[Resenha] Uma proposta e nada mais

24 de mai de 2018

 Autora: Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Onde comprar: Amazon
Sinopse: “Após ter tido sua cota de sofrimentos na vida, a jovem viúva Gwendoline, lady Muir, estava mais que satisfeita com sua rotina tranquila, e sempre resistiu a se casar novamente. Agora, porém, passou a se sentir solitária e inquieta, e considera a ideia de arranjar um marido calmo, refinado e que não espere muito dela. Ao conhecer Hugo Emes, o lorde Trentham, logo vê que ele não é nada disso. Grosseirão e carrancudo, Hugo é um cavalheiro apenas no nome: ganhou seu título em reconhecimento a feitos na guerra. Após a morte do pai, um rico negociante, ele se vê responsável pelo bem-estar da madrasta e da meia-irmã, e decide arranjar uma esposa para tornar essa nova fase menos penosa.Hugo a princípio não quer cortejar Gwen, pois a julga uma típica aristocrata mimada. Mas logo se torna incapaz de resistir a seu jeito inocente e sincero, sua risada contagiante, seu rosto adorável. Ela, por sua vez, começa a experimentar com ele sensações que jamais imaginava sentir novamente. E a cada beijo e cada carícia, Hugo a conquista mais – com seu desejo, seu amor e a promessa de fazê-la feliz para sempre.”

Olá, leitores e leitoras! Vocês que acompanham o blog sabem que eu tenho me rendido cada dia mais aos romances de época. E, quando se trata desses livros, a editora Arqueiro é uma especialista no assunto. Por esse motivo, sempre fico curiosa para conferir os livros do gênero publicados por ela e não foi diferente com Uma proposta e nada mais, da Mary Balogh, que foi lançado no Brasil esse ano.
Primeiro volume da série O Clube dos Sobreviventes, este livro contará história de Gwendoline, a jovem viúva de um lorde inglês, que passou sete anos após a morte de seu marido sem planejar se casar novamente. No entanto, depois de tanto tempo sozinha, ela começa a cogitar encontrar um marido calmo, gentil, com quem possa ter uma vida tranquila e agradável, diferente de seu primeiro casamento.
No entanto, em um dia de caminhada onde se sente especialmente sozinha, Gwendoine sofre um acidente e é resgatada por Hugo Ernes, lorde de Trentham, um cavalheiro que não poderia estar mais distante do marido que ela imaginava. Tendo recebido o seu título por conquistas que teve em batalha, Hugo não é um nobre de nascença e nunca procurou ser um cavalheiro. Sempre carrancudo e com maneiras muito grosseiras, ele deseja encontrar uma esposa para ajudá-lo com sua irmã e atender o desejo de seu pai que queria que ele se casasse e deixasse os negócios da família para seu futuro filho.
“– Que diabo tenho que fazer? Não sei nada sobre fazer a corte. Ela sorriu, divertindo-se pela primeira vez em muito tempo. – Tem mais de 30 anos. Já era hora de ter aprendido.”
Como ambos estavam considerando a possibilidade de casar, seria de se imaginar que veriam um no outro uma possibilidade. Porém, tudo que Hugo não quer é se casar com uma aristocrata. Ele quer uma esposa de seu próprio meio, que possa aceitar sua família e uma vida mais tranquila, sem a agitação da alta sociedade. Por ouro lado, Gwen deseja um cavalheiro gentil e tranquilo, tudo o que Hugo está longe de ser. Mas e se, contrariando o bom senso de ambos, uma inesperada atração surgisse entre ele. Será que seriam estariam dispostos a superar as diferenças entre seus mundos para encontrar uma possibilidade de felicidade juntos?


