mais do que recomendado. Todos eles foram leituras que me marcaram de alguma forma e garantiram um lugar especial no meu coração. Espero que vocês também possam se encantar e aprender com as crianças desses livros.
Desejo um feliz Dia das Crianças para todos vocês, afinal, mesmo depois de adultos, sempre mantemos um lado criança, não é mesmo? E quero saber quais personagens infantis vocês acham que todo mundo deve conhecer, me contem aí nos comentários.
E, se vocês quiserem presentear alguém com esses livros ou comprar para vocês mesmos, vou deixar o link de compra de todos eles aqui embaixo:

Harry Potter: Aqui
Em algum lugar nas estrelas: Aqui
A princesinha: Aqui
A little princess (inglês): Aqui
A menina que roubava livros: Aqui
Para todos os garotos que já amei (box): Aqui
Para todos os garotos que já amei (livro): Aqui
P.S: Ainda amo você: Aqui
Agora e para sempre, Lara Jean: Aqui

Os meninos da rua Paulo: Aqui

[Dica da Malu] A distância que nos separa

Sinopse: “Caymen Meyers aprendeu desde cedo a não confiar nos ricos. E, depois de anos observando-os, ela tem certeza de que eles são bons em apenas uma coisa: gastar dinheiro em inutilidades, como as bonecas de porcelana da loja de sua mãe. Assim, quando Xander Spence entra na loja, basta um único olhar para Caymen perceber que ele tem muita grana. Apesar de ele ser um fofo e entendê-la como ninguém, Caymen é esperta e sabe que o interesse de Xander não vai durar. Porque, se tem algo que ela aprendeu com a mãe, é que caras ricos vão inevitavelmente partir o seu coração. Mason, o cantor de rock tatuado — e classe média —, tem muito mais a ver com ela, certo? Então por que ela não consegue tirar Xander da cabeça?  Quando a amizade e a lealdade de Xander estão prestes a convencer Caymen de que ser rico não é uma falha de caráter, ela descobre que o dinheiro tem um papel muito maior no relacionamento dos dois do que ela poderia imaginar. Será que Caymen vai arriscar ter o coração partido para encontrar o seu verdadeiro amor?”
Autora: Kasie West / Editora: Verus / Páginas: 238 / Skoob / Compra: Amazon

Sabe aquele livro que você pega para ler sem pretensão nenhuma, só para passar o tempo em uma tarde preguiçosa e quando vê já terminou? Então, foi exatamente isso que aconteceu comigo ao ler A distância que nos separa, da autora Kasie West. O único contato que eu já tive com a escrita dela antes desse livro foi com Namorado de aluguel, que, apesar de ter sido uma leitura agradável, não me conquistou como eu esperava. Já esta segunda experiência foi muito melhor e me deixou com um quentinho no coração.
Nesse livro conhecemos Caymen Meyers, uma jovem de dezessete anos que é a filha exemplar. Ela sacrifica parte de seu tempo na escola para ajudar a mãe com sua loja de bonecas de porcelana e está disposta a adiar em um ou dois anos os planos de ir para a faculdade até que a Dolls and more comece a gerar lucro suficiente para que sua mãe possa pagar uma funcionária. No entanto, pelo modo como as coisas vão indo, isso não deve acontecer tão cedo.
Assim, Caymen leva uma vida sem grandes emoções, indo apenas da escola para a loja e contando com uma única amiga, Skye. No entanto, as coisas começam a mudar quando dois rapazes entram em sua vida: Xander Spence, um garoto rico que aparece na loja um dia para comprar uma boneca para a avó, e Mason, guitarrista da banda na qual o namorado de Skye toca. Racionalmente, Caymen sabe que Mason combinaria muito mais com ela do que Xander. Afinal, sua mãe sempre lhe ensinou a não confiar em pessoas ricas. O problema é que o coração nem sempre escuta a razão e Caymen se vê pensando muito mais em Xander do que em Mason.

“Sentimentos, minha querida, são a coisa mais valiosa o mundo. Um dia você vai aprender.”

