[Resenha] Os sete maridos de Evelyn Hugo


Oi, pessoal! Tudo bem com vocês? Para começar o final de semana bem, hoje eu vim falar sobre uma das minhas leituras mais recentes e que foi o livro mais comentado de 2019: Os sete maridos de Evelyn Hugo, da Taylor Jenkins Reid. Ele esteve presente em praticamente todas as listas de favoritos de 2019 que eu vi no ano passado e chegou meu momento de descobrir o motivo de tanto sucesso.
Para quem não sabe, Taylor Jenkins Reid é a mesma autora de Daisy Jones and The Six, que também foi muito comentado ano passado e foi uma das minhas leituras favoritas de 2020, até aqui. Aliás, ainda não postei resenha de Daisy Jones aqui, mas já tem lá no instagram (aqui).
Mas sobre Os sete maridos de Evelyn Hugo, com tantos comentários positivos e tendo gostado tanto de outro livro da autora, não preciso nem dizer que minhas expectativas estavam altas né? Então, chegou meu momento de contar para vocês se as expectativas foram atendidas.


Autora: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Tradução: Alexandre Boide
Páginas: 360
Comprar: Amazon
Sinopse: “Com todo o esplendor que só a Hollywood do século passado pode oferecer, esta é uma narrativa inesquecível sobre os sacrifícios que fazemos por amor, o perigo dos segredos e o preço da fama. Lendária estrela de Hollywood, Evelyn Hugo sempre esteve sob os holofotes ― seja estrelando uma produção vencedora do Oscar, protagonizando algum escândalo ou aparecendo com um novo marido… pela sétima vez. Agora, prestes a completar oitenta anos e reclusa em seu apartamento no Upper East Side, a famigerada atriz decide contar a própria história ― ou sua “verdadeira história” ―, mas com uma condição: que Monique Grant, jornalista iniciante e até então desconhecida, seja a entrevistadora. Ao embarcar nessa misteriosa empreitada, a jovem repórter começa a se dar conta de que nada é por acaso ― e que suas trajetórias podem estar profunda e irreversivelmente conectadas.

Monique Grant é uma jornalista iniciante que sonha em ter uma boa oportunidade para subir na carreira, enquanto tenta lidar com o fracasso do seu casamento que caminha para um divórcio. E essa grande oportunidade chega de repente. Evelyn Hugo, que já foi a queridinha de Hollywood, decidiu dar sua primeira entrevista em anos e exigiu que esta fosse feita por Monique.
Porém, o que parecia ser uma simples entrevista se mostrou uma oportunidade muito melhor. O que Evelyn realmente desejava era que Monique escrevesse sua biografia, contanto toda a verdade sobre sua vida. Assim, ela estava a disposta a falar sobre sua trajetória no cinema, seus sucessos e fracassos, seus erros, seus sete casamentos e, até mesmo, revelar quem foi seu grande amor. Ela contaria absolutamente tudo e caberia a Monique escrever a verdade.
Mas por que escolher uma jornalista desconhecida para algo tão importante? Isso, Evelyn só contaria quando terminasse de contar sua história. E que história! Não faltaram emoções na vida dessa estrela que abalou Hollywood.



Que livro, gente, que livro! Eu poderia resumir essa resenha apenas com “Evelyn Hugo é tudo para mim. Leiam esse hino. Fim”. Porém, vou falar exatamente o que achei dessa leitura, pois não faltam aspectos a serem comentados. Mas, não se preocupem que essa resenha é livre de spoilers.
Um dos aspectos que me deixaram mais curiosa para ler Os sete maridos de Evelyn Hugo é o fato da protagonista ser uma estrela de cinema. E a autora foi impecável nesse sentido. Apesar de Evelyn Hugo ser uma personagem fictícia, é possível perceber na história que a autora fez um ótimo trabalho de pesquisa para retratar o que ficou conhecido como a Era de Ouro do cinema.
Assim, durante boa parte do livro, temos como pano de fundo a Hollywood dos anos 1950, 1960 e 1970 e essa contextualização foi muito real. A autora aborda o glamour das estreias e das premiações, mas também as disputas entre estúdios, a rivalidade entre as atrizes, as puxadas de tapete e, principalmente, a forma como as mulheres eram tratadas, sendo sempre julgadas e rotuladas. E, para quem é apaixonado por cinema, é impossível não ficar fascinado com isso.

“Eu estava sendo preparada para ser duas coisas opostas, uma figura complicada, difícil de dissecar, mas fácil de gostar. Era para ser ingênua e erótica ao mesmo tempo. Como se eu fosse complexa demais para me preocupar com as ideias pouco complexas que as pessoas faziam de mim.”
Mas, além de uma ambientação muito bem feita, o que destaca esse livro é o quanto seus personagens são reais. Começando com a Monique, que é o elo entre o leitor e a Evelyn Hugo. Apesar de não ser o centro da história, ela tem o próprio arco e se mostrou uma personagem muito humana. O contexto da vida dela, sofrendo por um casamento que está chegando ao fim, a insatisfação com a carreira e o próprio fascínio que ela sente ao conhecer uma estrela de Hollywood são fatores que deixam essa personagem mais real, mais próxima do leitor.
Porém, é claro que o centro do livro é mesmo a Evelyn Hugo e eu preciso dizer que terminei a leitura lamentando muito ela não ser uma pessoa real, porque eu adoraria ver muitos filmes com ela. Que personagem completamente fascinante. Provavelmente, uma das mais bem construídas que já li. Longe de ser uma mocinha perfeita e sem erros, Evelyn Hugo poderia facilmente ter soado como uma vilã, se a autora não fosse tão habilidosa na sua construção.

