[Resenha] Menina Veneno

Autora: Carina Rissi
Editora: Galera Record
Páginas: 192
Skoob
Onde comprar: Amazon
Exemplar recebido em parceria com a editora
Sinopse: “Contada sob a perspectiva ferina e cheia de humor ácido de Malvina, a madrasta, essa história vai te surpreender. Da mesma autora da série best-seller Perdida Você conhece a história de uma certa princesa que sofreu inúmeras tentativas de assassinato por sua madrasta, uma delas com uma maçã envenenada. O bem contra o mal, a indefesa donzela ameaçada pela perversa Rainha... É bonito, não é mesmo? Francamente, me embrulha o estômago só de falar dessa história da carochinha. Eu não sou uma bruxa, não sou má e eu nunca planejei matar ninguém. Por anos, fui a maior modelo do planeta, o nome mais poderoso do mundo da moda... Até o dia em que a insossa da minha enteada, Bianca, roubou a minha maior campanha. Dá pra acreditar? Bianca é tão sonsa... e tem esse arzinho azedo e avoado que me dá vontade de voar no pescoço dela... Eu sei, parece mesmo que eu fiz tudo o que a imprensa me acusa de ter feito. Mas não foi bem assim. Senta aqui e me ouça até o fim. Depois me diga se acha mesmo que mereço o título de Rainha Má... Talvez só Rainha seja muito melhor.”

Quem não conhece a história da Branca de Neve em que a madrasta má, com inveja da beleza da enteada, decide envenená-la com uma maça? Mas, e se a madrasta não fosse tão má assim e nem a Branca de Neve tão inocente? É essa a história que a Carina Rissi se propôs a contar em Menina Veneno, uma releitura moderna do famoso conto da Branca de Neve.
Nessa versão, a Madrasta Má se chama Malvina e é uma modelo super famosa, garota propaganda de uma importante marca de perfume, a Menina Veneno. Casada com um piloto de Fórmula Indy milionário, Henrique Neves, Malvina tinha a vida perfeita; ou quase, se ela não levasse em consideração sua enteada adolescente, Bianca. No entanto, Henrique morreu precocemente em um acidente durante uma corrida, deixando Malvina com uma grande herança e a indesejada tutela de Bianca.

Os problemas de Malvina começam quando os donos do perfume Menina Veneno percebem que as vendas não estavam tão boas e decidem mudar os rumos da campanha publicitária. Assim, resolvem mudar a garota-propaganda por um novo rosto, mais precisamente o de Bianca Neves. Em pouco tempo, a garota começa a ganhar cada vez mais espaço na mídia e Malvina não poderia deixar que a enteada a ofuscasse não é mesmo? Então, segundo ela, ninguém poderia culpá-la por suas decisões após conhecer a verdadeira história.


Eu confesso que tenho adorado releituras modernas que trazem novas perspectivas para os contos de fadas. Então, mesmo nunca tendo sido muito fã da Branca de Neve, fiquei curiosa para conhecer a versão da madrasta da história. Além disso, sempre tive total confiança na escrita da Carina Rissi e em sua capacidade de escrever uma história leve, divertida e envolvente.
“Ah! Eu estava ansiosa para que você chegasse, meu bem. Não é sempre que tenho a oportunidade de narrar o que aconteceu comigo. Você provavelmente já escutou essa história antes, mas com certeza não ouviu a verdadeira história. Não que eu possa culpá-lo por isso.  A imprensa adora transformar alguém em vilão. Ou vilã, como é o caso.”
Gostei bastante da ideia de trazer um outro lado da história em que a madrasta não é tão má e a Branca de Neve está longe de ser tão boazinha quanto no conto de fadas. Porém, a maneira como as personagens foram construídas acabou fazendo com que eu tivesse dificuldade de me afeiçoar a qualquer uma delas. A Bianca é realmente tudo que Malvina a acusava de ser e, à medida que a leitura avançava, eu só conseguia detestar mais a menina.
No entanto, o fato de Bianca ser mesmo uma adolescente mimada, sem graça e irritante, não torna a Malvina uma protagonista carismática. Ela é fútil, arrogante, vaidosa e egoísta, fazendo com que seja difícil torcer por ela ou desculpar suas atitudes. Eu entendo que a autora quis mostrar uma dualidade na personagem, que não era totalmente boa ou má. No entanto, a história é toda narrada por Malvina e, como é difícil simpatizar com ela, a leitura acaba se tornando um pouco cansativa.

