[Resenha] O assassinato no trem: As irmãs Mitford investigam


Oi, pessoal! Para começar o novo mês bem, resolvi trazer a resenha de uma das minhas leituras de maio, que muitas pessoas ficaram curiosas quando mostrei no instagram. Estou falando de O assassinato no Trem: As irmãs Mitford investigam, da autora Jessica Fellowes 
Para quem não conhece ainda, esse livro foi lançado recentemente no Brasil pela Editora Record e inaugura uma série de suspense policial. E eu já fiquei logo curiosa para ler, não só por essa capa linda, mas por ele ser indicado como uma leitura ideal para quem gosta dos livros da Agatha Christie e das histórias do Sherlock Holmes.  
Agora eu já li e vim contar o que achei desse meu primeiro contato com a escrita da Jessica Fellowes. Então, se você curte um bom suspense policial, precisa conferir essa dica. 


Autora: Jessica Fellowes
Editora: Record
Tradução: Roberto Muggiati
Páginas: 406
Onde comprar: Amazon

Sinopse: “O primeiro livro da série de mistério que retrata o glamoroso universo das irmãs Mitford. Doze de janeiro de 1920. A enfermeira Florence Nightingale Shore, afilhada de sua famosa homônima, chega à estação Victoria, em Londres, no início da tarde. Depois de comprar uma passagem de trem na terceira classe para a Warrior Square, St. Leonards, ela se instala no último vagão, onde aguarda o início da viagem. Pouco antes da partida, um homem de terno de tweed marrom e chapéu entra no mesmo vagão. Foi a última vez que alguém viu a enfermeira viva. No mesmo dia, Louisa Cannon, uma jovem de 18 anos que sonha em escapar da pobreza em Londres e, mais que tudo, de seu perigoso tio, pula de um trem em movimento para fugir de um terrível destino. Sua salvação é um emprego no campo, na mansão Asthall, onde mora a família Mitford. Trabalhando como assistente de babá e dama de companhia das irmãs Mitford, ela se torna confidente da mais velha, a sagaz e inteligente Nancy, de 16 anos.Quando Louisa e Nancy descobrem que Florence foi assassinada em um trem em plena luz do dia, ficam obcecadas com a história. Movidas pela curiosidade, elas descobrem algumas pistas que podem ajudar a desvendar o mistério, mas também acabam envolvidas nos crimes de um assassino que fará de tudo para esconder seu segredo...

No dia 20 de junho de 1920, a enfermeira Florence Shore foi assassinada em um trem na Inglaterra. No mesmo dia, a jovem Louisa Cannon esteve no mesmo trem, mas saltou em busca de uma vida melhor. Ela foi trabalhar como auxiliar de babá para a família Mitford 
Lá, ela sente que pode construir um novo lar e se torna muito próxima da filha mais velha da família, Nancy. Irreverente e ansiosa para ser considerada uma adulta, a garota fica obcecada quando descobre sobre o assassinato da enfermeira no trem e acaba arrastando Louisa na busca por pistas do crime. 
Enquanto isso, Guy Sullivan é um oficial da polícia ferroviária que convive com a culpa e a zombaria dos irmãos por não ter servido durante a I Guerra Mundial. Quando fica sabendo sobre o assassinato no trem, Guy percebe que tem algo por trás da morte da enfermeira e vê nesse caso uma oportunidade para conseguir uma sonhada promoção a Scotland Yard. Assim, ele fará tudo o possível para descobrir a identidade do assassino.  


Uma das coisas que mais gostei em Assassinato no trem foi o fato de que, apesar de girar em torno da investigação do crime, a autora não deixou de construir a jornada de cada um dos protagonistas. Assim, pude conhecer cada um deles e me importar com suas histórias tanto quanto me preocupei com o desfecho do crime.  
E falando sobre os personagens, preciso destacar a Louisa e o Guy. Ela é uma jovem determinada e que vive em uma situação muito difícil desde a morte do pai. Foi fácil me apegar a ela e entender seus motivos para valorizar tanto o seu emprego e a nova vida que estava construindo. Além disso, gostei muito de ver o quanto ela amadurece ao longo do livro e se torna uma personagem ainda mais cativante.  
Já o Guy eu queria colocar em um potinho e proteger do mundo. Que personagem maravilhoso! Ele é gentil, honesto e muito focado. Fiquei muito penalizada o quanto ele sofria por não ter lutado na guerra (o que era uma questão de honra na época) e com as implicâncias dos irmãos que lutaram. Além de tudo isso, ele ainda é inteligente, determinado, justo e tem um jeito tímido e humilde que derreteram meu coração.  
A família Mitford também é muito importante para a trama e o destaque desse livro foi a filha mais velha, Nancy. Confesso que foi uma personagem que eu amei em alguns momentos e tive vontade de bater em outros. Porém, assim como Louisa, ela também amadurece ao longo do livro e fiquei satisfeita com sua evolução no final.  
Outro ponto que amei na leitura foi o fato de que a autora abordou com muitos detalhes o contexto histórico. Então, podemos entender como estava a sociedade após os anos da guerra e os efeitos tanto nos soldados quanto nas pessoas que ficaram distantes dos conflitos. Além disso, ela mostra de maneira muito rica como eram os costumes da época e as interações sociais, demonstrando ter feito um ótimo trabalho de pesquisa.  


Com relação a trama, ela tem um início mais lento para apresentação dos personagens, do crime e das primeiras pistas. Então, não espere um thriller aluciante e cheio de ação, porque não vai encontrar. O mistério vai se desenvolvendo à medida que acompanhamos as jornadas dos protagonistas e as pistas vão sendo revelas. Já a segundo parte ganha um ritmo bem mais intenso, com revelações e acontecimentos importantes.  
Mas preciso destacar que em momento algum a leitura foi cansativa para mim. Talvez por já estar esperando algo no estilo das histórias do Sherlock Holmes ou dos livros da Agatha Christie, eu não me incomodei com o ritmo mais lento do início. Gostei de ir conhecendo os personagens e me familiarizando com a ambientação da história. Foi uma leitura leve e muito gostosa. 
Há ainda espaço para um romance que não tira o foco da história e ainda contribui muito para deixar a leitura ainda mais interessante. É um romance cativante, que cresce aos poucos e que faz total sentido dentro da narrativa. A autora soube desenvolvê-lo aos poucos, sem colocá-lo no centro da história (afinal, se trata de um suspense), mas fazendo com que o leitor se importasse com o destino daquele casal. E confesso que se ela quisesse dar um pouco mais destaque, eu não teria me incomodado.  
Assim, não preciso nem dizer que amei a escrita da autora. Jessica Fellowes soube desenvolver bem os personagens, cativar o leitor e colocar as revelações no momento certo. Eu criei várias teorias ao longo do livro e, quando tinha certeza que já tinha descoberto tudo, a autora puxou meu tapete e mudou tudo. Não foi nada que eu não tivesse pensado antes, mas o que me surpreendeu foi por ter sido num momento em que eu tinha certeza que a explicação era outra completamente diferente. Ela realmente me fez de trouxa e eu amei isso.  
Deste modo, Assassinato no trem é um livro perfeito para quem gosta de um bom mistério, mas procura uma leitura mais leve. Além de um mistério instigante, encontramos personagens carismáticos e bem desenvolvidos, um pouco de romance e uma ótima ambientação histórica. Fiquei super feliz quando descobri que se trata de uma série e já estou ansiosa para os próximos saírem no Brasil.  
E vocês, já conheciam O assassinato no trem: As irmãs Mitford investigam? Me contem se já leram ou ficaram curiosos para ler. E, se souberem de outros livros de suspense policial nesse estilo, me indiquem aí nos comentários.  

Lembrando que, caso você queira comprar esse ou qualquer outro livro na Amazon, comprando pelo link aqui do blog vocês ajudam o Dicas de Malu, sem alterar o valor da sua compra. Então, se possível, utilizem esse link aqui.  

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.