“Sempre achei fascinante a maneira como as coisas podem ser simultaneamente verdadeiras e falsas, como o mesmo indivíduo pode ser bom e ruim, como alguém pode amar de uma forma linda e altruísta e ainda assim ser implacável na hora de arrancar o que quer da pessoa amada.”
Extremamente franca, Evelyn narra sua história para Monique contato tudo: suas conquistas, seus amores, sua ascensão na carreira, mas também tudo que fez para alcançar seus objetivos, as pessoas que magoou e os erros que cometeu para proteger quem ama. Várias de suas atitudes foram questionáveis, mas é possível enxergar nela uma pessoa real, com qualidades e defeitos, que errou, acertou, amou, sofreu e foi feliz, e que nunca fugiu das consequências de suas atitudes. Além disso, como temos a perspectiva da Evelyn já aos 79 anos contando sua própria história, encontramos uma personagem mais madura e que tem consciência de todos os seus atos.




Assim, não preciso nem dizer que foi fascinante acompanhar a vida de Evelyn Hugo. E, acreditem ou não, apesar da história de cada um dos sete casamentos dela ser muito interessante, há muito mais na jornada dela. Então, eu que estava ansiando para conhecer os romances dela, me vi muito mais interessada em acompanhar sua carreira, seus medos, como ela amadureceu ao longo dos anos e as escolhas que precisou fazer.
Mas não se preocupem que não faltam romances no livro e todos os amores de Evelyn foram muito reais. Amei como a autora construiu os personagens secundários e soube demonstrar a importância deles na vida da protagonista. Ninguém aparece no livro sem um motivo e todos são personagens muito críveis. Além disso, é um livro com muita representatividade e isso foi inserido de maneira muito natural na trama e trouxe questionamentos muito importantes.

“‘Não é conveniente’, Harry continuou, ‘que num mundo onde os homens ditam as regras a coisa mais presada seja a que representa maior ameaça? Imagine se todas as mulheres solteiras do planeta exigissem alguma coisa em troca de seus corpos. Vocês seriam as donas do mundo. Um exército de pessoas comuns. Só homens como eu teriam alguma chance contra vocês. E isso é a última coisa que esses cretinos querem: um mundo comandado por gente como eu e você.’”
Com relação à trama, achei que a autora soube desenvolvê-la de modo a instigar o leitor a continuar conhecendo a história de suas protagonistas. Eu ficava simplesmente vidrada para saber mais sobre o passado da Evelyn e amei acompanhar o amadurecimento da Monique. Além disso, as reviravoltas são inseridas no momento certo e funcionam perfeitamente dentro da trama.
E, sobre a escrita da autora, não preciso nem comentar, né? Taylor Jenkins Reid definitivamente entrou para a minha lista de autores favoritos, daquelas que eu compro até a lista de supermercado se ela decidir publicar. É uma escrita fluida, que envolve o leitor do início ao fim, mas também cheia de sensibilidade e emoção. Me emocionei em todos os livros dela que eu li, sempre em momentos que eu não estava esperando, e Evelyn Hugo sem dúvida foi o que mais mexeu comigo.
O que me resta dizer é que Os sete maridos de Evelyn Hugo foi uma leitura fascinante e emocionante, com uma história diferente de tudo que já e, ao mesmo tempo, personagens muito reais e humanos. É um livro que vai muito além do que está na sinopse e proporciona uma jornada única para o leitor. Taylor Jenkins Reid traz uma montanha-russa de emoções e, se tem uma coisa que eu garanto, é que é impossível ficar indiferente à história de Evelyn Hugo.

Lembrando que se vocês quiserem comprar esse ou qualquer outro livro na Amazon, comprando pelo link que eu disponibilizo, vocês ajudam o blog com uma pequena comissão que não interfere no valor da sua compra. Então, quem puder utilizar esse link para as compras na Amazon, está ajudando a manter o Dicas de Malu. 

Romances para ler no Kindle Unlimited


Oi, pessoal! Aproveitando que o frio está chegando (na minha cidade já chegou) e eu sei que não tem nada melhor em um dia frio do que um cobertor e uma boa leitura, decidi trazer algumas dicas para vocês. E o que poderia ser mais perfeito do que um romance daqueles que deixam o coração quentinho?
Então, eu resolvi aproveitar que já faz algum tempo que ando querendo indicar livros disponíveis no Kindle Unlimited, e fiz uma lista com alguns romances que eu adoro e alguns que eu quero muito ler, e que estão no catálogo do serviço. Mas o que é o Kindle Unlimited? É um serviço de assinatura da Amazon que dá acesso a milhares de ebooks por empréstimo. Você pode pegar até 10 ebooks por vez e, quando terminar, é só devolver para solicitar outro. Basicamente, é uma Netflix para os ebooks.

Então, para quem quer conhecer o serviço ou já assina e quer aproveitar, aqui vão as minhas indicações de romances. Começando pelos que eu já li e recomendo: 

Procura-se um marido
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus

Sinopse: “Protagonista de Procura-se um marido, Alicia sabe curtir a vida. Já viajou o mundo, é inconsequente, adora uma balada e é louca pelo avô, um rico empresário, dono de um patrimônio incalculável e sua única família. A morte do querido familiar muda completamente o rumo da história criada pela autora Carina Rissi. Vô Narciso a excluiu da herança, alegando que a neta não tem maturidade suficiente para assumir seu império – a não ser, é claro, que esteja devidamente casada. Era algo inimaginável para Alicia que, então, decide burlar o testamento com um plano maluco e audacioso: colocar um anúncio no jornal para encontrar um marido de aluguel. Diversos candidatos respondem ao anúncio, mas apenas um deles será capaz de fazer o coração de Alicia bater mais rápido, transformando sua vida de maneiras que ela jamais imaginou.”


Confesse
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Sinopse: “Da autora das séries Slammed e Hopeless, um romance sobre arriscar tudo pelo amor — e sobre encontrar seu coração entre a verdade e a mentira. Auburn Reed perdeu tudo que era importante para ela. Na luta para reconstruir a vida, a jovem se mantém focada em seus objetivos e não pode cometer nenhum erro. Mas, ao entrar em um estúdio de  arte à procura de emprego, Auburn não esperava encontrar o enigmático Owen Gentry, que lhe desperta uma intensa atração. Pela primeira vez, Auburn se vê correndo riscos e deixa o coração falar mais alto, até descobrir que Owen está encobrindo um enorme segredo. A importância do passado do artista ameaça acabar com tudo que Auburn mais ama, e a única maneira de recompor sua vida é mantendo Owen afastado.”