“Ela não é a mulher mais linda e perfeita que você já viu na vida? Eu concordo. E tenho a grata satisfação de vê-la todos os dias, quando me olho no espelho.”

Por outro lado, alguns personagens secundários são mais carismáticos e acabam ajudando bastante. Adorei ver a relação da Malvina com Sarina, sua assistente, e Abel, seu motorista. Os dois eram extremamente leais a ela e sempre estavam dispostos a ajudá-la, mas também não se faziam de cegos aos seus defeitos e, muitas vezes, tentavam chamá-la de volta para a realidade. O Abel, em especial, foi meu personagem preferido e, sempre que aparecia, acrescentava bastante à história.



A trama se desenvolve em um bom ritmo, que é característico dos livros da Carina Rissi. A forma como a história é narrada faz com que seja rápido entender as motivações de Malvina e o que a levou a tomar medidas um tanto radicais em relação à enteada. Além disso, a autora também explica o passado da protagonista, o que ajuda o leitor a compreendê-la, mas não deixa que essas explicações quebrem o ritmo da história ou tornem a leitura lenta.
“Bem, um dos segredos do sucesso é saber lidar com os erros. E, quando se erra, só se tem duas opções: para baixo ou para cima. Ficar se lamentando eternamente ou fazer alguma coisa a respeito.”
No entanto, o que realmente me incomodou no livro é que, como temos a visão de Malvina o tempo todo, em vários momentos há um excesso de comentários fúteis e descrições de lugares, pessoas e até dos rituais de beleza da protagonista. Esses momentos não só aumentaram minha antipatia pela personagem como ainda tornaram a leitura cansativa. E mesmo que o humor característico dos livros da Carina Rissi esteja presente e eu tenha gostado do sarcasmo com que Malvina narra os acontecimentos, isso não foi o suficiente para me manter envolvida com a leitura. Apesar de ter me divertido em vários momentos, chegou um ponto em que estava tão cansada da Malvina e da Bianca que deixei de me importar com o que aconteceria com elas e a história perdeu a graça. Uma história mais curta e sem descrições desnecessárias teria funcionado melhor.
Com relação à edição, preciso dizer que a Galera Record caprichou nos mínimos detalhes. A capa tem tudo a ver com a história e dentro do livro há diversas ilustrações e manchetes de revistas e jornais que permitem perceber o declínio de Malvina na mídia bem como a ascensão da Bianca. As páginas são amareladas e achei a fonte com um ótimo tamanho, deixando a leitura bem confortável.
Menina Veneno tem uma ótima proposta e que é divertida em alguns momentos, mas acredito que tenha sido mais eficiente em seu formato original, um conto publicado no Livro dos Vilões. No entanto, ainda é uma leitura rápida, que traz uma perspectiva original e diferente da clássica história da Branca de Neve. É uma ótima opção para quem procura um livro leve para ler em uma tarde tranquila.

Lidos de março



Olá, pessoal! Agora que março (aquele ano disfarçado de mês) terminou, eu vim contar para vocês quais foram os livros lidos nesse período. Talvez por ter sentido que foi um mês muito arrastado, fiquei com a impressão de que as minhas leituras não tinham rendido. No entanto, quando fui olhar as minhas anotações, percebi que consegui ler oito livros e a maioria foram ótimas leituras.
Apesar de não ter cumprido a meta que tinha estipulado, consegui ler alguns livros que estavam na minha lista de desejados há muito tempo e ainda li mais livros de fantasia, algo que estava com saudades de fazer. Aliás, esse mês teve livro dos meus gêneros favoritos: romance de época, Young Adult, chick-lit e, como já falei, fantasia.
Então, sem mais enrolação, vamos aos lidos de março:

Um perfeito cavalheiro, da Julia Quinn: Dando continuidade à série Os Bridgertons, eu li o terceiro volume. Trata-se de uma releitura apaixonante da Cinderela, que sempre foi meu conto de fadas preferido. Admito que esse livro não superou o segundo volume da série, O Visconde que me Amava, mas ainda foi uma leitura leve e divertida como só a Julia Quinn sabe escrever. Em breve, vou postar a resenha aqui no blog.

Seduzida por um guerreiro escocês, da Maya Banks: Confesso que enrolei para ler esse livro por dois motivos. O primeiro, é que esse título me deixava com os dois pés atrás (acho brega, pronto falei). O segundo, e mais importante, é que já vi várias críticas a uma outra série de romances de época da autora por romantizar relacionamentos abusivos, algo que eu não consigo aceitar. No entanto, para minha surpresa, ela acertou a mão em Seduzida por um guerreiro escocês e, além do relacionamento estar longe de ser abusivo, ele é muito bem construído. É uma relação cuja base é o respeito e a admiração mútua, e é impossível não se encantar com esse casal. Vou fazer a resenha em breve, mas já adianto que é um dos melhores romances de época que já li.

