Cinco filmes românticos que têm tudo a ver com literatura


Hoje a coluna Das páginas para as telas está de volta, mas em um formato um pouco diferente. Me pediram para indicar filmes românticos, então, ao invés de falar em detalhes sobre um único filme, fiz uma lista com cinco indicações. Escolhi para a lista alguns dos meus favoritos e que têm tudo a ver com literatura.
Vocês vão perceber ao longo da lista, que nem todos os filmes escolhidos são adaptações exatas dos livros. No entanto, em todos eles vocês vão encontrar algum vínculo com a literatura.

1 – 10 coisas que eu odeia em você
Elenco: Julia Stiles, Heath Ledger, Josph Gordon-Lewit
Direção: Gil Junger
Ano: 1999 / Nacionalidade: EUA

            Escolhi esse filme para começar a lista por ser uma das minhas comédias românticas favoritas (e de muita gente, né?). Além disso, algumas pessoas não sabem, mas trata-se de uma versão moderna do clássico de William Shakespeare, A megera domada.
            Na trama, duas irmãs com personalidades muito diferentes, Katy e Bianca, são criadas por um pai super-protetor. Enquanto, Katy, a mais velha, é desprezada pela maior parte das pessoas na escola por seu jeito mais “agressivo”, Bianca é uma das populares e logo chama a atenção de dois alunos. O problema é que o pai delas estabelece uma regra que Bianca só poderá namorar, quando Katy tivesse um namorado, algo que ela não pretende fazer tão cedo.
            Para resolver a questão, Cameron, um dos colegas interessados em Bianca, tem a ideia de pagar alguém para sair com Katy. O escolhido é Patrick Verona, um estudante misterioso que parece ser o único que não é intimidado pelo jeito de Katy.
         Esse filme foi responsável por lançar Heath Ledger para o estrelato e, só por isso, já vale a pena ser assistido. No entanto, a história é muito engraçada e apaixonante, daquelas que dá vontade de assistir de novo várias vezes. Além disso, 10 coisas que eu odeio em você tem algumas das cenas mais marcantes do cinema quando o assunto é comédia romântica. Então, se você ainda não viu, está perdendo tempo. E, se já viu, por que não ver de novo?


2 – Shakespeare apaixonado
Elenco: Joseph Fienes, Gwyneth Paltrow, Judi Dench, Colin Firth, Imelda Staunton
Direção: John Madden
Ano:1996 / Nacionalidade: EUA/ Reino Unido
         Já que o filme anterior era uma releitura de um livro do Shakespeare, por que não incluir um sobre o próprio autor?  Em Shakespeare Apaixonado é criada uma história em que o famoso escritor teve um período de bloqueio criativo no qual não conseguia escrever nenhuma peça. Tudo muda quando ele conhece a jovem Viola, que tinha grande admiração por ele e sonhava em atuar, algo proibido para as mulheres. Para burlar a lei, Viola se disfarça de homem para se aproximar de Shakespeare e ensaiar com ele. Assim, a inspiração ao autor retorna e ele volta a escrever. No entanto, a família dela decide casá-la com Lord Wessex, ameaçando a felicidade deles.
         Apesar de não ser inspirada em fatos reais, é um filme leve e romântico, repleto de referências à obra de Shakespeare. Com certeza, vai agradar aos fãs de filmes românticos e quem gosta da obra do autor.


3 – Muito bem acompanhada
Elenco: Debra Messing, Dermont Mulroney, Amy Adams, Jack Davenport, Jeremy Sheffield
Direção: Clare Kilner
Ano: / Nacionalidade: EUA

            Esse, confesso, foi surpresa até para mim. Quando assisti “Muito bem acompanhada”, amei a história e os personagens. É um filme leve, divertido e romântico. O que eu não sabia é que ele é inspirado em um livro. Trata-se da adaptação do livro Asking for trouble, de Elizabeth Young.
          O filme conta a história de Kat Ellis, uma mulher que havia sido abandonada pelo noivo dois anos antes e se mudado para os EUA. No entanto, sua irmã caçula agora irá se casar e ela precisa retornar e reencontrar seu passado, uma vez que seu ex-noivo será padrinho no casamento. Para mostrar que já superou a situação, Kati contrata Nick para se passar por seu namorado. O que ela não esperava era que uma relação que deveria ser profissional e de fachada iria confundir seus sentimentos.