Espero por você
Autora: Jennifer Lynn
Editora: Novo Conceito
Sinopse: “Algumas coisas valem a pena esperar. Algumas coisas valem a pena experimentar. Algumas coisas não devem ser mantidas em silêncio. E, por algumas coisas, vale a pena lutar. Avery Morgansten precisa fugir. Ir para uma faculdade a centenas de quilômetros de casa foi a única forma que encontrou para esquecer o acontecimento fatídico que, cinco anos antes, mudara a sua vida para sempre. O que não estava em seus planos era atrair a atenção do único rapaz que pode mudar totalmente a rota do futuro que Avery está tentando construir. Cameron Hamilton tem um metro e noventa de altura, impressionantes olhos azuis e uma habilidade notável para fazer com que Avery deseje coisas que ela acreditava terem sido roubadas irrevogavelmente dela. Envolver-se com ele é perigoso. No entanto, ignorar a tensão entre eles - e despertar um lado dela que nunca soube que existia - é impossível.Até onde ela estará disposta a ir e o que fará para esquecer o passado e viver aquela relação intensa e apaixonada, que ameaça ruir todas as suas certezas e fazê-la conhecer um mundo de sensações que julgava estar negadas para sempre?”


Minha vida mora ao lado
Autora: Huntley Fitzpatrick
Editora: Valentina
Sinopse: “‘Minha mãe nunca ficou sabendo de uma coisa, algo que ela reprovaria radicalmente: eu observava os Garrett. O tempo todo.’ Os Garrett são tudo que os Reed não são. Barulhentos, caóticos e afetuosos. São de verdade. E, todos os dias, de seu cantinho no telhado, Samantha sonha ser uma deles, ser da família. Até que, numa noite de verão, Jase Garrett vai até lá e... Quanto mais os adolescentes se aproximam, mais real esse amor genuíno vai se tornando. Contudo, precisam aprender a lidar com as estranhezas e maravilhas do primeiro amor. A família de Jase acolhe Samantha, apesar dela ter que esconder o namorado da própria mãe. Até que algo terrível acontece, o mundo de Samantha desmorona e ela é repentinamente forçada a tomar uma decisão quase impossível, porém definitiva. A qual família recorrer? Ou, quem sabe, Sam já é madura o bastante para assumir suas próprias escolhas? Será que está pronta para abraçar a vida e encarar desafios? Quem você estaria disposto a sacrificar pela coisa certa a se fazer? O que você estaria disposto a sacrificar pela verdade? É um livro encantador sobre a família, o amadurecimento, a lealdade, o primeiro amor e, principalmente, sobre como ser sincero com alguém que amamos demais sem trair grandes verdades. Cada escolha uma renúncia. Cada escolha uma consequência: bem-vindos à vida!”



Seduzida por um guerreiro escocês
Autora: Maya Banks
Editora: Universo dos Livros
Sinopse: “Eveline Armstrong é imensamente amada e protegida por seu clã, mas as pessoas a consideram diferente, poisapesar de ser linda e encantadora, a moça sofreu um acidente que lhe causou sequelas não só psicológicas, mas também físicas, visto que ela ficou surda. Satisfeita com sua vida reclusa, ela aprendeu a ler lábios e permitiu que o mundo a enxergasse como uma tola. Contudo, quando um casamento arranjado a torna esposa de Graeme Montgomery, integrante de um clã rival, Eveline aceita seu destino – despreparada para os deleites que viriam. Enredado pelos mistérios de Eveline, cujos lábios silenciosos são cheios de tentação, Graeme vê seu casamento ameaçado devido às rivalidades entre clãs e agora deverá enfrentar inúmeras adversidades para salvar a mulher que lhe despertou tanto amor.”


Mas tem também os que eu não li ainda, mas estão na minha meta de leitura e se encontram disponíveis no catálogo do Kindle Unlimited.

O duque devasso*
Autora: Madeline Hunter
Editora: Charme
Sinopse: “A autora bestseller do New York Times, Madeline Hunter, traz uma nova história sensual sobre seus três duques indomáveis e as mulheres que acendem seus desejos mais luxuriosos. ELE PODE SER UM DEVASSO. Ele é infame, debochado e conhecido em toda a cidade por ser um sedutor irresistível. Gabriel St. James, o Duque de Langford, é rico, lindo de cair o queixo e costuma conseguir exatamente o que deseja. Até que uma mulher, que se recusa a lhe dizer o nome, mas não consegue resistir ao seu toque, o atrai. MAS ELA TAMBÉM NÃO É UMA SANTA... Amanda Waverly está vivendo duas vidas: uma respeitável como secretária de uma dama proeminente e uma perigosa, de esperteza e força de vontade com o duque devasso. Langford pode ser o homem mais tentador que ela já conheceu, mas Amanda está ocupada tentando escapar do mundo de crimes na alta sociedade no qual nasceu. E se ele descobrir quem ela realmente é, sua paixão escaldante se transformará rapidamente em um caso de alto risco...
*O primeiro livro dessa série, O duque mais perigoso de Londres, também está no Kindle Unlimited.



Beleza Perdida
Autora: Amy Harmon
Editora: Verus
Sinopse: “Beleza Perdida - Ambrose Young é lindo — alto e musculoso, com cabelos que chegam aos ombros e olhos penetrantes. O tipo de beleza que poderia figurar na capa de um romance, e Fern Taylor saberia, pois devora esse tipo de livro desde os treze anos. Mas, por ele ser tão bonito, Fern nunca imaginou que poderia ter Ambrose… até tudo na vida dele mudar. Beleza perdida é a história de uma cidadezinha onde cinco jovens vão para a guerra e apenas um retorna. É uma história sobre perdas — perda coletiva, perda individual, perda da beleza, perda de vidas, perda de identidade, mas também ganhos incalculáveis. É um conto sobre o amor inabalável de uma garota por um guerreiro ferido. Este é um livro profundo e emocionante sobre a amizade que supera a tristeza, sobre o heroísmo que desafia as definições comuns, além de uma releitura moderna de A Bela e a Fera, que nos faz descobrir que há tanto beleza quanto ferocidade em todos nós.



