[Resenha] Uma estranha em casa


Imagine acordar em um hospital após sofrer um acidente e não se lembrar de nada. Pior ainda, ser informado que estava dirigindo em alta velocidade em um bairro que você nunca andaria? Pois é isso que acontece no livro Uma estranha em casa, da Shari La Pena, lançado pela Editora Record e que foi uma das minhas leituras de junho. E que leitura, gente!
Sabe aqueles livros que prendem a atenção do leitor e não dão vontade de largar por nada? É o caso de Uma estranha em casa! Thriller policial escrito pela mesma autora de O casal que mora ao lado, esse livro prendeu a minha atenção da primeira à última página com uma trama ágil, bem construída e envolvente.

Autora: Shari Lapena
Tradutor: Márcio El-Jaick
Editora: Record
Páginas: 266
Onde comprar: Amazon
Livro recebido de cortesia da editora
Sinopse: “Karen Krupp acorda no hospital, sem ter a menor ideia de como foi parar nele. Tom, seu marido, diz que a porta estava destrancada quando ele entrou em casa, as luzes acesas, e que a esposa provavelmente saiu às pressas quando estava preparando o jantar, pelo que ele viu na cozinha. Karen perdeu o controle do carro enquanto dirigia a toda a velocidade e bateu de frente num poste. O mais estranho: o acidente aconteceu num dos bairros mais perigosos da cidade. A polícia suspeita de que Karen esteja envolvida em algo obscuro, mas Tom tem certeza de que não. Ele está casado com ela há dois anos, conhece muito bem a mulher. Será mesmo? Vai perguntar tudo a Karen quando chegar ao hospital, depois de dizer que a ama e que está feliz por ela ter sobrevivido, é claro. Mas Tom não obtém resposta nenhuma. Porque ela não se lembra de absolutamente nada.”

Por que você fugiria de casa se tem uma vida feliz?”
Em Uma estranha em casa, o leitor irá se deparar com um mistério logo nas primeiras páginas. Tom Krupp chegou em casa ansioso para ver sua esposa, mas Karen não estava. Ela saiu deixando a porta aberta e sem levar o celular e nenhum documento. Logo, um policial chega avisando que Karen sofreu um acidente enquanto em alta velocidade em um bairro perigoso da cidade.
A princípio, Tom não acredita que seja mesmo sua esposa. Karen nunca dirige em alta velocidade, e o que ela estaria fazendo em um bairro como aquele? Porém, era ela mesmo e, agora, ele e a polícia precisavam de respostas. O problema é que Karen não se lembra de nada daquela noite, nem mesmo o que a levou a sair de casa tão rapidamente que nem trancou a porta. O que teria acontecido naquela noite?


Esse é o meu segundo contato com a escrita de Shari La Pena e, mais uma vez, ela conseguiu construir uma trama instigante e que prende o leitor desde o início. Já nas primeiras páginas ficamos intrigados pela situação estranha em que Karen se envolveu. Porque uma mulher que, aparentemente, tem uma vida tranquila e regrada estaria dirigindo a uma velocidade elevada em um bairro tão perigoso e tão distante de sua casa. Mas, à medida que a história avança, vão surgindo mais motivos para desconfiar dos personagens e muitas teorias vão passando pela mente do leitor, o que torna a leitura ainda mais interessante.
“Tom também está incomodado, uma questão tem lhe preocupado: será que ela não se lembra mesmo daquela noite? Ou simplesmente está escondendo algo dele? Desconfiança é um negócio insidioso: as dúvidas começaram a surgir, coisas que antes ele conseguia ignorar.”
No entanto, o suspense não é o ponto mais forte do livro. Confesso que, lá pela metade do livro, eu já tinha percebido muitas pistas e desvendado boa parte do mistério. Mas não pensem que isso deixou a leitura menos interessante. Tem dois aspectos que deixaram a trama instigante e a leitura envolvente. O primeiro deles é o destaque dado ao processo de investigação. Ao longo do livro, vemos a polícia coletando provas, interrogando suspeitos e testemunhas e procurando pistas. Com isso, mesmo quando já temos noção do que fato aconteceu naquela noite, podemos ver todo o trabalho dos detetives e como eles vão juntando os pontos, o que é algo muito interessante de  se acompanhar.
Somado a isso, há a ótima construção dos personagens, que faz com que o leitor se envolva na leitura querendo conhecer mais sobre eles. Karen e Tom são muito humanos e complexos, com camadas e conflitos que vão sendo revelados ao longo do livro. Acaba sendo difícil não se apegar aos dois e se solidarizar ao perceber as dúvidas e as desconfianças se instalando entre eles e ameaçando seu casamento. Além disso, os personagens secundários também são bem desenvolvidos e desempenham papéis relevantes na trama. Em especial, eu adorei os investigadores do caso e confesso que adoraria vê-los em outros livros.