4 – A casa do lago
Elenco: Sandra Bullock, Keanu Reeves, Christopher Plummer, Dylan Walsh
Direção: Alejandro Agresti
Ano: 2006 / Nacionalidade: EUA
           
        Este filme é um dos meus queridinhos quando se trata de romance e foi o responsável por me apresentar um livro se tornou um dos meus preferidos. Apesar de não se tratar exatamente de uma adaptação ou releitura, A casa do lago faz diversas referências à Persuasão, da Jane Austen.
          O filme traz a história de um amor que supera o tempo. Mas não é apenas no sentido de um casal que passa um longo período afastado até se reencontrar: os dois protagonistas estão em tempos diferentes; mais precisamente, dois anos de distância. Kate vive em 2006, Alex em 2004. Kate acabara se mudar da casa do lago em que vivia em Illinóis para um apartamento em Chicago e escreve pedindo ao novo inquilino da casa que encaminhe as suas correspondências para lá. No entanto, Alex responde afirmando que ninguém havia morado ali antes dele. Os dois começam a trocar cartas e descobrem que estão, de fato, vivendo em anos diferentes.


5 – Brooklyn
Elenco: Saoirse Ronan, Emory Cohen, Domhnall Gleeson, Jim Broadbent e Julie Walters.
Direção: John Crowley
Ano: 2015 / Nacionalidade: Irlanda, Reino Unido, Canadá
           
         Indicado ao Oscar de Melhor Filme deste ano, Brooklyn foi uma surpresa para mim.  Trata-se de uma história leve e encantadora, adaptada do livro homônimo de Colm Tóibín.
           O filme conta a história da jovem irlandesa Ellis, que consegue um emprego nos EUA, mas precisa deixar a família para traz. Em Nova York, Ellis vai morar no bairro Brooklyn, onde tentará começar uma nova vida. No entanto, a adaptação dela a um país diferente é difícil no começo e ela se sente muito sozinha. As coisas se tornam mais fáceis quando ela conhece e se apaixona por um jovem bombeiro italiano que a ajuda nesse processo de transição. No entanto, ela logo fica dividida entre dois países e entre o amor que sente por Tony e o dever que tem com sua família.



         Gostaram das indicações? Me contem aí nos comentários se já assistiram algum ou pretendem assistir. Além disso, quando quiserem sugerir algum tema, podem falar aí nos comentários ou pela página no Facebook. O quê? Ainda não segue a fanpage do blog? Então, aproveita o link na barra lateral e comece a seguir agora, para não perder nenhuma novidade. 

[Dica da Malu] Cartas de amor aos mortos

Autora: Ava Dellaira
Editora: Seguinte
Páginas: 344
Comprar: Amazon

Hoje vim falar sobre Cartas de amor aos mortos, uma das leituras mais difíceis que tive esse ano. Trata-se de uma história linda, mas que aborda temas muito sérios e duros de serem encarados.
O livro acompanha a adolescente Laurel, cuja irmã mais velha, May, havia morrido em um acidente alguns meses antes. Ainda de luto pela perda de alguém que era seu porto-seguro, sua melhor amiga e a pessoa a quem mais admirava, a menina sente-se confusa e sem saber como lidar com as mudanças na sua vida. Os seus pais, que haviam se divorciado quando as duas eram mais novas, estão ainda mais distantes um do outro e da própria filha. A mão dela resolve se mudar para Califórnia e Laurel passa a viver revezando entre a casa de seu pai e de sua tia, Amy.
Prestes a começar o Ensino Médio, Laurel decide mudar para outra escola, onde ninguém a conhecia e ela não precisaria lidar com a ausência da irmã. No entanto, sua professora pede que os alunos escrevam uma carta para alguém que admiravam e que já tivesse morrido. Assim, Laurel começa a escrever diversas cartas para diferentes artistas e personalidade que ela admirava, onde “conversa” com eles sobre fatos da vida deles, o que vem acontecendo em sua vida desde a morte da sua irmã e como era tudo antes do acidente.
O primeiro ponto que destaco é a sensibilidade da autora na construção e condução da história. Tudo é narrado de uma maneira delicada, pela perspectiva da menina. Através das cartas, vamos conhecendo Laurel aos poucos, entendendo a profundidade da sua dor e os seus traumas.
“Havia uma barreira entre mim e o mundo. Parecia uma grande parede de vidro, espessa demais para ser atravessada. Eu poderia fazer novos amigos, mas eles nunca me conheceriam, não de verdade, porque nunca conheceriam minha irmã, a pessoa que eu mais amava no mundo. E nunca saberiam o que eu fiz. Eu precisava aceitar que estava do outro lado de uma parede intransponível. ”
Gostei muito dos personagens desta história. Além da protagonista, somos apresentados à sua família, seus novos amigos (Hanna, Natalie, Kristen e Tristan) e Sky, um menino misterioso por quem ela se apaixona. Apesar de tudo ser narrado pela visão de Laurel, conseguimos conhecer e entender os demais personagens e seus conflitos. Além disso, todos eles apresentam traumas e inseguranças muito fortes e nos sensibilizamos com eles tanto quanto com a protagonista.
O livro também nos oferece a oportunidade de saber mais sobre artistas e personalidades que talvez não conhecêssemos ou que não soubéssemos tanto sobre eles. Entre as pessoas para quem Laurel escreve, encontramos Kurt Cobain, River Phoenix, Heath Ledger, Amy Whinehouse, Judy Garland e América Earhart. Em comum, o fato de que todos foram excepcionais em suas profissões, conquistando a admiração e inspirando pessoas no mundo todo, mas enfrentaram traumas e sofrimentos que marcaram suas vidas.
“O homem na música tenta amar a garota, mas ela não está ali, não completamente. Ela está fugindo de algo dentro de si, algo que ele não consegue ver. Acho que existe algo assim dentro de mim.”
Me encantei com cada uma das cartas de Laurel. O modo como ela conta a sua vida e a destas pessoas que tanto admira aproxima o leitor e aumenta o envolvimento com a história. Além disso, em alguns momentos percebíamos com tanta clareza os sentimentos de Laurel que era como se estivéssemos sentindo junto com ela.
A escrita de Ava Dellaira é bastante fluida e completamente envolvente. Apesar de não ser uma história leve, a leitura não é cansativa, pois os sentimentos dos personagens são apresentados de uma maneira tão sensível que rapidamente nos apegamos a eles. A única dificuldade que senti em alguns momentos da leitura é que não conseguia compreender algumas ações da protagonista, por não conhecer sua história toda, então, acabava me irritando um pouco com ela. No entanto, à medida que entendemos melhor alguns acontecimentos da vida de Laurel, é impossível não compreender seu comportamento e se sensibilizar ainda mais com ela.

Confesso que esperava encontrar em Cartas de amor aos mortos uma abordagem um pouco mais superficial sobre o luto e a necessidade de seguir em frente. Fiquei surpresa ao me deparar com uma história que vai muito além disso, abordando temas profundos e dolorosos. Além disso, amei conhecer mais sobre essas personalidades e descobrir um lado mais humano deles. Recomento muito este livro para todos que desejam uma história tocante, com uma bela mensagem. Sem dúvida, um dos livros mais lindos daqueles voltados para o público Jovem Adulto que eu já li. 

Tag - By The Book

Segunda-feira está virando o dia oficial da tag aqui no blog. Mas tem jeito melhor de começar a semana? Hoje vou trazer uma que eu vi no canal Resenhando Sonhos, mas que foi traduzida da original pela booktuber Tatiana Feltrin. Vou deixar todos os links no final do post para vocês conferirem.
Um aviso é que a tag original era composta por 10 perguntas, mas escolhi não responder uma, porque eu não tinha a menor ideia de qual livro citar. Quem quiser ver a versão completa, nos dois vídeos que eu deixei o link vocês vão encontrar.
Sem mais delongas, vamos às minhas respostas:

1 – Qual livro está na sua cabeceira?
Atualmente, estou lendo o tão comentado Por lugares incríveis, da Jennifer Niven. Ouvi tantos elogios a esse livro que estou com a expectativa alta, mas até o momento estou gostando muito. Quando eu terminar a leitura, claro que terá a resenha aqui no blog.

2 – Qual foi o último livro realmente bom que você leu?
Terminei recentemente a leitura de Cartas de amor aos mortos, da Ava Dellaira e fiquei encantada. O livro é bem diferente do que eu esperava, mas foi ainda melhor. Não vou entrar em detalhes aqui, porque pretendo publicar a resenha em breve, mas o livro trabalha assuntos muito sérios e difíceis de uma maneira muito delicada. É uma leitura que recomendo muito!

3 – Se você pudesse encontrar qualquer autor (a), vivo (a) ou morto (a), qual seria e o que você perguntaria para ele (a)?
Tem muito autores que eu admiro e adoraria ter a oportunidade de conversar. Mas pela importância que Harry Potter tem na minha vida e pela quantidade de assuntos a serem explorados nesse universo, escolhi J. K. Rowling. Muitas perguntas que eu gostaria de fazer seriam spoilers para quem não leu os livros, então, escolhi duas  mais simples: qual a característica que ela mais admira no Harry e do que ela mais se orgulha quando pensa em sua trajetória como escritora e a influência de seu trabalho para toda uma geração de leitores.

4 – Qual livro ficaríamos surpresos por encontrar na sua estante?
            Eu tenho um gosto diversificado, então, dificilmente alguém ficaria surpreso ao ver meus livros. Mas algumas pessoas não sabem que gosto de livros de suspense, então, possivelmente, se surpreenderiam ao encontrar livros do Dan Brown na minha estante.

5 – Como você organiza sua biblioteca pessoal?
            Geralmente, coloco os que ainda não li de um jeito que fique mais fácil de visualizá-los. E, à medida que vou lendo, organizo por autores.

6 – Qual livro você já deveria ter lido?
            Para minha vergonha, ainda não li Dom Casmurro, do Machado de Assis. Ninguém nunca me cobrou por não ter lido esse livro ainda, mas eu me sinto um pouco culpada e pretende resolver isso em breve.

7 – Livro superestimado que você não gostou; dizem que é a sua cara e você não gostou; e último livro que você abandonou.
            Acho que posso condensar essas três respostas em uma só: O senhor dos anéis. Sei da importância dos livros de Tolkien para a literatura, mas quando li (há muito tempo), não consegui me envolver com a história. Tanto que parei na metade de As Duas Torres e não retomei. Mas, não me julguem. Eu ainda pretendo fazer uma tentativa e ler desde o primeiro de novo. Gostei muito de O Hobbit e acho que agora, um pouco mais velha, tenho mais chance de gostar dessa série.

8 – Que tipo de história chama sua atenção e de qual você mantém distância?
           Para quem me acompanha aqui no blog, essa é fácil. Eu amo romance, fantasia e Young Adults. Além disso, gosto de livros com personagens fortes ou que amadureçam ao longo da história. Por outro lado, mantenho distância de qualquer livro que romantize relacionamentos abusivos. Sim, estou falando de Cinquenta tons de cinza e afins.

9 – Quais livros você pretende ler em breve?
            A lista é grande, mas escolhi os que estou mais curiosa no momento: Princesa das águas, da Paula Pimenta; Fúria Vermelha, do Pierce Brown; O lado feio do amor, da Colleen Hoover; Em algum lugar nas estrelas, da Clare Vanderpool; e P.S: Ainda amo você, da Jenny Han.


            Espero que tenham gostado da By The Book e das minhas respostas. Sintam-se à vontade para fazer a tag também e comentem aí as suas respostas ou deixem o link para eu ver. 

LINKS:
Vídeo original (em inglês): https://www.youtube.com/watch?v=aRpxSlKNndo

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.