Querido vizinho
Autora: Penélope Ward
Editora: Essência
Sinopse: “Depois de tomar um pé na bunda, a última coisa que eu precisava era me tornar vizinha de alguém que me lembrasse do meu ex-namorado, Elec. Damien era uma versão mais sexy do meu ex. O vizinho que eu chamei de "artista irritado" também tinha dois cachorros enormes que me mantinham acordada com seus latidos. Ele não queria nada comigo. Ou era o que eu pensava até que uma noite eu ouvi risadas vindo através de um aparente buraco na parede do meu quarto. Damien estava ouvindo todas as minhas sessões de telefone com o meu terapeuta. O artista sexy agora conhecia todos os meus segredos mais profundos e inseguranças. Nós começamos a conversar. Ele me deu dicas para superar meu rompimento. Tornou-se um bom amigo, mas deixou claro que não poderia ser nada mais. O problema era que eu estava me apaixonando por ele. E por mais que ele me afastasse, eu sabia que ele sentia algo por mim... porque seu batimento cardíaco não mentia. Eu pensei que meu coração havia sido destruído por Elec, mas estava vivo e batendo mais forte do
que nunca por Damien. Eu só esperava que ele não o destruísse para sempre.”



O bom partido
Autora: Curtis Sittenfeld
Editora: Essência
Sinopse: “Liz trabalha como escritora em uma revista e, assim como Jane, sua irmã mais velha instrutora de yoga, mora em Nova York. Preocupadas com os recentes problemas de saúde do pai, elas voltam à cidade onde nasceram para ajudar – e acabam descobrindo que tanto a bela casa em que cresceram quanto sua família estão desmoronando. As irmãs mais novas Kitty e Lydia estão ocupadas demais com seus treinos de CrossFit e dietas para arranjar empregos. Mary, a irmã do meio, está fazendo seu terceiro mestrado à distância e quase não sai do quarto, exceto para suas aventuras misteriosas nas noites de terça. E a Sra. Bennet só pensa em uma coisa: como casar suas filhas, especialmente com o aniversário de quarenta anos de Jane se aproximando. Até que chega à cidade o cobiçado médico Chip Bingley, famoso por ter participado do reality show Bom Partido. Em um churrasco de Quatro de Julho, Chip e Jane se interessam imediatamente um pelo outro, mas seu amigo neurocirurgião Fitzwilliam Darcy não tem a mesma sorte com Liz. Primeiras impressões, porém, podem estar erradas.”



Sexo sem amor?
Autora: Vi Keeland
Editora: Universo dos Livros
Sinopse: “Seriam as reviravoltas do destino e as feridas do coração capazes de apagar para sempre a chama que há dentro nós? Logan Silverstone e Alyssa Walters não têm nada em comum. Ele passa os dias contando centavos para pagar o aluguel, sofrendo com a rejeição dos pais e tentando encontrar um rumo para sua vida caótica. Ela, por outro lado, parece ter um futuro brilhante. Um dia, porém, um simples gesto dá origem a uma improvável amizade. Ao longo dos anos, o sentimento que os une se transforma em algo até então desconhecido para os dois. Alyssa e Logan não conseguem resistir à atração que sempre sentiram um pelo outro e finalmente descobrem o amor. Mas uma tragédia promete separá-los para sempre. Ou pelo menos é isso que eles pensam.”

Agora quero saber quem já conhecia os livros que citei. Já leram algum deles? Me contem aí nos comentários e quem quiser indicar outros romances disponíveis no Kindle Unlimited, vou adorar conhecer as indicações de vocês.

Para quem se interessou pelo Kindle Unlimited, é possível assinar por 30 dias grátis e, após esse período, a mensalidade é de R$19,90. E o melhor é que não é necessário ter o dispositivo kindle; basta baixar o aplicativo Kindle no celular, tablet ou computador. Então, para quem quiser assinar, pode acessar através desse link

Motivos para ler "Amor(es) Verdadeiros"


Oi, pessoal! Como vocês estão? O post de hoje atrasou um pouquinho, mas vai valer a pena, porque vou falar sobre um livro que me surpreendeu de muitas maneiras. Estou falando de Amor(es) verdadeiros, da Taylor Jenkins Reid, lançado recentemente pela Editora Paralela.
E, para quem acompanhou os diversos posts de favoritos de 2019 em blogs, instagrams e canais literários, o nome da autora deve ter soado muito familiar. Isso porque dois outros livros dela fizeram muito sucesso ano passado: Daisy Jones and The Six e Os sete maridos de Evelyn Hugo. Estou devendo resenha de ambos aqui (vou corrigir isso em breve), mas já postei lá no instagram e vocês podem conferir nesses links aqui e aqui.
Mas, hoje, eu vim contar alguns dos aspectos que me fizeram amar mais esse livro da autora e ter a certeza de que ela já está na minha lista de queridinhas. Então, confiram a minha lista com alguns motivos para ler Amor(es) verdadeiros.



Autora: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Tradução: Alexandre Boide
Páginas: 353
Onde comprar: Amazon
Sinopse: “Emma Blair casou com seu namorado do colegial, Jesse, quando tinha vinte anos. Juntos, eles construíram uma vida diferente das expectativas de seus pais e das pessoas de sua cidade natal, Massachusetts. Sem perder nenhuma oportunidade de viver novas aventuras, eles viajam o mundo todo, curtindo a vida ao máximo. Mas, em vez do tradicional "e viveram felizes para sempre", uma tragédia separa os dois, no dia do seu aniversário de um ano de casamento. O helicóptero com o qual Jesse sobrevoava o Pacífico desaparece e, simples assim, o amor da vida de Emma se vai para sempre. Emma volta para sua cidade natal em uma tentativa de reconstruir a vida e, depois de anos de luto, reencontra um velho amigo, Sam, que lhe mostra ser, sim, possível se apaixonar novamente. E quando os dois ficam noivos? Emma sente que a vida lhe deu uma segunda chance de ser feliz. Pelo menos é o que parece — até que Jesse é encontrado. Ele está vivo e tentou voltar para casa, para Emma, todos esses anos que passou desaparecido. Agora, com um marido e um noivo, Emma precisa descobrir quem ela é e o que quer, enquanto tenta proteger todos que ama Emma sabe que precisa escutar seu coração, ela só não tem certeza se sabe o que ele está querendo dizer.”