A primeira coisa que preciso dizer sobre esse livro é que, por mais que a sinopse não deixe isso claro, esse não é um romance de época igual a muitos que vemos por aí. E, o principal motivo para isso são os próprios protagonistas. São dois personagens densos, cheios de traumas e marcas da vida que os tornam muito mais reais. Aliás, ambos foram construídos de uma forma que foge bastante dos padrões de romances de época.
Tanto a Gwen quanto o Hugo são personagens mais maduros do que estamos acostumados a ver nesses livros, não só por sua idade (os dois já têm mais que 30 anos), mas por um passado difícil que acabou moldando a personalidade deles. Além disso, é interessante ver como cada um deles lida com seus demônios e a forma como a autora deixa claro que, mesmo com o tempo, eles ainda tinham muito que superar.
Assim, vemos em Gwen uma mulher que tem marcas físicas e emocionais de seu passado, mas que aparenta ter lidado bem com isso e se mantido otimista. No entanto, ao longo do livro, é possível perceber que o sofrimento que ela carregava ainda era grande demais. Assim, é interessante vê-la aprendendo a olhar para si mesma e encarando seus traumas para poder seguir em frente de verdade. Além disso, mesmo quando se sente mais frágil e solitária, Gwen não deixa de se mostrar uma mulher forte, determinada e que vai em busca de sua felicidade.

“– Mas e a solidão? Por quanto tempo ficaria à espreita, esperando o momento certo para o ataque? Sua vida era mesmo tão vazia quanto parecia naquele momento? Tão vazia quanto aquela praia vasta e inóspita?”


E o que dizer do Hugo, que com seu jeito grosseiro e emburrado esconde um coração gentil e marcado pela guerra e pela culpa? A postura rígida e pouco cavalheiresca de Hugo se deve tanto aos arrependimentos que tem quanto às memórias dos horrores que viu e fez na guerra. Ele ainda é assombrado pela culpa e pelo senso de responsabilidade, o que acabou se refletindo em sua personalidade e no modo como ele se enxerga e às pessoas a sua volta. Assim, apesar de querer bater nele por sua insistência em não querer se envolver com alguém da aristocracia, eu tinha vontade de colocá-lo no colo quando pensava em tudo que ele passou.
“Ele tinha um título. Era rico. Porém trabalhava na fazenda e cultivava a própria horta. Porque gostava. E também porque oferecia alguma redenção pelo fato de ter passado anos na guerra matando e permitindo que os próprios homens fossem mortos. Não era o ex-oficial endurecido e frio que ela imaginara quando se conheceram. Ele era... um homem.”
No entanto, preciso confessar que, por mais que tenha amado os dois protagonistas, o romance demorou a me convencer. Eu gostava muito dos diálogos entre Gwen e Hugo, porque eram conversas maduras e que refletiam todo o peso que esses personagens carregavam na alma. Mas parecia que não havia química entre eles e as primeiras cenas mais sensuais acabaram não me convencendo. Porém, apesar de demorar, eu acabei acreditando e torcendo por eles; com a convivência e a forma como ambos foram se ajudando a lidar com seus traumas, o sentimento entre eles foi se tornando mais concreto e real.
Por outro lado, fui rapidamente conquistada pelos amigos de Hugo. Ele faz parte de um grupo composto por outros cinco homens e uma mulher que, de maneiras diferentes, tiveram suas vidas transformadas pela guerra, o Clube dos Sobreviventes que dá origem ao nome da série. À primeira vista, eles têm pouco em comum e apresentam personalidades muito diferentes, mas foram unidos pela dor e se ajudaram nos momentos mais difíceis de suas vidas, formando um vínculo muito bonito de acompanhar. – Sofremos neste lugar – explicou ele.
“– Nós nos curamos neste lugar. Desnudamos nossas almas uns para os outros. Deixar esta casa foi uma das coisas mais difíceis que já fizemos. Mas era necessário para que nossas vidas voltassem a fazer sentido. Uma vez por ano, porém, voltamos para recuperar nossa integridade ou para nos fortalecermos com a ideia de que estamos inteiros.”

Com relação à trama, ela se desenvolve de forma mais lenta do que costuma acontecer em romances de época, mas isso não é algo ruim. Este é um livro que foca mais no desenvolvimento dos personagens do que no romance, permitindo que o leitor vá descobrindo suas camadas aos poucos. A leitura flui bem e se torna envolvente pelos diálogos inteligentes e pelo carisma dos protagonistas.



A escrita de Mary Balogh é leve e eficiente. Gostei do ritmo que ela imprimiu na trama e o modo como ela consegue apresentar a sociedade e os costumes da época, sem exagerar nas descrições. Além disso, ela conseguiu dar profundidade aos seus personagens, até mesmo os secundários, e trazer reflexões a partir das situações vividas por eles.
Não posso deixar de falar também da edição, que está incrível. Achei a capa linda e com um tom mais sobreo, que combina com a história. Além disso, como sempre a Arqueiro adotou páginas amareladas e um bom tamanho de fonte e espaçamento, que deixam a leitura mais confortável. E, com relação à revisão, está impecável.
Deste modo, Uma proposta e nada mais é um romance de época diferente da maioria dos livros do gênero, mas que não deixa de ser uma leitura leve e envolvente. Com personagens mais complexos do que eu esperava, me encantei pela jornada pessoal deles ainda mais do que pelo romance. Assim, terminei a leitura apaixonada pelo casal principal, mas tocada pelas reflexões que encontrei. Recomendo para todos que adoram o gênero, mas que estejam procurando uma leitura diferente e mais madura.

35 comentários:

  1. Eu estou muito curiosa com esse livro e gostei de ver a sua resenha sobre ele. geralmente os livros que demoram um pouco para o romance principal me convencer acabam me cansando, mas eu acredito que esse vai ser uma ótima leitura para mim.

    ResponderExcluir
  2. Tudo bem?
    Tenho visto muitas resenhas e comentários positivos sobre esse livro e mesmo não sendo algo que eu escolheria para ler em uma livraria, acabei ficando bastante curiosa.
    Como todos sabem.. Eu não sou muito de históricos, romances.. Mas as vezes eu curto.
    Os elogios que você tece à leitura e edição, apenas me faz ficar ainda mais ansiosa por ler.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  3. Olá! Adorei a dica assim que soube que se trata de um romance de época, não nego, mas conforme fui conhecendo a trama, fiquei com ainda mais vontade de conhecer a história e me aventurar nessa época e nessa história. Espero ter a chance de conhecer em breve, pois já anotei a dica!
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. que resenha maravilhosa!! Já vai entrar para minha listinha de leituras.
    http://escreverdayse.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Engraçado, li recentemente uma resenha a respeito desse livro e tive um certo deja vu '-'
    Mas, enfim, sua resenha ficou bem explicativa, achei a capa desse livro muito bonita e apesar das personagens terem todo um background e serem mais maduras etc, não fiquei instigada a lê-lo porque não gosto mesmo de romance de época, acho todos tão parecidos e sempre com foco em um relacionamento amoroso e isso para mim é muito enfadonho. Mais uma vez, sua resenha ficou legal, com certeza, quem gosta do gênero vai adorar o livro, mas eu passo a dica. =/

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Embora eu goste demais da Arqueiro e já li muito romances de época . Eu concordo o comentário da Andreia , eu acho que de tanto ler tudo ficou muito previsível e no momento estou buscando leituras que nunca fiz, passeando por outros gêneros. rs
    Parabéns pela resenha. Bjs

    ResponderExcluir
  7. Oi.
    No momento estou lendo a série Os Bedwyns da autora e estou apaixonada. Adora a forma que ela consegue escrever um romance de época leve e gosto, ao mesmo tempo que suscita reflexões, bem o que você mencionou durante a resenha.
    Amei a proposta dessa nova série, com protagonistas afetados pela guerra, com certeza pretendo ler assim que finalizar a que estou lendo.
    Adorei a resenha
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Eu não sou apreciadora do gênero, acho até interessante para o público jovem, tanto que às vezes recomento para alguns alunos que estão na casa dos 20, mas é o tipo de leitura que infelizmente não me apetece.

    ResponderExcluir
  9. Malu, achei duas coisas sobre esse livro muito legais. Primeiro, a própria questão dos protagonistas mais maduros e com mais história de vida, tendo que lidar com cicatrizes físicas e emocionais para seguir em frente. Segundo, a existência desse Clube dos Sobreviventes. Mas infelizmente não curto muito o gênero pela presença de cenas sensuais nos enredos e, por mais que esse livro seja diferente e tenha me parecido bem mais interessante, por enquanto não vou ler.