Outro ponto que contribuiu muito para que a leitura se mostrasse tão envolvente é a escrita fluida e direta da Shari Lapena. Ela conseguiu manter o ritmo da trama intenso e soube inserir elementos na história que fizeram com que o livro continuasse interessante, mesmo quando supúnhamos já saber todo o mistério. A todo momento, foram mostradas mais facetas dos personagens ou alguma nova etapa da investigação que ajudaram a manter o envolvimento com o livro.
Tom quer que ela diga que é inocente. É tudo o que ele deseja. Para poder abraça-la e então decidir o que fazer. Quer defendê-la se for possível. É apaixonado por ela e isso não mudou. Fica surpreso com o fato de ainda poder amá-la mesmo sem confiar nela. Quer voltar a confiar.
Além disso, achei que a autora foi muito inteligente no desfecho. Quando eu tinha certeza de que já sabia tudo que poderia descobrir sobre o mistério e os personagens, veio uma revelação que me pegou de surpresa e mudou toda a minha percepção sobre o livro. Talvez, para quem tenha o hábito de ler thrillers, não seja algo surpreendente. Porém, para mim, acabou sendo o toque de mestre.
Deste modo, Uma estranha em casa acabou se mostrando um thriller bem construído, com uma trama inteligente e personagens complexos e interessantes. Quem não tem o hábito de ler o gênero, certamente será envolvido pela escrita ágil de Shari Lapena e irá se surpreender com as revelações que ela preparou. No entanto, mesmo para quem já está acostumado com livros de suspense e ache a trama previsível, acredito que a leitura ainda valerá a pena por ter um enredo tão dinâmico e gostoso de se acompanhar.  


Tag dos 50%: As leituras do primeiro semestre



Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Estamos oficialmente no segundo semestre de 2018 e está na hora de fazer um balanço das leituras que fiz nos primeiros seis meses do ano. Para isso, vou responder a já tradicional Tag dos 50% e falar sobre alguns livros que se destacaram no primeiro semestre, bem como as minhas expectativas para o próximo.
Até agora, o ano tem corrido melhor do que eu esperava e, felizmente, a maior parte das minhas leituras foram boas. Tive algumas decepções, mas vários livros me surpreenderam positivamente e superaram as minhas expectativas. Então, só me resta torcer para que o resto do ano continue assim.

1 – O melhor livro que você leu até agora, em 2018.
Fiquei muito dividida nessa pergunta, porque alguns livros mexeram muito comigo por motivos diferentes. No entanto, acredito que O ódio que você semeia, da Angie Thomas, se destacou não só por ter sido uma ótima leitura, mas por ter me tocado profundamente e despertado várias reflexões muito importantes. Como falei na resenha aqui, esse é daqueles livros que tocam o dedo na ferida e fazem o leitor ter a sensação de levar muitos tapas na cara, mas, ao mesmo tempo, também emociona e traz a esperança de que cada um de nós pode usar sua voz para transformar o mundo em um lugar melhor e sem preconceito.

2 – A melhor continuação que você leu até agora, em 2018.
Sem a menor dúvida: A Heroína da Alvorada, da Alwyn Hamilton. Esse livro foi um dos melhores que li no ano e se tornou um dos meus favoritos da vida. É um final brilhante para uma série que se mostrou perfeita do começo ao fim. Já falei muito sobre ele na resenha aqui, mas esse livro mostrou a evolução dos personagens ao longo da trilogia, enriqueceu ainda mais o universo criado pela Alwyn Hamilton e trouxe um desfecho bem amarrado e muito sensível, daqueles que deixam o leitor com a sensação de que a jornada valeu muito a pena.

3 – Algum lançamento do primeiro semestre que você ainda não leu, mas quer muito.
Pode ser uma lista? Esse primeiro semestre teve vários lançamentos incríveis, e lógico que não li nem a metade. No entanto, teve um que se destacou tanto por ter uma premissa que me deixou muito curiosa, quanto por ter sido muito elogiado desde que foi publicado: Em outra vida, talvez, da Taylor Jenking Reid. Não consegui ler no primeiro semestre, mas quero ver se consigo até o final do ano.

4 – O livro mais aguardado do segundo semestre.
Dessa vez, tive que falar três, porque três das minhas autoras favoritas vão publicar livros novos esse semestre. Começando com a Colleen Hoover, que irá publicar All Your Perfects agora em julho. Da Sarah J. Maas, tem o último volume da série Trono de Vidro, Kingdom of Ash que será lançado em outubro nos EUA. E, em dezembro, o lançamento mais aguardado do ano para mim: Queen of Air and Darkness, da Cassandra Clare, que encerra a trilogia Os Artifícios das Trevas. Infelizmente, nenhum desses livros tem previsão de lançamento no Brasil. Porém, eu não vou resistir e devo ler em inglês mesmo.

5 – O livro que mais te decepcionou esse semestre.
Fiquei em dúvida entre alguns, mas acredito que seja Tempestade de Guerra, da Victoria Aveyard. Esse livro me decepcionou não apenas porque eu tinha altas expectativas para o último livro da série A Rainha Vermelha, mas porque o livro estava excelente, até a autora estragar tudo com um final ridículo e mal escrito. Ainda não superei a raiva que senti com esse desfecho fraquíssimo e, por isso, ele foi a decepção do ano, até agora. Vocês podem conferir a resenha aqui.

6 – O livro que mais te surpreendeu.
Vou confessar que eu não esperava nada do livro “Seduzida por um guerreiro escocês”, da Maya Banks. Para começar, o título não me atraía muito (acho brega, pronto falei). Segundo, já tinha ouvido algumas críticas aos livros da autora por romantizarem relacionamentos abusivos. Felizmente, não foi o caso de Seduzida por um guerreiro escocês, e o romance nesse livro é lindo e muito bem construído. Além disso, fui surpreendida positivamente pela protagonista Evelinne, que é um mulher forte e com uma enorme capacidade de superação.

7 – Novo autor favorito (que lançou livro nesse primeiro semestre ou que você conheceu recentemente).
Percebi que a maioria dos autores que eu li esse ano, já conhecia a escrita deles antes. No entanto, entre os autores que eu nunca tinha lido nada, a Lisa Maxwell se destacou com o livro O último dos magos (uma das melhores fantasias que já li). Eu sei que o livro é um lançamento do ano passado, mas eu só li em março de 2018, então, está valendo para a pergunta.

8 – A sua quedinha por um personagem fictício mais recente.
Difícil escolher, mas o meu crush literário mais recente é o Tristan, do livro Como se vingar de um cretino. Eu escrevi uma resenha sobre esse livro recentemente aqui e comentei que de cretino ele não tem nada, e não tem mesmo. É um personagem apaixonante, com mais camadas do que imaginamos a princípio e que vai demonstrando várias qualidades aos longo do livro. Fiquei apaixonada por ele e admito que foi um dos aspectos que mais gostei nessa leitura.