Personagens muito reais
É uma característica da autora apresentar personagens muito reais e não foi diferente neste. Tanto a protagonista como todos os demais personagens são complexos, com falhas, medos, traumas e sonhos que são muito humanos. E não espere encontrar ninguém perfeito e 100% bonzinho nesse livro, nem mesmo a protagonista. Todos os personagens cometem erros, se sentem inseguros e tomam decisões que estão longe de serem as mais corretas. Assim como qualquer ser humano.
Então, mesmo que não concordemos com muitas de suas atitudes, é impossível não se colocar no lugar deles em algum momento ou sentir empatia pelas situações que enfrentam. E isso, para mim, tornou a leitura ainda mais especial.

Muito mais do que um triângulo amoroso
Não gosta de triângulos amorosos? Bom, eu também não. Mas pode ficar tranquilo que, por mais que a sinopse dê essa impressão, Amor(es) Verdadeiros vai muito além do dilema de com quem a protagonista deve ficar. Na verdade, o livro tem muito mais a ver com quem ela realmente é.
Vemos a Emma por um longo período da sua vida, desde a adolescência, o primeiro amor, o casamento, a perda do marido e a necessidade de aprender a seguir com a vida. E, nesse processo, é claro que a Emma se transforma e, algumas vezes, se perde de si mesma. Então, muito mais interessante do que o triângulo amoroso que se forma, é acompanhar a protagonista em sua jornada de redescoberta.

Romances apaixonantes:
Apesar do triângulo não ser o foco, é claro que o romance é importante desse livro. E temos duas histórias lindas de acompanhar. O romance de Emma com Jesse encanta por ser aquele amor que começa na adolescência e permanece forte ao longo da vida. Foi muito gostoso de acompanhar, mas também doloroso no momento em que Jesse desaparece.
  a história dela com o Sam se trata de um romance mais maduro, em um momento que a personagem estava juntando os cacos para se reerguer. Porém, nem por isso é menos doce de se acompanhar.

Uma linda mensagem sobre o amor:
Uma das coisas que mais me encantou nesse livro foi a forma como a autora abordou os diferentes tipos de amor. O amor romântico, o amor pela família e até o amor por si mesmo. Além disso, a autora foi hábil em mostrar que esse é um sentimento mutável, assim como nós mesmos nos transformamos ao longo da vida. E, apesar de vivermos diferentes amores, isso não significa que um seja maior ou mais verdadeiro que o outro.

Leitura emocionante:
Com personagens tão reais, foi fácil me apegar a eles. E mesmo aqueles que eu acreditava não ter gostado tanto, ao final do livro que percebi o quanto estava me importando com seu destino. Assim, é claro que me emocionei muito com a leitura e com a trajetória de cada um dos personagens.
Além disso, as reflexões que a autora trouxe e a forma como ela falou sobre a vida e sobre o amor, me tocaram profundamente e me deixaram com lágrimas nos olhos. Alguns diálogos são tão reais e profundos, que tenho certeza que sempre irei me emocionar ao lembrar deles.

Eu, sinceramente, poderia falar muito mais sobre esse livro. Porém, acho que esse é o tipo de livro que temos que descobrir por nós mesmos. Conhecer esses personagens, ver como a vida os transformou e os sentimentos profundos que carregam foi uma jornada incrível para mim e espero que seja assim para vocês também.
Agora quero saber: quem já leu Amor(es) Verdadeiros? Me contem aí nos comentários o que acharam. E os outros livros da autora, já leram ou querem ler algum? Em breve, vou trazer a resenha dos dois para cá.
E, para quem ficou interessado em conferir Amor(es) Verdadeiros, ele ainda não foi lançado na edição física, mas o ebook pode ser comprado nesse link. Além disso, deixei a resenha no instagram também (aqui).

Minhas impressões sobre Verity


Oi, pessoal! Como vocês estão? Hoje eu vim falar sobre uma das minhas leituras de maio e que foi uma experiência bem fora da minha zona de conforto. Estou falando do livro do momento: Verity, da Colleen Hoover. Publicado recentemente pela Galera Record, esse é o primeiro thriller psicológico da autora e tem chamado a atenção de muita gente.
Eu quase não leio o gênero e, quando leio, opto pelos mais leves (sim, sou medrosa mesmo haha). Mas resolvi dar uma chance para Verity e não me arrependi. Então, vou falar alguns pontos que me fizeram gostar da leitura. Porém, antes quero ressaltar algumas coisas com vocês.
Verity é um thriller psicológico perturbador e com temas muito pesados. Já na capa tem o aviso de que é indicado para maiores de 18 anos e eu sugiro fortemente que essa indicação seja respeitada. Não é um livro recomendado para qualquer um e não indico de jeito nenhum para quem está em uma situação de estresse ou com o emocional abalado de alguma forma. Então, só leia se você realmente se sentir bem para encarar as cenas fortes e for maior de 18 anos, ok?
Dito isso, vamos falar sobre o livro. Para quem não sabe, Verity acompanha Lowen Ashleigh uma autora que é convidada a terminar a série de livros da aclamada escritora Verity Crawford. Verity tinha uma carreira brilhante e seus livros dominavam as listas dos mais vendidos, mas um terrível acidente fez com que ela ficasse impossibilitada de terminar a série. Agora, Lowen precisa ir até a casa dela para conseguir as informações necessárias para escrever os próximos livros da série. Mas, quando no meio do caos do escritório da Verity, ela encontra o manuscrito da autobiografia da autora. Quanto mais tempo Lowen passa na casa e descobre os segredos de Verity, mais envolvida fica com os segredos e mentiras daquela família.
Bem assustador, né? E completamente diferente do que eu costumo ler. Então, por que eu gostei da leitura? Vou contar para vocês

Escrita envolvente:
Toda vez que leio um livro da Colleen Hoover, me vejo surpresa com o quanto ela me prende na história. Mesmo com os acontecimentos perturbadores do livro, eu simplesmente não conseguia parar de ler, porque estava curiosa para saber o que aconteceria a seguir.
A escrita dela é dinâmica e não permite que o leitor se sinta entediado em momento algum. Além disso, a capacidade da autora de fazer o leitor se sentir no lugar dos personagens foi fundamental para deixar a leitura mais instigante. É como se, assim como a protagonista Lowen, nós também nos sentíssemos profundamente atraídos pelos mistérios da Verity.
Além disso, dá para sentir o clima de tensão presente em todo o livro. É como se estivéssemos dentro daquela casa cheia de segredos junto com a Lowen. Confesso que, no lugar dela, eu não teria ficado nem um dia lá dentro. Porém, também não consegui parar de ler o livro.

Personagens complexos
Não espere encontrar personagens perfeitos ou agradáveis em Verity. Esse é um daqueles livros em que desconfiamos de todos e ninguém é bonzinho. Sendo sincera, eu desconfiava até da criança. Mas isso não significa que eles sejam planos, sem nenhum tipo de dualidade.
Ao contrário, por mais que eu não confiasse em nenhum deles e percebesse algum comportamento no mínimo questionável em todos, também percebi humanidade neles. Em maior ou menor escala, todos eles têm seus momentos de sofrimento ou que pelo menos demonstram ter algum tipo de sentimento. Então, por mais que não tenha simpatizado com nenhum, senti que todos os personagens eram reais e complexos, daqueles que se tornam interessantes de acompanhar mesmo quando suas atitudes são condenáveis e até repugnantes.

Trama bem construída
Eu acho que o grande mérito de Verity foi a forma como a Colleen Hoover escolheu narrar a história. Ela alterna entre o passado e o presente de forma que, quanto mais descobrimos sobre a história da Verity, mais assustador se torna acompanhar o presente. Cada novo capítulo da biografia de Verity traz revelações perturbadoras que deixam Lowen mais desconfiada de que algo de muito errado estava acontecendo naquela casa. E a todo momento, acontecia uma situação para reforçar essa impressão e dar um clima de tensão para a história.
Deste modo, a trama se desenvolve de uma maneira dinâmica e que envolve o leitor. Os momentos em que Lowen estava lendo a autobiografia de Verity eram envolventes pelas revelações que traziam, por mais perturbadoras que fossem. Já os momentos no presente eram tão cheios de tensão que eu não queria largar o livro porque precisava saber o que ia acontecer. Ou seja, é daqueles livros que a trama foi desenvolvida pensando em prender a atenção do leitor da primeira à última página. Tédio é uma palavra que definitivamente não está presente em Verity.

Final bombástico
Claro que um bom thriller precisa de um final daqueles que deixam o leitor chocado né? Pois Colleen Hoover trouxe um que vai fazer muita gente ficar pensando nesse livro por muito tempo depois de ter terminado. Ela basicamente joga a bomba e sai correndo, e o leitor que lute para chegar à uma conclusão.
Sei que tem muita gente que não gosta de desfechos assim, mas eu adorei. Criei várias teorias e fiquei tentando juntar as peças do quebra-cabeça. Agora já tenho a minha teoria sobre essa história, mas confesso que adoraria uma continuação para saber se acertei. Será que a Colleen escreveria?

Mas agora quero saber de vocês: quem já leu Verity? Quero saber se vocês ficaram curiosos para ler e, de quem já leu, o que acharam? Me contem aí nos comentários, mas evitem falar sobre o final para não dar spoiler para quem não leu.


Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Tradução: Thais Britto
Páginas: 320
Exemplar recebido de parceria com a editora
Onde comprar: Amazon
Sinopse: “O amor é capaz de superar a pior das verdades?Verity Crawford é a autora best-seller por trás de uma série de sucesso. Ela está no auge de sua carreira, aclamada pela crítica e pelo público, no entanto, um súbito e terrível acidente acaba interrompendo suas atividades, deixando-a sem condições de concluir a história... E é nessa complexa circunstância que surge Lowen Ashleigh, uma escritora à beira da falência convidada a escrever, sob um pseudônimo, os três livros restantes da já consolidada série. Para que consiga entender melhor o processo criativo de Verity com relação aos livros publicados e, ainda, tentar descobrir seus possíveis planos para os próximos, Lowen decide passar alguns dias na casa dos Crawford, imersa no caótico escritório de Verity – e, lá, encontra uma espécie de autobiografia onde a escritora narra os fatos acontecidos desde o dia em que conhece Jeremy, seu marido, até os instantes imediatamente anteriores a seu acidente – incluindo sua perspectiva sobre as tragédias ocorridas às filhas do casal. Quanto mais o tempo passa, mais Lowen se percebe envolvida em uma confusa rede de mentiras e segredos, e, lentamente, adquire sua própria posição no jogo psicológico que rodeia aquela casa. Emocional e fisicamente atraída por Jeremy, ela precisa decidir: expor uma versão que nem ele conhece sobre a própria esposa ou manter o sigilo dos escritos de Verity?”

[Resenha] Pôr do sol no Central Park


Oi, pessoal! Como vocês estão? A resenha de hoje é sobre um dos livros que mais me surpreendeu no mês passado. Estou falando de Pôr do sol no Central Park, da autora Sarah Morgan. Para quem não conhece, esse é o segundo volume de uma série que tem sido publicada no Brasil pela Harlequin.
Eu li o primeiro livro, Amor em Manhattan, ano passado e gostei bastante. Porém, admito que enrolei para ler a continuação porque não gostei muito da Frankie, melhor amiga da protagonista e que é a mocinha desse segundo volume. Mas em abril eu decidi que já tinha passado da hora de continuar a série e incluí Pôr do sol no Cetral Park nas minhas leituras.

