[Resenha] A única memória de Flora Banks

29 de jul. de 2020


Oi, meus amores! Como vocês estão essa semana? Hoje eu vim comentar sobre uma das minhas leituras mais recentes, que chamou minha atenção desde que seu lançamento foi anunciada. Estou falando sobre A única memória de Flora Banks, publicado no Brasil pela Verus Editora.
Confesso que quando vi a capa dele, já me empolguei. Mas foi a sinopse que me ganhou de vez e me fez querer incluir esse livro nas minhas leituras o mais rápido possível. Afinal, não é todo dia que encontramos uma história na qual a protagonista só consegue manter uma único memória, não é mesmo?

Então, agora que eu já li, vim aqui contar para vocês o que achei da leitura e se a história de Flora Banks é tão instigante quanto parece. Claro que a resenha não terá nenhum spoiler (para saber qual o segredo da Flora, só lendo o livro hehe), então, podem ficar tranquilos.


Autora: Emily Barr
Editora: Verus
Tradução: Débora Isidoro
Páginas: 280
Onde comprar: Amazon
Exemplar recebido de parceria com a editora
Sinopse: “Como saber em quem confiar quando não se pode confiar nem em si mesmo? Flora Banks tem amnésia. Sua mente reinicia várias vezes ao dia desde que ela tinha dez anos, quando um tumor removido de seu cérebro levou embora a capacidade de criar novas memórias. Ela não consegue se lembrar de nada do dia a dia: a piada que a amiga fez, as instruções que seus pais lhe deram, quantos anos tem... até beijar o namorado da melhor amiga. Estranhamente, no dia seguinte ela se lembra do beijo.É a primeira vez que Flora se recorda de algo. Mas o garoto se muda para o Ártico. Segui-lo será a chave para Flora descobrir a verdade perturbadora sobre sua vida. A única memória de Flora Banks é um livro sensível com um mistério eletrizante, cheio de segredos, mentiras e uma protagonista frágil porém corajosa, em busca de um passado sem o qual ela não pode saber a verdade sobre si mesma.” 
Flora Banks é uma adolescente de 17 anos que, à primeira vista, parece levar uma vida perfeitamente comum: mora com os pais amorosos, tem uma melhor amiga de infância e nunca faz nada de errado. Porém, sua vida não poderia estar mais longe de ser comum. Flora sabe muito pouco sobre sua vida, pois aos 10 anos teve um tumor na cabeça, que foi retirado em uma cirurgia quando ela tinha 11. Desde então, a garota já não consegue reter memórias por mais do que algumas horas.
Por isso, frequentemente ela se vê confusa, sem saber onde está, o que está fazendo e até mesmo sua idade. Para ela, é como se ainda tivesse 10 anos. Então, ela precisa estar sempre com post its, recados anotados no braço e o caderno onde seus pais escreveram a história para ela. Porém, um dia Flora consegue manter uma memória. Ela beija o namorado de sua melhora amiga e se lembra disso. Não porque escreveu em post-its e no seu braço, mas porque ela guardou a lembrança de toda a conversa que tiveram naquela noite e do beijo.
O problema é que Drake se mudou no dia seguinte para o Ártico e Flora não tem a menor ideia do motivo que a fez se lembrar desse beijo. Mas uma coisa ela tem certeza: se ela se lembra do beijo que trocaram, então, Drake pode ser a chave para ela conseguir recuperar suas memórias. Então, Flora decide ir atrás do garoto para encontrar seu amor e as respostas que sempre buscou. Mas nessa aventura, ela pode descobrir muito mais do que imaginava.



Quando li a sinopse de A única memória de Flora Banks, o que me deixou intrigada foi tentar entender o motivo de a única lembrança que ela conseguiu manter foi a do beijo com o namorado da amiga. Porém, ao longo da leitura fui percebendo que há muito mais na história de Flora a ser descoberto. Quanto mais eu li, mais peças surgiam no quebra-cabeça e mais instigada eu ficava.
Então, não preciso nem dizer que fiquei rapidamente envolvida com a leitura. Me vi presa desde a primeira página e lia sem nem perceber as páginas passando. Contribuiu muito para isso a escrita fluida da autora e a habilidade que ela teve para construir o mistério. Como a história é narrada pela perspectiva de Flora, ficamos confusos junto com ela e, muitas vezes, não sabemos o que aconteceu entre um momento e outro da trama, porque a própria narradora não sabe. Confesso que isso me deixou angustiada em muitos momentos, mas ainda mais ansiosa para continuar lendo e descobrir toda a história.