    ResponderExcluir
  10. Adoro romances de época, li vários da Mary Balogh, já estava de olho nesse, e depois de sua resenha, vou já procurar, gosto muito de histórias com personagens mais maduros, pois sai um pouco do lugar comum, geralmente nos livros principalmente de época os personagens são bem mais novos. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Olá! Gosto muito de romances de época e estou muito ansiosa para ler esse livro, apesar de não ter gostado da capa eu adoro a autora e sei que vale muito a pena. Me encantei com a autora em Os Bedwyns e já falaram que esse não fica para trás. Obrigada pela resenha!


    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
  12. Também me rendi aos romances de época, mas li bem menos do que gostaria e esse está na minha lista de desejos desde que lançou. Adoraria acompanhar o desenrolar do romance entre personagens tão densos como Gwen e Hugo e descobrir como vão vencer essas diferenças. Apostando na eficiência da escrita da autora eu reforço o meu desejo de leitura e espero fazer isso muito em breve.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. O livro traz diferenciais que só deixaram ele melhor. Gwen e Hugo são fortes e merecem ser felizes, foi uma leitura muito boa.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  14. Olá, ótima a sua resenha. Amo romances de época e esse é um que quero muito ler. Achei super interessante o fato de termos protagonistas já na casa dos trinta anos.

    ResponderExcluir
  15. Oi, Malu.
    Já tive a oportunidade de ler esse livro e gostei muito da história!
    Achei interessante o fato de os protagonistas serem um pouco mais velhos e mais maduros.
    Diferente de você, o romance deles já me ganhou logo de cara. Ver o carrancudo Hugo se derreter foi bem divertido!! Rs...
    Estou super animada pelas próximas histórias!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  16. Olá
    Eu vi esse livro no catalogo da editora Arqueiro não faz muito tempo, porem eu não tenho muita vontade de ler esse livro, apesar de você dizer que não é um Romance de Época como os outros por ai rsrs! Achei essa capa muito linda. Até mais vê
    bjs

    ResponderExcluir
  17. Oi, Malu!
    Estou lendo esse livro atualmente e confesso que a leitura está fluindo mais lentamente do que o normal. Acho que é porque os personagens são diferentes do que estou acostumada, eles são mais maduros e o romance tende a ser mais sério, em vez de um romance de época mais leve. Continuo gostando da história e também amei os demais personagens, fiquei mais animada em ler os demais livros. rsrs
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  18. Olá! Tudo bom?

    Eu já tinha lido esse livro anteriormente e confesso que amei demais o livro, foi o meu primeiro livro da autora e fiquei bem satisfeita, porém confesso que tenho mais curiosidade pelas histórias dos outros personagens. Concordo com você que o romance demorou a convencer, mas os diálogos são de fato muito bons, acredito que foi um dos melhores pontos da obra. Fico feliz que no fim de tudo gostou da obra ♥

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Oiiiii tudo bem??

    Como não sou muito fã de livros de época acabo me apegando pela capa. E esse livro não me interessa pela capa, então fui ler sua resenha, e sim, preciso ler o danado.
    Apesar da história ser um pouco comum, a busca por um marido, me deu a impressão de ter um q a mais na história e fiquei realmente interessada.
    Adorei a resenha.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  20. Oi Maluzinha, eu tenho namorado esse livro tem um tempao, justamente por possuirem personagens que fogem desse esteriótipo de romance de época, a história nao é só florzinhas, tem muito sofrimento também, acho que é uma leitura bastante válidas. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  21. Acho a capa dele lindíssima, ultimamente não tenho lido romances de época porque fiquei um pouco saturada do gênero, mas quando eu voltar, quero conferir esse!
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  22. Olá!
    Essa história é apaixonante. Gwen e Hugo me encantaram com suas diferenças e suas entregas. Estou curiosa com os próximos volumes do Clube dos sobreviventes e quero conhecer mais dos personagens que integram esse time.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  23. Olá, tudo bem?

    Eu ainda não tive oportunidade de ler esse livro. Mas o que tá salvando são as resenhas e opiniões. Estão sendo todas positivas. Mas essa capa, achei feinha. As vezes tenho o costume de comprar livros pela capa e se não fosse as resenhas e a sinopse, perderia uma grande história.