Então, agora chegou a hora de contar para vocês o que achei do livro e se valeu a pena dar uma chance para a história da Frankie.

Autora: Sarah Morgan
Editora: Harlequin Brasil
Tradução: William Zeytoulian
Páginas: 368
Onde comprar: Amazon
Sinopse: “O amor da sua vida pode ser difícil de encontrar. Até mesmo quando está bem na sua frente. Após o grande sucesso do livro Amor em Manhattan, Sarah Morgan retorna às livrarias brasileiras com este novo romance que vai aquecer seu coração. Frankie Cole e suas duas melhores amigas inauguraram um negócio em Manhattan que está sendo um sucesso. Frankie é designer e ama trabalhar com paisagismo de jardins suspensos nos telhados dos arranha-céus da cidade. Entre amizades verdadeiras e um trabalho gratificante, ela tem tudo para ser feliz. Com o conturbado divórcio de seus pais e problemas com os relacionamentos da mãe, Frankie nunca deu muita atenção às relações românticas, preferindo focar em si e no trabalho. Ela conhece Matt, o irmão de sua melhor amiga, há anos, mas eles nunca tiveram nada além de amizade. Até que Matt descobre novas coisas sobre a mulher que pensou conhecer tão bem, e não quer passar mais nenhum dia longe dela. Matt sabe que Frankie se mantém segura por trás de sua barreira emocional, mas fará de tudo para superar os bloqueios e conquistá-la.”

Frankie Cole aprendeu desde cedo a não acreditar no amor e muito menos em relacionamentos. Seu foco é o trabalho, que tem ocupado muito do seu tempo desde que ela e suas duas melhores amigas inauguraram uma empresa em Nova York. No tempo livre, tudo que Frankie quer é ficar em casa, lendo um thriller aterrorizante. Ela faz de tudo para não ser notada e evitar os homens.
Mal sabe Frankie que ela já foi notada há muito tempo por Matt, o irmão mais velho de sua amiga. Ele já havia percebido a mulher incrível que ela é e não vê a hora de ajudá-la a parar de se esconder. Matt está disposto a fazer o que puder para convencer Frankie de que relacionamentos podem dar certo e ajudá-la a abrir o coração para o amor.

Mas será que Matt realmente conhece os sentimentos de Frankie tão bem? Alguns acontecimentos mostram a ele que talvez não soubesse tudo sobre a mulher que ama, e que se quiser conquistar o coração dela, vai ter que superar muitas barreiras. O passado de Frankie deixou marcas profundas nela, mas Matt está disposto a fazer tudo que puder para ajudá-la a fechar essas feridas e recuperar sua crença no amor. 


A primeira coisa que eu preciso dizer é que minha impressão sobre a Frankie quando li Amor em Manhattan estava totalmente equivocada. Em Pôr do sol no Central Park, as razões para Frankie ser como é são muito mais claras e não foi difícil simpatizar com ela. Ainda muito jovem, Frankie teve seu coração partido pelas pessoas que mais confiava e que deveriam protegê-la. Então, é fácil compreender porque ela deixou de acreditar no amor e de confiar nas pessoas.
Além disso, Frankie não é uma daquelas personagem que afirmam não acreditar em relacionamentos e ficam fazendo charme por isso. Ela tem seus medos e inseguranças e deixa isso claro, mas vai se abrindo aos poucos e vencendo suas barreiras. Ao invés de ser teimosa e irritante como pensei que seria, é uma personagem forte e madura, que se esforça para superar seus medos e evolui muito ao longo do livro. E essa transformação dela foi um processo muito bonito de acompanhar.
“– Nunca tive medo de coisas complicadas, Frankie. Nunca fui do tipo que acha que algo valioso deve ser conquistado facilmente.”
Já o Matt é um príncipe apaixonante. Gostei muito da forma como ele se preocupa com os sentimentos da Frankie e realmente procura conhece-la. Além disso, ao invés de menosprezar os sentimentos dela ou tentar minimizar os traumas que ela carrega, Matt faz de tudo para ajudar Frankie a vencer suas barreiras e curar suas feridas. Ele é calmo, generoso, protetor e paciente, cuidando das pessoas que ama a todo momento. E isso inclui não apenas a Frankie, mas a irmã dele, Paige, a outra amiga dela Eva, e até mesmo a gatinha chamada Garrinhas que ele adotou.
Foi impossível não me encantar pelo Matt e pela forma carinhosa como ele se aproximou da Frankie. Por isso, foi fácil me encantar com esse romance e torcer pelo casal do começo ao fim. E, como os personagens já se conheciam há anos, a relação deles foi ainda mais convincente. Já havia muita cumplicidade e apoio entre os dois, mesmo antes da atração que existia entre eles se tornar evidente, e isso foi um dos aspectos que mais gostei nesse casal.

“A situação incomodava Frankie justamente por se tratar do Matt. Mostrar seus bloqueios mais profundos a um cara que conhecia desde sempre e que considerava atraente e torturante. Ela geralmente não se importava com o que os homens pensavam a seu respeito, mas se importava com o que Matt pensava.”



Outro aspecto que tenho amado nessa série é a amizade entre mulheres. Desde o primeiro livro, achei muito bonita a relação da Frankie, da Paige e da Eva. Mesmo tendo personalidades muito diferentes, as três se apoiam em todos os momentos e fica claro que, independentemente de terem namorados ou não, a amizade entre elas nunca vai perder espaço. Então, foi muito bom ver isso novamente retratado no livro. A autora mostrou que ninguém vive só de romance e que as amizades verdadeiras são uma parte fundamental da vida.
A trama é bem leve e bem construída. Tudo acontece no momento certo e não tem enrolação, deixando a leitura muito fluida. Minha única ressalva quanto ao livro foi um momento mais no final do livro em que tanto Frankie quanto Matt reagem de uma forma que me incomodou e acabam passando por um retrocesso desnecessário na sua relação. Foi algo rapidamente resolvido e não tirou o brilho do livro, mas me incomodou um pouco.
Outra ressalva, desta vez em relação à edição, foram os erros de revisão. Não chegaram a ser erros graves, mas foram recorrentes e acabaram chamando a atenção. No mais, eu adorei a capa e achei o tamanho da fonte muito bom para a leitura.
Deste modo, só posso dizer que Pôr do sol no Central Park foi uma ótima surpresa. Tanto Frankie quanto Matt se mostraram personagens muito melhores do que eu esperava e eu torci por esse casal do começo ao fim. Para quem procura uma leitura leve, apaixonante e que traga mensagens tanto de amor quanto de amizade, não pode deixar de conferir essa série.

Resumão de abril e metas para maio



Oi, pessoal! Como vocês estão? Hoje eu vim comentar um pouquinho sobre como foi o meu mês de abril e quais são os meus planos para maio. Então, no post de hoje vou contar quais livros eu li no mês que passou, o que eu assisti, meus favoritos de abril e o que pretendo ler agora.
A lista é grande, mas felizmente em abril consegui recuperar o ritmo de leitura. Então, estou bem feliz. Agora, sem mais em enrolação, vamos aos livros que eu li:

Uma luz no outono, da Carrie Elks – Resenha aqui.
A canção da órfã, da Laure Kate – Resenha aqui.
Sedução ao amanhecer, da Lisa Kleypas – Skoob
The Guinevere Deception, da Kirsten White – Skoob [Publicado no Brasil como A farsa de Guinevere, pela Plataforma 21. Pré-venda aqui).
Uma paixão e nada mais, da Mary Balogh – Skoob
O visconde que me amava, da Julia Quinn – Skoob
O príncipe cruel, da Holly Black – Resenha aqui.
Pôr-do-sol no Central Park, da Sarah Morgan – Skoob
A fúria e a aurora, da Renée Ahdieh Skoob
Mr Romance, da Leisa Rayven – Skoob
The risk O dilema de Brenna e Jake:  Skoob
A caminho do altar, da Julia Quinn – Skoob

Favoritos: Sem dúvida nenhuma, Uma luz no outono e The Guinevere Deception. Já falei na resenha o quanto eu amei Uma luz no outono e achei o desfecho perfeito para As Irmãs Shakespeare. Já The Guinevere Deception foi uma leitura de fantasia que me conquistou da primeira à última página e me deixou ansiosa pela continuação.
Decepções: Mr Romance e A caminho do altar foram as leituras mais frustrantes de abril e confesso que foi preciso muita força de vontade para terminar. Mr Romance se salvou um pouco por ter um mocinho maravilhoso e bons personagens secundários. Já A caminho do altar tem um dos piores casais que já li (Gregory um pouco menos irritante do que a Lucy) e nem a escrita fluida da Julia Quinn conseguiu salvar essa história.

Não assisti muitos filmes, porque meu foco esteve nos livros que precisava ler. Porém, depois de muito tempo enrolando, acabei assistindo Mamma Mia: Lá vamos nós de novo. Me surpreendi gostando muito mais desse do que do primeiro e até chorei no final. Além disso, terminei Virgin River e gostei bastante, menos do último episódio. Achei os ganchos que foram deixados para a próxima temporada muito clichês, mas como sou curiosa, quero ver a segunda temporada quando sair.
Mas agora chegou a hora de falar da minha meta para maio, né? Com certeza pretendo assistir mais filmes. Inclusive, já assisti Frozen 2 que agora está disponível no Prime Vídeo (se você ainda não assinou o Amazon Prime, que dá acesso ao Prime Vídeo, assine aqui). Mas não defini quais filmes quero assistir. Alguma sugestão? (Só não vale terror hahaha).
Por outro lado, a lista de livros para ler já está prontinha aqui:

Verity, da Colleen Hoover – Skoob (Esse era só terminar a leitura e concluí no dia 1º mesmo).
Como salvar um herói, da Suzanne Enoch – Skoob (Também estava para terminar e concluí dia 1º também).
Milagre na 5ª Avenida, da Sarah Morgan – Skoob
Os sete maridos de Evelyn Hugo, da Taylor Jenkins Reed – Skoob
Amores verdadeiros, da Taylor Jenkins Reed – Skoob
Namorado modelo, do Stuart Reardon e Jane Harvey-Berrick  Skoob 
O assassinato no trem: As Irmãs Mitford investigam, da Jessica Fellowes – Skoob
Uma promessa e nada mais, da Mary Balogh - Skoob
10 coisas que eu amo em você, da Julia Quinn – Skoob / Pré-venda: Amazon
A longa viagem a um pequeno planeta hostil, da Becky Chambers  Skoob
Os 12 signos de Valentina, da Ray Tavares - Skoob
Minha vida fora de série – Primeira Temporada, da Paula Pimenta – Skoob
Teto para dois, da Beth O'Leary – Skoob
Big Rock, da Lauren Blakely – Skoob

A lista é bem grande, mas já li 2 desses livros e estou lendo o terceiro. Além disso, dois deles são livros que eu quero reler e que sei que fluem muito bem (Os 12 signos de Valentina e Minha vida fora de série). Estou otimista de que consigo cumprir a TBR. O que vocês acham?
Me contem aí nos comentários como foi o mês de abril de vocês e o que pretendem ler agora em maio. Já leram algum da minha lista? Vou adorar saber a opinião de vocês.

Caso tenham se interessado por algum dos livros citados nesse post, comprando na Amazon através desse link vocês ajudam o Dicas de Malu com uma pequena comissão, que não altera o valor que vocês vão pagar.


Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Kindle Unlimited

Ofertas na Amazon

Instagram

Seguidores

Tecnologia do Blogger.

Mais lidos

Twitter

Newsletter

Arquivos

Editoras parceiras