9 – Seu personagem favorito mais recente.
Para minha enorme surpresa, quando fui pensar no personagem que mais se destacou para mim nesse semestre, fiquei totalmente dividida entre três. Minha escolha inicial seria a Amani, de A Heroína da Alvorada, porém, ela já é uma das minhas personagens preferidas desde o primeiro livro da série. Então, resolvi deixar o destaque para dois personagens que roubaram a cena e entraram para o grupo dos meus favoritos da vida: Maven e Evangeline da série A Rainha Vermelha. Sim, eu sei que já os conhecia antes, mas foi nos dois livros que eu li esse ano, A Prisão do Rei e Tempestade de Guerra, que eles me conquistaram e se tornaram meus favoritos.

10 – Um livro que te fez chorar no primeiro semestre.
Outra pergunta que eu poderia responder com uma pequena lista, porque eu sou a pessoa mais chorona do mundo e alguns livros me fizeram derramar lágrimas esse ano. Porém, os que mais mexeram comigo foram: O ódio que você semeia, da Angie Thomas, e É assim que acaba, da Colleen Hoover. Foram os dois livros mais fortes que eu li esse ano, então, é fácil entender porque eles foram os que mais me fizeram chorar.

11 – Um livro que te deixou feliz no primeiro semestre.
Ah essa foi muito fácil: Um verão na Itália, da Carrie Elks. Esse livro já me deixou feliz no momento em que chegou na minha casa na caixinha da VIB. Mas, além disso, a leitura desse livro foi muito prazerosa, com um enredo bem leve e personagens extremamente carismáticos. Ele não só me salvou de uma ressaca literária, como me deixou com uma sensação de quentinho no coração muito boa. Já saiu resenha sobre ele aqui no blog, mas não preciso nem dizer que amei, né?

12 – Melhor adaptação cinematográfica de um livro que você assistiu em 2018.
Eu quase não assisti filmes no primeiro semestre, e muito menos adaptações. Surpreendentemente, a única adaptação que eu assisti foi de um livro que eu não li e que nem sabia que existia até pesquisar sobre o filme na internet. Estou falando de A Barraca do Beijo, o filme da Netflix que virou sensação desde que foi lançado. Felizmente, eu gostei bastante do filme, como comentei aqui, e não vejo a hora de ler o livro.

13 – Sua resenha favorita do primeiro semestre.
Normalmente, eu acharia essa pergunta difícil. Mas fiquei muito feliz com a resenha que escrevi sobre É assim que acaba, da Colleen Hoover. Esse livro mexeu muito comigo das duas vezes que li e tive muita dificuldade para escrever sobre ele e expressar tudo que senti enquanto lia. No entanto, fiquei muito feliz quando terminei e consegui demonstrar o quanto gostei dessa leitura.

14 – O livro mais bonito que você comprou ou ganhou esse ano.
Outro dia respondi uma pergunta parecida em outra tag e mencionou o livro Chronos – Os viajantes do tempo, que é uma edição maravilhosa da DarkSide Books. Porém, para não ficar repetitivo e porque as editoras estão sempre caprichando e deixando difícil escolher só um livro mais bonito, eu resolvi mencionar também A Heroína da Alvorada (o que posso fazer se amei até a capa do livro?). Além da capa ser simplesmente maravilhosa, a edição por dentro também está impecável.

15 – Quais livros você quer ou precisa muito ler até o final do ano.
Como a lista de livros para ler é simplesmente gigante, escolhi alguns entre os que eu estou mais curiosa e quero ler em breve: Interferências, da Connie Willies; Ainda sou eu, da Jojo Moyes; A Improbabilidade do Amor, da Hannah Rothschild; Torre do Alvorecer, da Sarah J. Maas; e Aos perdidos, com amor, Brigid Kemmerer. Felizmente, já tenho alguns desses livros e poderei priorizá-los agora no segundo semestre.


Então, esse foi um pequeno balanço das minhas leituras no primeiro semestre de 2018. Já leram algum desses livros? Me contem aí nos comentários o que vocês acharam e como foram as leituras de você na primeira metade do ano. Espero que o segundo semestre seja ainda melhor e com muitas leituras maravilhosas!

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.