“Pego no sono imaginando como é ser normal. Imagino minha cabeça cheia de imagens nítidas de todas as coisas que realmente aconteceram, arquivadas para eu poder voltar a elas e vê-las sempre que quiser. Não consigo imaginar esse luxo e adormeço chorando por tudo que me falta. Espero acordar e ainda conseguir lembrar.”


Porém, apesar de ter ficado envolvida com a leitura, tive dificuldade para me conectar com a protagonista. Flora é uma adolescente de 17 anos, mas suas lembranças ainda são de quanto tinha apenas 10 anos. Por isso, em muitos momentos suas atitudes são infantis e imaturas. Claro que isso é perfeitamente compreensível pela situação em que a personagem se encontra e seu comportamento é justificável. Mas, mesmo entendendo, demorei muito para me apegar à Flora. 



Outro ponto que me incomodou um pouco foi o fato de que os personagens secundários não foram muito explorados. Como toda a história é narrada pelo ponto de vista da Flora e ela está constantemente se esquecendo de tudo, incluindo das pessoas que conhece, esses personagens acabam não sendo muito aprofundados. E, apesar de entender que isso é algo necessário para a narrativa, lamentei não conseguir ver mais de alguns que me cativaram no pouco que apareceram.
Mas, apesar dessas ressalvas, preciso dizer que este livro conseguiu me conquistar. A jornada da Flora em busca das suas memórias é tão diferente, cheia de revelações e muito aprendizado, que foi impossível não me envolver. É um livro que foi bem além do que eu esperava, mostrando uma personagem que está se redescobrindo e aprendendo muito nesse caminho, mas também deixando diversas lições para o leitor. Ele fala sobre amor e descobrir quem realmente é, mas deixa mensagens sobre superação, amizade, família e o real significado de coragem e felicidade.
Com relação à edição, fiquei apaixonada com o trabalho da editora nesse livro. A capa é linda e de um material muito gostoso de tocar. Além disso, as páginas são off white e de um papel mais grosso e resistente. As fontes têm um tamanho muito bom e deixam a leitura mais confortável.
Assim, só posso dizer que A única memória de Flora Banks é um livro realmente especial e que me surpreendeu de várias formas. Esse foi meu primeiro contato com a escrita da autora, mas com certeza quero ler mais livros dela. A leitura foi muito envolvente e fluida, e me deixou com lições que realmente me tocaram. Posso ter demorado a me apegar à Flora Banks, mas ela sem dúvida conseguiu me ensinar muito ao longo.

5 comentários:

  1. Ameeei sua resenha, fiquei super curiosa pra saber qual segredo de Flora haha me chamou muito a atenção sua descrição, a sinopse e a capa está bem bonita. :D

    https://www.submersaempalavras.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Que bom que se interessou pelo livro. Espero que leia e também curta a leitura. Beijos!

      Excluir
  2. Olá Malu, tudo bem? Em que mundo eu estava que não fiquei sabendo do lançamento desse livro? Menina, que história é essa! Amo livros que falam sobre o desenvolvimento do cerebro e as surpresas que ele pode nos dar, porque eu sempre confiei muito na minha memória. Adorei sua resenha e com certeza, vou comprar esse livro!

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Menina, eu estou louca para ler esse livro desde que soube que seria lançado. A premissa é muito interessante, tenho bastante curiosidade de ler. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Oi Malu, tudo bem?

    Eu acho que só tinha visto a capa do livro uma vez, mas não lembrava da sinopse ou algo assim. E como você mesmo disse, é um enredo muito curioso, eu ficaria louca para entender melhor até que ponto a autora quer chegar, e realmente essas atitudes infantis são irritantes, mesmo quando a gente entende o motivo.
    Gostei da resenha e das fotos!

    Beijinhos,

    Ani
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir