Cinco livros que me lembram o inverno

Com o tempinho frio dos últimos dias, especialmente após o início do inverno semana passada, eu acabei me inspirando a indicar alguns livros que me lembram essa época do ano. Escolhi livros que não necessariamente são ambientados no inverno, mas que considero leituras ideais para dias com temperatura mais baixa, em que a gente fica lendo de baixo das cobertas por horas seguidas.

Fazendo meu filme 2: Fani na terra da rainha - Paula Pimenta
Como o próprio título do livro já diz, a história é ambientada na Inglaterra. Então, o motivo para esse livro entrar na lista é óbvio. A maior parte da trama se passa no inverno e primavera europeus, e, entre as muitas aventuras que vive na terra da rainha, Fani ainda precisa se adaptar a temperaturas muito mais baixas que aqui no Brasil. Mas, além da razão óbvia, ainda escolhi esse livro por ser uma daquelas leituras bem leve e que dão um quentinho no coração, ideal para ler enrolado nas cobertas em um final de semana mais frio. Comprar: Aqui

A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard
Esse livro já me remete ao inverno pela capa prateada. Além disso, acho que livros de fantasia e distopia, de modo geral, combinam muito com essa época do ano, mas no caso de A Rainha Vermelha isso ainda é reforçado pela própria ambientação da trama. Outro aspecto que torna este livro ideal para ler no inverno é a história dinâmica, cheia de reviravoltas, que prendem a atenção do leitor do começo ao fim. Então, é daqueles livros que a gente se enrola nas cobertas e perde a noção do tempo enquanto lê. Comprar: Aqui

The heart of betrayal - Mary E Pearson
Incluí esse livro por vários motivos, começando também pela capa. A ilustração em tons de azul mais escuro e com clima de suspense, já me fazem pensar em um ambiente frio. Além disso, a trama em si e os lugares em que ela se passa também remetem a temperaturas mais baixas. Grande parte da história se desenvolve em construções antigas e frias ou em campos cobertos pela neve, então, é impossível ler e não pensar em inverno. Comprar: Aqui


Trono de Vidro - Sarah J Maas
Esse livro já começa com a protagonista em uma prisão gelada e depois partindo em uma viagem em uma região coberta pela neve indo em direção a um castelo de vidro. Se essa descrição não é a cara do inverno, não sei mais o que é. Além disso, é uma trama sombria, cheia de mistérios, perigos, reviravoltas e muita tensão. É um livro que eu leria em qualquer época do ano devido à qualidade da escrita de Sarah J Maas, mas acho que a leitura pode se tornar ainda mais interessante com esse clima mais frio. Comprar: Aqui

O casal que mora ao lado - Shari Lapena
Para não dizer que essa lista vive só de livros de fantasia, não podia faltar um de suspense né? Acho que o próprio clima mais tenso da história já combina perfeitamente com dias de inverno. Além disso, é uma leitura fluida e rápida, que faz o leitor sentir vontade de ficar lendo por horas seguidas debaixo das cobertas e depois tomar um chá bem quentinho enquanto processa tudo o que leu. Comprar: Aqui


Bom, essas são as minhas indicações para quem procura livros que combinem com o inverno. Apesar de acreditar que um bom livro pode ser lido em qualquer estação do ano, não vejo motivos para não aproveitar os dias frios como inspiração na hora de escolher a próxima leitura. E, vocês, concordam com a minha lista? Me contem nos comentários se já leram algum desses que eu escolhi e quais livros fazem vocês se lembrarem do inverno.

[Dica da Malu] O casal que mora ao lado

Sinopse: “Tudo começou em um jantar... Um thriller psicológico surpreendente da autora best-seller internacional, Shari Lapena .É o aniversário de Graham, e sua esposa, Cynthia, convida os vizinhos, Anne e Marco Conti, para um jantar. Marco acha que isso será bom para a esposa; afinal, ela quase nunca sai de casa desde o nascimento de Cora e da depressão pós-parto. Porém, Cynthia pediu que não levassem a filha. Ela simplesmente não suporta crianças chorando.
Marco garante que a bebê vai ficar bem dormindo em seu berço. Afinal, eles moram na casa ao lado. Podem levar a babá eletrônica e se revezar para dar uma olhada na filha. Tudo vai dar certo. Porém, ao voltarem para a casa, a porta da frente está aberta; Cora desapareceu. Logo o rapto da filha faz Anne e Marco se envolverem em uma teia de mentiras, que traz à tona segredos aterradores.”Autora: Shari Lapena / Editora: Record / Páginas: 294 / Comprar: Amazon

Hoje resolvi trazer a resenha de uma leitura que fiz recentemente e que me fez redescobrir a vontade de ler livros de suspense: O casal que mora ao lado, da autora Shari Lapena. Apesar de sempre ter gostado de ler tramas cheias de mistério e que deixam o leitor curioso até as últimas páginas, eu tenho uma tolerância muito baixa quando essas histórias caminham para um lado mais assustador. Sou medrosa assumida e não é difícil eu ficar com medo, mesmo não sendo um livro de terror. Por esse motivo, tenho uma certa dificuldade em achar livros de suspense que me agradem e acabei me afastando do gênero.
No entanto, quando li a sinopse de “O casal que mora ao lado”, a minha curiosidade foi imediatamente despertada e eu precisava saber o que tinha acontecido com a bebezinha. De um modo geral, acho que foi uma boa escolha para voltar a ter contato com o gênero e fiquei muito satisfeita com a leitura.
Neste livro, conhecemos o casal Ana e Marcos Conti. Desde que sua filhinha nasceu, há seis meses, ela tem ocupado todo o tempo do casal, especialmente de Ana. No entanto, quando são convidados pelo casal que mora na casa ao lado para um jantar, Marco acaba convencendo Ana a acompanhá-lo, pois fazia muito tempo que não saiam de casa. O problema é que, justo nesse dia, a babá não pôde ir e os dois acabaram deixando Cora em casa, pois a vizinha, Cinthia, haviam pedido para que eles não a levassem.
Com receio de deixar a filha completamente sozinha, os dois resolvem se revezar para voltar em casa de meia em meia hora para ver como a filha estava e levam com eles a babá eletrônica para sempre darem uma olhada nela. O problema é que, quando voltam para casa, encontram a porta da frente aberta e o quarto de Cora vazia. Por se tratar de um bebê, é claro que alguém havia levado a menina, mas quem? Começa, então, uma grande investigação para descobrir o paradeiro da bebezinha e quem foi o culpado por seu sumiço.


Quando a investigação começa, várias possibilidades são levantadas. Segredos sobre os personagens são revelados e, à medida que os conhecemos melhor, novas hipóteses vão surgindo. Durante boa parte da leitura, pensei em inúmeras possibilidades e não tinha a menor ideia de qual era a mais provável.
O mistério não dura até o final do livro, mas se engana quem pensa que isso é um problema. Para mim, mesmo que a revelação sobre quem estava por trás do sumiço da criança não tenha sido totalmente inesperada, a maneira como ela foi construída me surpreendeu. Ver até que ponto o ser humano pode ir e entender as motivações de cada personagem foram um aspecto muito interessante deste livro.
E por falar em personagens, acho que o grande mérito da autora foi no modo como ela os construiu. Todos os envolvidos na história são extremamente humanos e complexos, o que torna ainda mais perturbador imaginar que qualquer um deles possa ser o responsável pelo sumiço da bebezinha. Assim, ao mesmo tempo que me solidarizava com a dor deles, também percebia falhas graves e aumentava minhas suspeitas sobre todos.
Anne é uma mulher emocionalmente fragilizada, que sofre com depressão pós-parto, mas ama a filha mais que tudo e se culpa terrivelmente pelo que aconteceu à menina. Por outro lado, ela é também uma pessoa passional e um tanto mimada pelos pais. Já Marco, claramente ama a esposa e a filha, mas é um homem ambicioso e que tem problemas com os sogros, que nunca o aceitaram. No decorrer da história, também conhecemos mais sobre a mãe e o padrasto de Ana e a relação dos dois com o genro e a filha. Há ainda o casal vizinho, Cinthya e Graham, que, ao longo do livro, se tornam ainda mais excêntricos.
Com relação à escrita da autora, fui surpreendida positivamente. Não só gostei muito do modo como ela construiu os personagens, como achei que a condução da trama foi fluida e extremamente eficiente. A autora trouxe suspense e drama na medida certa, fez com que o leitor se envolvesse com os personagens e mergulhasse cada vez mais no mistério, e ainda trouxe revelações e reviravoltas no momento certo. Assim a leitura é bastante ágil e envolvente.
A minha única ressalva em relação ao livro é o final, mais especificamente o último capítulo. Apesar de ser totalmente condizente com a trama, eu preferia que a história tivesse se encerrado de uma outra maneira. Não vou explicar, pois é óbvio que isso traria spoilers. Mas, de qualquer forma, essa observação foi muito mais uma questão de gosto pessoal do que um problema do livro. Como disse antes, é um final que está de acordo com tudo que havia acontecido antes e amarra muito bem a história.
A edição da Editora Record está impecável. Não encontrei nenhum erro de revisão, e achei o tamanho, o espaçamento e as páginas amareladas ideais para leitura. Além disso, a capa é bastante simples, mas totalmente adequada ao livro.
Então, recomendo muito este livro para quem está procurando um bom livro de suspense. É um thriller psicológico envolvente e bem construído, que certamente dará ao leitor motivos para pensar depois do fim da leitura. Além disso, por se tratar de uma leitura envolvente e dinâmica, pode ser interessante para quem deseja começar a se aventurar nesse gênero.
Se interessaram pelo livro? Me contem aí nos comentários se querem ler ou já leram “O casal que mora ao lado” e quais são suas expectativas ou impressões sobre o livro. Só peço que evitem spoilers, para não estragar a surpresa de quem não leu. 

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.