Uma das coisas que me conquistaram a respeito desse livro é o modo como o romance é construído. Encontramos em Caymen e Xander duas pessoas com realidades aparentemente opostas, mas que aos poucos vão descobrindo que têm muito em comum. Os dois estão prestes a terminar o ensino médio e não fazem ideia do que querem fazer após a escola. Assim, eles sofrem com o peso das expectativas e responsabilidades que os pais colocaram neles, e lidam com as dúvidas, medos e inseguranças comuns nessa fase da vida.
Eles se aproximam, então, com o objetivo de se ajudarem a descobrir qual caminho seguir após a escola. Lógico que há um sentimento por trás disso e desde o começo fica claro que eles serão mais do que amigos. Mas a cumplicidade e o companheirismo que surgem entre Caymen e Xander tornam esse romance muito verdadeiro para o leitor. Não é um amor que surge do nada. Eles conversam muito, falam sobre suas dúvidas e seus medos e, o mais importante, um realmente escuta o que o outro tem a dizer.


No entanto, outra coisa que me conquistou nesse livro é que, ao contrário do que pode parecer a princípio, é que o romance não é o único foco. Acho que o ponto central da história é realmente esse peso que os jovens sentem ao se depararem com a responsabilidade de decidir qual rumo seguir após o fim do ensino médio. Não é fácil escolher uma profissão tendo apenas 17 anos e através da jornada de Caymen e Xander a autora mostrou isso de uma maneira muito real.
Outro ponto que gostei muito nesse livro é como a relação com a família é abordada, em especial a da Caymen com a mãe. Em alguns aspectos, eu me lembrei muito de Gilmore Girls enquanto lia esse livro. Não que a Cayden e sua mãe, Susan, sejam parecidas com a Lorelai e a Rory, mas acho que são dois casos em que a relação de mãe e filha é bem trabalhada, mostrando personagens que são muito unidas, mas que também têm seus conflitos.
Preciso destacar que, de um modo geral, gostei muito da construção dos personagens. A Caymen é uma personagem cativante, com um humor ácido incrível, mas que ela usa também como forma de disfarçar seus sentimentos. Já o Xander vai cativando o leitor aos poucos, à medida que Caymen passa a conhecê-lo melhor e enxergar além da aparência de menino rico e mimado. Além deles, há ainda outros personagens muito carismáticos, como a Skye, melhor amiga da Caymen, e o Henry, namorado dela.

“Xander pegou o ridículo da minha vida, o hidrante de incêndio da minha canção, e me fez perceber que ela pode ser algo mais, algo diferente.”

No entanto, o livro também tem alguns problemas. O que mais me incomodou foi o triângulo amoroso, que, para variar, achei bastante forçado. O Mason não acrescenta em nada na história e fica claro desde o início que ele não tem a menor chance com a Caymen. Não que o Mason seja um personagem ruim, porque ele é até divertido. Mas achei que não havia a menor necessidade de criar um triângulo entre eles.
Outro problema é que alguns assuntos não foram explorados como deveriam. Queria ter visto um pouco mais da relação do Xander com o pai, mas acabou sendo algo bastante superficial. Além disso, a questão do pai da Caymen ficou um tanto jogada e eu confesso que esperava que fosse um assunto mais trabalhado.
O final também me incomodou um pouco, por ter sido muito apressado. Gostaria que a autora dedicasse algumas páginas para desenvolver melhor esse desfecho e amarrar todas as pontas da história. Em especial as questões relacionadas a Susan, achei que foram resolvidas muito abruptamente e algumas tiveram uma solução vaga e pouco explicativa.


Destaco, no entanto, que os problemas não tornaram o livro menos encantador. Foi uma leitura deliciosa e fluida, graças à escrita leve da autora e ao carisma dos personagens. É daqueles livros que, apesar de não trazerem grandes reflexões ou abordarem temas importantes com profundidade, conquistam o leitor e deixam com um sorriso bobo ao final da leitura.
Com relação à edição, a Verus mais uma vez arrasou. Além da capa, que está maravilhosa, as páginas são amareladas e achei a fonte bonita também e com um ótimo tamanho para leitura.
Em resumo, A distância que nos separa é um livro simples, mas que conquista por seus personagens cativantes e verdadeiros. Apesar de voltado para o público adolescente, se mostra uma leitura agradável para adultos de todas as idades. Para quem procura algo leve e, ao mesmo tempo, apaixonante para ler, A distância que nos separa é uma excelente opção.
Quem já leu ou quer ler esse e outros romances da Kasie West, me conta aí nos comentários. Vou adorar conhecer a opinião de vocês. E, claro, para quem tiver interesse em adquirir os livros citados na resenha, vou deixar os links aqui embaixo:

A distância que nos separa: Aqui
Namorado de aluguel: Aqui
Outros livros da Kasie West: Aqui
Link geral da Amazon: Aqui

Lidos de Setembro

Aproveitando o finalzinho de domingo, resolvi contar para vocês quais foram as minhas leituras de setembro. Li menos do que no mês anterior, mas fiquei muito satisfeita com as leituras que consegui fazer; primeiro por ter gostado da maioria e segundo por ter concluído um livro que vinha arrastando há alguns meses.
No total, foram seis livros lidos e alguns deles já tem resenha aqui no blog. Então, não vou entrar em muitos detalhes sobre o que achei de cada um deles, pois alguns já foram resenhados e os outros serão em breve, basta ficar atento aqui no blog para saber minha opinião. No final do post, vou deixar o link para as resenhas que já publiquei aqui no blog bem como os links para compra na Amazon.

Casada até quarta, da Catherine Bybee


Um romance muito cativante e que me surpreendeu positivamente. A história é bom clichê, mas os personagens são muito carismáticos e a escrita da autora é tão gostosa, que eu acabei me apaixonando e espero continuar a série logo.

O príncipe corvo, da Elizabeth Hoyt.


Já estava curiosa para ler este livro há algum tempo, mas não esperava gostar tanto. Foi uma das melhores leituras do mês, com uma trama que foge dos clichês de romance de época e apresenta personagens cativantes e muito bem construídos. Não vou dizer mais nada, porque a resenha sairá em breve.

Victoria e o Patife, da Meg Cabot


Foi uma leitura com altos e baixos, com alguns aspectos da escrita da Meg me incomodando muito. No entanto, o carisma de alguns personagens acabou compensando os aspectos negativos e acabei gostando da leitura.

Os mistérios de sir. Richard, Julia Quinn.


Esse foi o livro que menos gostei do Quarteto Smythe-Smith, mas ainda foi uma leitura agradável. A resenha sobre ele vai demorar um pouco, porque estou devendo sobre os dois volumes anteriores, mas já adianto que, apesar do romance não ter me arrebatado quanto os outros, foi uma leitura gostosa.

Minha vida (não tão) perfeita, da Sophie Kinsella


Tem como não amar a Sophie Kinsella? Mais uma vez ela não me decepcionou e eu amei essa leitura. Adorei algumas reflexões muito atuais que a autora trouxe no livro e me identifiquei com alguns dilemas vividos pela protagonista. É uma leitura mais do que recomendada.

Trono de Vidro 3 – Herdeira do Fogo, da Sarah J. Maas


O responsável por eu não ter conseguido ler tanto esse mês. Eu amo essa série e estava com muita expectativa para ler esse livro, mas foi um pouco frustrante. Alguns personagens me decepcionaram e a leitura foi tão arrastada que achei que não conseguiria terminar. Mas, a boa notícia é que já comecei a lera continuação e estou amando.

Essas foram minhas leituras do mês de setembro. Algumas foram melhores do que outras, mas, no geral, considerei muito produtivo. E vocês, o que leram mês passado? Me contem aí nos comentários. E não deixem de conferir as resenhas que já disponibilizei e, caso tenham se interessado por algum desses livros, deixei os links para Amazon (comprando por eles, vocês ajudam muito o Dicas de Malu).

Casada até quarta – Amazon
O príncipe corvo – Amazon
Victoria e o Patife – Resenha / Amazon
Os mistérios de sir Richard – Amazon
Minha vida (não tão) perfeita – Resenha / Amazon

Trono de Vidro 3: Herdeira do Fogo – Resenha / Amazon
Link geral da Amazon: Aqui 

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.