O beijo traiçoeiro, da Erin Beaty: Primeiro volume de uma trilogia, esse foi um dos meus favoritos do mês que passou, com um excelente equilíbrio entre fantasia, romance e aventura. Foi uma leitura muito especial, que me conquistou pelo carisma dos personagens e a forma envolvente como a trama foi construída. Além disso, confesso que algumas coisas fizeram com que eu me lembrasse do desenho da Mulan, que é um dos meus preferidos da vida, o que contribuiu ainda mais para que eu gostasse da leitura. Falei mais sobre ele na resenha aqui, mas é um livro que não me canso de recomendar para todo mundo.

Menina Veneno, da Carina Rissi: Como uma pessoa que adora os livros da Carina Rissi e ama releituras de contos de fadas, eu tinha grandes expectativas para Menina Veneno. No entanto, apesar da escrita da Carina continuar leve e com um humor irônico que eu adoro, a leitura ficou longe do que eu esperava. Ainda vou falar sobre ele com mais detalhes na resenha, mas já adianto que, apesar de não ser um livro ruim, deixou a desejar e foi minha única decepção de março.

O último dos magos, da Lisa Maxwell: Quem leu minha resenha aqui, sabe o quanto esse livro me empolgou. Foi meu primeiro contato com a escrita da Lisa Maxwell e eu fiquei apaixonada pela leitura. Ela criou um universo muito interessante, personagens complexos e carismáticos e uma trama muito envolvente. Sem dúvida, a continuação dele, que deve ser publicada no segundo semestre nos Estados Unidos, se tornou um dos lançamentos que estou mais ansiosa para conferir.

O cara dos meus sonhos (ou quase), da Jenn Bennett: Sabe aquele livro Young Adult que quando a gente começa já sabe como vai acabar, mas mesmo assim fica encantado com a leitura? Foi exatamente isso que aconteceu comigo enquanto lia este livro. Desde que li a sinopse, já imaginava o que iria acontecer, porém, o que me surpreendeu e encantou foi a jornada dos personagens, o quanto eles amadureceram e como o relacionamento deles foi construído. Ainda vou escrever uma resenha sobre ele para poder explicar os motivos que fizeram com que eu me apaixonasse por esse livro, mas já adianto que terminei a leitura com um sorriso no rosto e uma sensação de coração quentinho.

Felicidade para humanos, do P. Z. Reizen: Esse livro tem uma das premissas mais divertidas e originais que já li, o que contribuiu muito para que a leitura me envolvesse rapidamente. No entanto, confesso que esperava mais dele. O autor tinha possibilidade de se aprofundar um pouco em temas muito legais, mas se perdeu no meio do caminho. No entanto, como comentei na resenha (aqui) o livro não chegou a se tornar uma decepção, porque o carisma dos personagens fez com que a leitura fosse divertida.

Um sedutor sem coração, da Lisa Kleypas: Um mês que começou com um romance de época só poderia terminar com outro né? Desta vez, foi um lançamento deste ano da Editora Arqueiro da autora Lisa Kleypas. Ele inaugura a série Os Ravenels e traz um romance bem construído, original, divertido e apaixonante. Mais uma vez me encantei pela escrita da autora e pelos personagens criados por ela, e não vejo a hora de ler as continuações. Já escrevi resenha sobre ele aqui no blog e recomendo muito para quem ama romance de época e para os que desejam começar a conhecer o gênero.

E vocês, o que leram ao longo de março? Espero que tenham sido leituras maravilhosas. Me contem aí nos comentários os seus livros lidos e quais da minha lista vocês já leram ou querem ler.   
E, caso tenham se interessado por algum dos livros citados, não deixem de comprar pelo link de compra na Amazon: aqui. Fazendo suas compras através dele, vocês ajudam o Dicas de Malu, sem custos extras.

Apaixonada por literatura desde pequena, nunca consegui ficar muito tempo sem um livro na mão. Assim, o Dicas de Malu é o espaço onde compartilho um pouco desse meu amor pelo mundo literário.




Facebook

Busca

Instagram

Twitter

Editoras Parceiras

Seguidores

Arquivos

Newsletter

Populares

Tecnologia do Blogger.