Das páginas para o cinema - Harry Potter e o Cálice de Fogo

Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Michael Gambom, Maggie Smith, Alan Rickman, Ralph Fienes, Brendan Gleeson, Miranda Richardson, Robert Pattinson, Clémence Poésy, Stanislav Ianevski, David Tennant
Direção: Mike Newell
Ano: 2005 / Nacionalidade: Reino Unido/ EUA

Ontem falei sobre a experiência de releitura de Harry Potter e o Cálice de Fogo. Portanto, a coluna Das Páginas para o Cinema de hoje não poderia falar sobre outro filme que não fosse a adaptação deste mesmo livro.
Com direção de Mike Newell, Harry Potter e o Cálice de Fogo é, para mim, um dos filmes mais divertidos da franquia. Ele combina aventura, momentos mais sombrios, diversão, romance, além de algumas reviravoltas importantes na trama. Neste filme, assim como no livro, o universo de Harry Potter é expandido, apresentando ao público novos personagens, lugares e criaturas mágicas, além de trazer desafios ainda mais difíceis a serem superados pelo jovem bruxo.


O aspecto que mais gosto nesse filme é o dinamismo com que a história é contada. Apesar de ser um tanto longo, contando com aproximadamente 2 horas e meia de duração, o filme não é cansativo. Mantendo um bom equilíbrio entre as sequências de ação e os momentos mais leves e divertidos, Harry Potter e o Cálice de Fogo passa rápido, fazendo com que o espectador não sinta o tempo passando. Além disso, a história é construída de um modo eficiente, criando toda a tensão necessária nos momentos decisivos do filme.


Com relação ao elenco, é neste longa que mais gosto da interação do trio principal. Pela primeira vez, vemos que Harry, Rony e Hermione estão crescendo, passando de crianças a adolescentes, e Daniel, Rupert e Emma souberam explorar essas mudanças dos personagens. Sobre os três campeões do Torneio Tribruxo, Cedric Digorry, Fleur Delacour e Viktor Krum, gostei dos atores escolhidos (Robert Pattinson, Clemence Poesy e Stanislav Ianevski), porém, acredito que estes personagens poderiam ter sido mais explorados no filme, especialmente o Krum.


No entanto, para mim, o grande destaque deste filme foi a escolha de Ralph Fienes para dar vida ao vilão Voldemort. Sinceramente, não consigo imaginar alguém melhor para interpretar o papel. É impressionante como o personagem soa muito mais cruel e ameaçador quando o ator usa um tom de voz mais baixo e calmo. Em poucas falas, ele consegue transmitir toda a frieza de Voldemort, criando a base para o desenvolvimento do personagem nos filmes seguintes.
Este filme pode não ser a adaptação mais fiel ao livro, mas foi muito eficiente ao contar a história. Muita coisa acontece em Harry Potter e o Cálice de Fogo, pois é a partir dele que mudanças significativas acontecem na trama. O livro é recheado de eventos, sequências de ação, personagens novos e revelações importantes. Adaptar este livro, com toda certeza, não é uma tarefa fácil, sendo impossível abordar tudo que está presente na obra original. Assim, acredito que o roteiro foi eficiente em levar para o filme os elementos principais e contar a história de uma maneira clara, preservando a essência do livro de J. K. Rowling.

De todos os filmes da série, Harry Potter e o Cálice de Fogo é um dos mais competentes na tentativa de transportar o espectador para aquele universo de magia. Nele assistimos a Copa Mundial de Quadribol, acompanhamos ansiosos as tarefas do Torneio Tribruxo e nos deslumbramos com a beleza do Salão Principal durante o Baile de Inverno. Assim, trazendo alguns das cenas mais marcantes de toda a série, este filme proporciona muitos momentos de diversão e magia, ao mesmo tempo que indica com clareza as mudanças que estavam por vir na história.

Assista ao trailer:

Especial - Harry Potter e o Cálice de Fogo

Autora: J. K. Rowling
Editora: Rocco
Páginas: 535


Retomando o projeto de releitura da série Harry Potter, este mês foi a vez do quarto livro, Harry Potter e o Cálice de Fogo. De todos os livros da série, esse sempre foi o meu “menos favorito”. Por causa disso, quando era mais nova, li todos os livros mais de uma vez, com exceção do Cálice de Fogo. Não que eu não tenha gostado, amo toda a série, mas gostava um pouco menos deste do que dos outros.
Felizmente, tive a ideia de começar essa coluna especial para Harry Potter e, finalmente, peguei Harry Potter e o Cálice de Fogo novamente. Digo felizmente, porque, desta vez, apreciei muito mais a leitura do que da primeira. Consegui me envolver mais com a história e achei que ela flui muito mais rápido.
O maior problema que senti quando li O Cálice de Fogo pela primeira vez é que achei a leitura arrastada. Ao contrário dos outros livros da série, não consegui mergulhar na história desde o início, prejudicando a leitura. Já nessa releitura, senti a história um pouco cansativa no começo, mas, à medida que a trama foi se desenvolvendo, consegui me envolver completamente.
Neste quarto volume da série, J. K. Rowling expande o universo de Harry Potter, apresentando novos personagens, lugares e criaturas mágicas, além de revelar mais sobre o passado deste universo. As aventuras vividas por Harry são mais perigosas e as ameaças mais concretas. Mesmo já conhecendo a história, é impossível não sentir a tensão constante, tanto pelas provas do Torneio Tribruxo, quanto pelos perigos e mistérios que rondam o castelo e ameaçam a segurança de Harry.
Não me lembrava como as provas do Torneio Tribruxo eram bem escritas. J. K. Rowling conseguiu transmitir toda a tensão que os personagens sentem tanto antes quanto durante a prova. Além disso, ela descreve tudo em detalhes, o que permite ao leitor compreender e imaginar com clareza os acontecimentos.
Outro aspecto que destaco é o modo como a autora aborda o início da adolescência. Harry, Rony e Hermione já não são mais crianças, surgem os primeiros romances e eles se preocupam mais com a aparência. Tudo isso é abordado na história de uma maneira leve, natural e divertida. Em especial, as tentativas de Harry e Rony de convidarem garotas para sai estão entre os momentos mais engraçados do livro e da série, como um todo.
Algo que me chamou a atenção durante a leitura foi perceber como, apesar de toda a magia daquele universo, Harry Potter se enquadra perfeitamente no momento que o mundo está vivendo. Ao final do Cálice de Fogo, somos apresentados a uma mensagem de respeito ao próximo e às diferenças, de união entre os povos e de combate ao preconceito. Além disso, a autora nos lembra dos perigos vindos da intolerância, do radicalismo e da desunião. Basta dar uma olhada nos noticiários para ver como essa mensagem se aplica ao nosso mundo.
"Repito a todos, (...) seremos tão fortes quanto formos unidos e tão fracos quanto formos desunidos."
"As diferenças de costumes e língua não significam nada se os nossos objetivos forem os mesmos e os nossos corações forem receptivos."
Desde que comecei esse projeto de releitura, tenho adorado voltar ao universo de Harry Potter e reparar em aspectos que não tinha percebido antes. No entanto, foi relendo Harry Potter e o Cálice de Fogo que senti isso mais intensamente. Me surpreendi com o modo como me envolvi com esta história e passei a vê-la com outros olhos, admirando ainda mais a mensagem importante e tão atual que a autora transmitiu. Além disso, fiquei mais uma vez fascinada com o talento e a imaginação de J. K. Rowling, bem como com a grandeza e complexidade do mundo e dos personagens criados por ela.
Se eu já estava feliz em desenvolver esse Especial Harry Potter, agora estou completamente encantada por retornar a este universo. Não vejo a hora de começar a releitura de Harry Potter e a Ordem da Fênix, quinto volume da série, e trazer novamente a magia de Harry Potter aqui para o blog.

[Dica da Malu] Métrica

Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Páginas: 304

Faz muito tempo que ouço falar sobre a série Slammed, da Colleen Hoover. Vi muitos comentários dizendo ser esta uma das melhores séries para o público Jovem Adulto (YA). Então, finalmente, puder ler o primeiro volume da série, Métrica, e descobri o motivo de tantos elogios.
A história acompanha a jovem Layken, que vê sua vida ser transformada quando está prestes a começar o último ano do ensino médio. Seis meses antes, seu pai havia morrido e, agora, sua mãe decidiu vender a casa onde moravam e se mudar para outro estado com ela e seu irmão caçula, Kel. Layken não poderia estar mais revoltada com a situação, porém, tudo muda quando ela conhece seu novo vizinho, Will. Com ele, Layken consegue se abrir e ver uma perspectiva de felicidade nesta nova vida. No entanto, alguns acontecimentos fazem com que aquele rapaz, que fez com que ela sorrisse depois de tanto tempo, acebe fazendo com que o coração dela seja partido novamente.
Confesso que quando li a sinopse, esperava que Métrica trouxesse uma história previsível e clichê. No entanto, o que não faltou nesse livro foram surpresas e reviravoltas. A todo momento surgia uma revelação completamente inesperada e que mudava completamente o rumo da trama e a visão que eu tinha dos personagens.
Claro que alguns clichês são mantidos, especialmente a rapidez com que Lake e Will se apaixonam. No entanto, os motivos que os afastam são compreensíveis e, principalmente, críveis. Conseguimos acreditar nas dificuldades que eles enfrentam e no seu sofrimento.
Destaco ainda os personagens, que são outro ponto forte deste livro. Não gostei muito da Layken, pois achei que em alguns momentos ela age de modo muito egoísta. Mesmo assim, é impossível não se sensibilizar com a história dela e torcer pela sua felicidade. Já o Will é completamente encantador. Apesar de não agir corretamente o tempo todo, percebemos o quanto ele se esforça para tomar as decisões certas, mesmo que estas não sejam as mais fáceis. Ele carrega responsabilidades muito pesadas, que me fizeram, não apenas entender suas atitudes, mas também admirar sua força e sua integridade.
Já os demais personagens são todos cativantes, apesar de destacar duas. Júlia, a mãe de Lake, é uma mulher forte e admirável. O jeito como ela cuida dos filhos e os conselhos que dá para Lake fizeram com que ela se tornasse uma das minhas personagens favoritas. Destaco ainda a Eddie, uma aluna da nova escola de Lake, que rapidamente se torna melhor amiga dela. Dona de uma personalidade forte, Eddie proporciona alguns dos momentos mais engraçados do livro, Eddie tem uma história surpreendente e comovente.

Fiquei muito tocada com esta história e compreendi completamente os elogios feitos a Colleen Hoover. Ela tem uma escrita leve e envolvente, apresentando personagens realistas e cativantes, com dilemas que o leitor acredita e entende. Me envolvi tanto que, assim que terminei Métrica, comecei a ler sua continuação, Pausa. Em breve, vai ter resenha aqui no blog. Mas, por enquanto, recomendo muito este excelente primeiro volume da série Slammed. Espero que vocês possam se encantar com esta história tanto quando eu. 

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.