    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Olá,

    Sempre tive curiosidade em ler algo da Mary B, só que é aquela velhas história de não ter tempo para ler tudo o que se deseja, infelizmente. Vi nesse lançamento a oportunidade de finalmente matar a curiosidade, mas quem disse que consegui um tempinho :// Sua resenha me deixou ainda mais fascinada por essa premissa e doida querendo ler pra ontem.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Olá,

    vi este livro nos lançamentos da Arqueiro a algum tempo, mas como ainda não me rendi aos romances de época e é uma série de livros, deixei passar. Mas fico feliz em saber que é uma história diferente das outras e com personagens maduros, parece que falta muito disso ainda na literatura atual, não é? No mais, adorei sua resenha, você expressou muito bem o que achou do livro e sobre sua história mantendo a curiosidade de conhecê-la mais.

    http://anneandcia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  26. Olá Malu,
    Sou apaixonada por romances de época e tenho muita vontade de ler esse livro, pois vi muitas pessoas elogiarem a densidade e traumas dos personagens. É uma pena, no encanto, que você tenha demorado a ser convencida pelo romance.
    Acho que vou curtir muito essa leitura e vou anotar a dica, sem dúvidas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  27. Olá
    Acho a capa desse livro uma maravilha e até agora só tenho lido resenhas positivas. Acho muito boa a premissa e fiquei mais feliz ainda por saber que e muito mais que um simples romance de época. As vezes em romance de época é meio demorado o romance, mas quando engata é de uma vez só. E uma premissa um pouco clichê, mas que romance não é, ne? Espero poder fazer a leitura do livro e poder conhecer um pouco mais sobre esse casal!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  28. Olá, tudo bom?
    Poxa, uma pena que o casal demorou um pouco mais a te convencer =/ Confesso que curti muito a leitura desde o início, mas já conhecia a protagonista deste livro de um outro livro que antecede ele, isso pode ter influenciado rs
    De fato este não é um romance de época tão parecido com os outros que costumamos encontrar, mas confesso que amei esse desenvolvimento com personagens mais maduros e marcados pela vida.
    Adorei sua resenha e as fotos ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Oi, tudo bem?
    Que fotos lindas, adorei, rs.
    Eu li esses dias, postei até a resenha semana passada e posso dizer que é mais um livro da Mary Balogh que eu amei muito. Gostei do Hugo e da Gwen, torci por eles e estou ansiosa pelos próximos livros. Foi muito gostoso de ler! Beijos

    ResponderExcluir
  30. Menina, pois foi exatamente essa demora para o romance deles engrenar que me conquistou, pois foi muito mais real e condizente com a maturidade deles. Tudo foi sendo construído aos poucos e amei isso! Adorei tudo, mw deliciei com cada pedacinho dessa história!

    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Olá,
    Gosto de romances históricos, mas essa questão de mocinhos frustrados e desconto isso nos outros, acaba me afastando de leituras. Não fui muito com a cara deste protagonista por isso nem vou me arriscar na leitura, para ao acabar tendo raiva.

    ResponderExcluir
  32. Oiee Malu ^^
    Já vi que vou adorar acompanhar a superação e o amadurecimento da Gwen! Eu sempre leio resenhas desse livro ou dos outros - as capas são parecidas...haha' - mas ainda não li nenhum romance de época mais maduro assim, fico mais nos livros da Julia Quinn, que pendem mais pro lado fofo da coisa. Preciso ler mais livros cujo desenvolvimento não é superficial ou rápido demais, às vezes faz falta uma trama mais complexa e personagens mais profundos.
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  33. Olá, tudo bem?

    Eu não curto muito de romances de época, curto mais ficção histórica, contudo eu já li algumas resenhas dos livros da Mary Balogh e parece ser de fato boas leituras. Infelizmente no momento não pretendo me arriscar nesse livro. Parabéns pela resenha, gostei das suas impressões!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  34. Tenho lido bastante resenhas de romances de época e não sei se me rendo ou não. Gostei demais da sua resenha, da forma como escreve e não dá spoiler dos pontos críticos.

    ResponderExcluir
  35. Oii.
    Comprei esse livro assim que foi lançado, mas ainda não li. A correria da vida de blogueira, faculdade e trabalho acaba deixando pouquíssimo tempo para me dedicar as leituras. Quero muito ler essa belezinha.
    Bjs Mary <3

    ResponderExcluir